Abramites, Piau Pedra (Abramites hypselonotus)

 

Abramites hypselonotus (Günther, 1868)

Foto de Enrico Richter (c)

Nome Popular: Abramites, Piau-pedra — Inglês: Marbled headstander

Ordem: Characiformes — Família: Anostomidae (Anostomideos)

Distribuição: América do Sul, Bacias do Orinoco, Amazonas, Paraguai e baixo do rio Paraná

Tamanho Adulto: 14 cm

Expectativa de Vida: 10 anos +

pH: 6.0 a 7.4 — Dureza: –

Temperatura: 22°C a 28°C

Aquário Mínimo: 100 cm comprimento X 40 cm largura — a decoração é indiferente, mas ficará melhor se mantido em aquário com diversas raízes e plantas. Embora poderá comer esta última, principalmente folhas mais moles.

Comportamento & Compatibilidade: Possui a característica de se manter nadando em posição de 45°. De comportamento pacífico, dificilmente incomoda outros peixes. Com exceção a peixes de natação lenta, o qual eventualmente poderá mordiscar. Pode ser criado sozinho, porém fica mais ativo quando mantido em cardume de pelo menos cinco espécimes.

Foto de Sara Scharf (c)

Alimentação: Ovíparo. Naturalmente se alimentam de vermes, crustáceos, insetos e matéria vegetal. Em aquário aceitará prontamente alimentos secos e vivos, devendo ser fornecido rações vegetais e spirulina regularmente.

Reprodução: Ovíparo. Sua criação em cativeiro é desconhecida, mas sabe-se que é similar aos caracídeos com a fêmea depositando os ovos em meio a plantas e o macho fertilizando em seguida. Não ocorre o cuidado parental.

Dimorfismo Sexual: Fêmeas sexualmente maduras normalmente têm um corpo mais profundo do que os machos.

Biótopo: Generalista, pode ser encontrado em muitos tipos de habitat, desde canais de rios principais com águas turvas e correntes até pequenos afluentes e remansos. Também entra em zonas temporariamente inundadas durante as cheias anuais.

Etimologia: –

Sinônimos: Abramites eques, Leporinus nigripinnis, Abramites ternetzi, Abramites microcephalus, Leporinus solarii, Abramites hypselonotus hypselonotus, Leporinus hypselonotus

Informações adicionais: Difere de outros Anostomídeos principalmente com base em seus corpos relativamente mais profundos e na presença de uma quilha mediana pós-pélvica proeminente, uma característica única do gênero.

Sua análise filogenética sugere que, dentro desse agrupamento, os Abramites formam um clado muito distinto, mais relacionado aos Leporinus.

No Brasil pode ser encontrado nos estados do Acre (native), Amazonas (native), Mato Grosso (native) e Rondônia (native).

Referências:

  • Vari, R.P. and A.M. Williams, 1987. Headstanders of the Neotropical Anostomid Genus Abramites (Pisces: Characiformes: Anostomidae). Proc. Biol. Soc. Wash.
  • Silvano, R.A.M., O.T. Oyakawa, B.D. do Amaral and A. Begossi, 2001. Peixes do alto Rio Juruá (Amazonas, Brasil). Editora da Universidade de São Paulo, Brazil.
  • Breder, C.M. and D.E. Rosen, 1966. Modes of reproduction in fishes. T.F.H. Publications, Neptune City, New Jersey.
  • Mills, D. and G. Vevers, 1989. The Tetra encyclopedia of freshwater tropical aquarium fishes. Tetra Press, New Jersey.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Fevereiro/2021
Colaboradores (collaboration): —

Sobre Edson Rechi 903 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*