Tanictis (Tanichthys albonubes)

 

Tanichthys-albonubes

Classificação

Classe: Actinopterygii • Ordem: Cypriniformes • Família: Cyprinidae

Nome binomial: Tanichthys albonubes (Lin, 1932)

Sinônimos: Aphyocypris pooni

Grupo Aquário: Pequenos Ciprinídeos, Peixes Água Fria

Nomes comuns

Tanicts, Tanictis — Inglês: White cloud, White cloud minnow, White Cloud Mountain fish, White cloud mountain minnow, Chinese danio

Distribuição & habitat

Ásia. Encontrado na montanha Baiyunshan na China, próximo da cidade de Guangzhou. Recentemente foi descoberto populações em outras localidades próximas.

Países: China, Vietnã. Introduzido em Madagascar, Austrália e Colômbia, estabelecimento populacional incerto.

Habitat: encontrado em córregos límpidos de águas lênticas em meio a hidrófitas

Tanichthys-albonubes-map
Mapa por Discover Life

Ambiente & parâmetros da água

Demersal; água doce • pH: 6.0 – 8.0 • Dureza: 5 – 19 • Clima: tropical; 18°C – 28°C

Embora tolere uma ampla faixa de temperatura e pH, vivem melhor em pH entre 6.6 e 7.4 e temperatura próximo dos 22°C quando mantidos em aquário.

Tamanho adulto

4 cm (comum 3 cm) • Estimativa de vida: 3 a 5 anos

Manutenção em aquário

Aquário com dimensões mínimas de 60 cm X 30 cm X 30 cm (54 litros) requerido. Deverá ser mantido preferencialmente em aquário plantado com fluxo de água lento.

A exposição permanente em condições de água com temperatura elevada resultará na diminuição de sua vida útil. Ideal mantê-los em aquário sem termostato, para que a temperatura possa flutuar de acordo com as estações naturais. Espécimes selvagens são intolerantes a exposição de temperatura muito baixa, porém, a maior parte desta espécie provém de criação comercial podendo ser mantido em temperaturas mais frias (10°C a 28°C).

Espécie extremamente pacífica que deverá ser mantido em grupos de seis ou mais espécimes. Pode ser mantido em aquário comunitário, exceto com peixes maiores que poderão comê-los.

Alimentação

Onívoro, em seu ambiente natural alimenta-se de pequenos invertebrados, zooplâncton e detritos. Em cativeiro aceitará alimentos secos e vivos sem dificuldades.

Reprodução e dimorfismo sexual

Tanichthys-albonubes2
Macho a esquerda e fêmea a direita respectivamente

Ovíparo. Fêmeas dispersam ovos pelo substrato ou folhas que serão fecundados pelo macho. Não ocorre o cuidado parental e os ovos podem ser comidos pelos pais. Ovos eclodem em até 60 horas.

Dimorfismo sexual

Machos são mais magros e coloridos do que as fêmeas, esta última apresenta abdômen mais inchado.

Galeria de imagens

Tanichthys-albonubes-double
Machos se mostrando um para o outro e variedade “ouro”
Tanichthys-albonubes-double2
Casais

Descrição

Corpo alongado com linha lateral branca iridescente com uma linha negra na parte inferior; restante do corpo translúcido com manchas vermelhas na nadadeira caudal e dorsal de coloração vermelho. Focinho curto com mandíbula menor e um pouco projetada. Existem variedades domésticas de cor amarela (gold) e de longas nadadeiras (véu).

É uma espécie bastante resistente podendo viver em amplas condições de água e temperatura, sendo bastante popular na aquariofilia e indicado para aquaristas iniciantes devido sua rusticidade e valor baixo. Este peixe é sensível ao cobre na água, devendo ter cuidado no manuseio de medicamentos na água.

Bastante comum na aquariofilia, inúmeras variedades ornamentais estão indisponíveis incluindo variedade véu, ouro, albino e super vermelho. Infelizmente devido a endogamia, hoje em dia os peixes disponíveis são geneticamente mais fracos ou propensos a desenvolver deformidades físicas, diminuindo sua expectativa de vida.

Esta espécie foi descoberta na montanha Nuvem Branca (Pinyin Bái Yún Shān), em Guǎngdōng (China), por um chefe de escoteiro chamado Tan Kan Fei, daí o nome do gênero Tanichthys, que indica “peixe de Tan”. O nome da espécie , albonubes vem do Latim alba nubes (nuvem branca) em referência ao local onde foi descoberto pela primeira vez.

