Bacu pedra (Acanthodoras cataphractus)

 

Acanthodoras cataphractus (Linnaeus, 1758)

Foto de Mark Smith (c) em Planet Cat Fish

Nome Popular: Bacu Pedra — Inglês: Spiny catfish

Ordem: Siluriformes — Família: Doradidae (Doradídeos)

Distribuição: América do Sul, bacia do rio Amazonas

Tamanho Adulto: 20 cm (comum ~ 12 cm)

Expectativa de Vida: 10 anos +

pH: 6.0 a 7.4 — Dureza: –

Temperatura: 22°C a 28°C

Aquário Mínimo: 80 cm comprimento X 30 cm largura — substrato do aquário deverá se preferencialmente fino e macio, além de conter diversos refúgios formado por cavernas onde o peixe poderá repousar.

Comportamento & Compatibilidade: Um peixe retraído e muito tímido que, uma vez solto no aquário, raramente pode ser visto. Fornece muitas cavernas e outros esconderijos. Na natureza, eles normalmente se escondem entre matagais de plantas submersas junto com outros Doradídeos e Corydoras. É uma boa opção para aquário comunitário com peixes de tamanho médio.

Alimentação: Detritívoro, alimenta-se principalmente de resíduos orgânicos. Procura por comida escavando o substrato. Ativo à noite, fica escondido nas raízes e plantas subaquáticos durante o dia. Em aquário aceitará prontamente qualquer tipo de alimento.

Reprodução: Ovíparo. Uma vez formado o casal, eles fazem pequenas depressões no substrato onde depositam os ovos. Ambos pais cuidam dos ovos até que eclodam, que ocorre entre 4 a 5 dias.

Dimorfismo Sexual: Os barbilhões dos machos são castanhos e estriados de branco amarelado, enquanto os das fêmeas são monocromáticos. Estes últimas são levemente maiores e sua região ventral mais larga.

Biótopo: Abundante em águas calmas de brejos e manguezais.

EtimologiaAcanthodoras do grego akantha, que significa espinho, e doras, que significa pele, em referência aos espinhos nas placas ósseas ao longo da linha lateral. O nome da espécie, cataphracta, significa blindado.

Sinônimos: Doras castaneoventris, Doras blochii, Cataphractus americanus, Silurus cataphractus

Informações adicionais: Espécie conhecida por emitir som quando movem a sua espinha peitoral, que dura de 100 a 200 milissegundos com uma frequência de 170-250 Hertz.

No Brasil é conhecido por inúmeros nomes comuns como Cantadora, Roncador, Bacu, Bacu pedra, Botoado, Rebeca e Vacu, estando distribuído nos estados do Amazonas (native), Pará (native), Rondônia (native) e Roraima (native).

Referências:

  • Burgess, W.E., 1989. An atlas of freshwater and marine catfishes. A preliminary survey of the Siluriformes. T.F.H. Publications, Inc., Neptune City, New Jersey (USA).
  • Boujard, T., M. Pascal, F.J. Meunier and P.-Y. Le Bail, 1997. Poissons de Guyane. Guide écologique de l’Approuague et de la réserve des Nouragues. Institut National de la Recherche Agronomique, Paris
  • Sabaj, M.H. and C.J. Ferraris Jr., 2003. Doradidae (Thorny catfishes). p. 456-469. In R.E. Reis, S.O. Kullander and C.J. Ferraris, Jr. (eds.) Checklist of the Freshwater Fishes of South and Central America. Porto Alegre: EDIPUCRS, Brasil.
  • Romero, P., 2002. An etymological dictionary of taxonomy. Madrid, unpublished.
  • Planet Catfish

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Março/2021
Colaboradores (collaboration): —

Sobre Edson Rechi 903 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*