Atualmente parece extinto em seu local de origem e entre os anos de 1980 e 2001 não foi registrado nenhuma ocorrência em seu ambiente natural, levando a temores de que a espécie poderia estar extinta. Porém, espécies foram descobertas em pontos isolados na região costeira da província de Guangdong e província de Quang Ninh, no nordeste do Vietnã. Este último faz fronteira com a província de Guangxi, na China, e os peixes foram encontrados em um riacho costeiro drenando para o mundialmente famoso Ha Long Bay.

Em 2007, populações adicionais foram descobertas na ilha de Hainan, na província de Hainan, que é separado do Guangdong pelos 30 km de largura do Estreito de Qiongzhou (Chan e Chen, 2009). Recentemente programas para reintroduzir a espécie tem sido implementado através de espécimes oriundos de cativeiro.

Referências

  1. Robins, C.R., R.M. Bailey, C.E. Bond, J.R. Brooker, E.A. Lachner, R.N. Lea and W.B. Scott, 1991. World fishes important to North Americans. Exclusive of species from the continental waters of the United States and Canada. Am. Fish. Soc. Spec. Publ. (21):243 p.
  2. Wang, S. (ed.), 1998. China red data book of endangered animals. Pisces. National Environmental Protection Agency. Endangered Species Scientific Commision. Science Press, Beijing, China. 247p.
  3. Kottelat, M., 2001. Freshwater fishes of northern Vietnam. A preliminary check-list of the fishes known or expected to occur in northern Vietnam with comments on systematics and nomenclature. Environment and Social Development Unit, East Asia and Pacific Region. The World Bank. 123 p.
  4. Chan, BPL, and XL Chen, 2009 – Zoological Research 30(2): 209–214 – Discovery of Tanichthys albonubes Lin 1932 (Cyprinidae) on Hainan Island, and notes on its ecology.
  5. Fang, F., M. Norén, TY Liao, M. Källersjö, and SO Kullander, 2009 – Zoologica Scripta 38(1): 1-20 – Molecular phylogenetic interrelationships of the south Asian cyprinid genera Danio , Devario and Microrasbora (Teleostei, Cyprinidae, Danioninae).
  6. Liang, XF, GZ. Chen, XL. Chen, and PQ. Yue, 2007 – Environmental Bi0logy of Fishes 82(2): 177-178 – Threatened fishes of the world: Tanichthys albonubes Lin 1932 (Cyprinidae).
  7. Yi, ZS., XL. Chen, JX. Wu, SC. Yu, and CE. Huang, 2004 – Zoological Research 25(6): 551-555 – Rediscovering the wild population of white cloud mountain minnows ( Tanichthys albonubes Lin) on Guangdong Province.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Julho/2014
Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 903 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

6 Comentário

  1. Bom dia, parceiro. É com muita alegria q encontrei este seu artigo. Fiquei 27 anos sem aquários e me hoje me lembrei deste peixe, que desejava criar naquela época.
    Fiquei mais feliz ainda por encontrar a matéria no seu site, que respeito e admiro muito.
    Montei um aquário de 36 litros de forma simples, pensando apenas no cultivo das plantas (Cabomba e Valisneria).
    Filtro hang on 60-90 l hora, luz de 5w, seixo de Rio e areia grossa lavada, troncos e pedras.
    Vou usar adubação líquida, pois quero as plantas com saúde total (sou Orquidófilo e penso mais na qualidade do q na quantodade).
    Ainda vou aprender sobre amônia e nitritos,mas acho q meu aquário caminha para ser um bom micro habitat para Tanicts.
    O volume livre de água ficou em 30 litros.
    Gostaria da sua opinião sobre a possibilidade de criar alguns deles e se posso colocar limpa-vidros juntos.
    Claro, o q for melhor para os peixes.
    Muitíssimo obrigado e parabéns pelas suas postagens técnicas e agradáveis.

     
  2. Tô achando que só tem macho. Eles tão quebrando o pau entre si. Não disse que eles são extremamente pacíficos?
    Fico puto quando acontece essas coisas, tem um aqui que tá quase morrendo tadinho, o outro tá metendo porrada nele e eu não tenho como separar.

     
    • São pacíficos, mas quando mantidos apenas machos podem disputar a hierarquia do grupo. Principalmente se o aquário for muito pequeno ou quando mantidos em pouca quantidade. Vários fatores influenciam!

       

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*