Tetra Foguinho (Hyphessobrycon amandae)

 

Hyphessobrycon amandae  (Géry & Uj, 1987)

Nome Popular: Tetra Foguinho — Inglês: Ember Tetra

Ordem: Characiformes — Família: Characidae (Caracídeos)

Distribuição: América do Sul, bacia do rio Araguaia

Tamanho Adulto: 2.0 cm

Expectativa de Vida: 3 a 5 anos +

pH: 6.0 a 7.0 — Dureza: < 8

Temperatura: 24°C a 28°C

Aquário Mínimo: 60 cm (comprimento) X 30 cm (largura) desejável — se mostram mais coloridos quando mantidos em aquário densamente plantado. Pode-se adicionar raízes e folhas secas (opcional). Substrato arenoso e escuro realça ainda mais suas cores.

Comportamento & Compatibilidade: Espécie de comportamento pacífico podendo ser mantido em aquário comunitário com peixes de mesmo porte. Peixe gregário, será importante manter em cardume com pelo menos 10 espécimes para que mostrem seu comportamento natural e cores mais realçadas.

Alimentação: Provavelmente um micro predador alimentando-se naturalmente de pequenos invertebrados e zooplâncton. Em cativeiro aceitará prontamente alimentos secos e vivos.

Reprodução: Ovíparo. Nas primeiras horas do dia o macho conduzirá a fêmea liberar os ovos que serão fecundados e sua maioria irá para o fundo. Eclodem em até três dias e larvas estarão nadando livremente em até 48h. Pais não exibem cuidado parental.

Dimorfismo Sexual: Quanto ao corpo, o macho tem forma retilínea e a fêmea, forma roliça. Os machos adultos são mais coloridos, especialmente quando época de reprodução.

Biótopo: Existe pouca informação, mas presumivelmente habita pequenos afluentes, remansos e lagoas marginais, em vez de canais principais do rio. Na drenagem do rio Araguaia, tais habitats normalmente contêm água mole, fracamente ácida, com o substrato coberto por uma camada de folhas e galhos caídos.

Etimologia: Hyphessobrycon; do grego hyphesson, que significa de menor estatura + grego bryko = morder, mordedor. Amandae = em homenagem a Amanda Bleher, mãe do ictiologista Heiko Bleher.

Sinônimos: Hemigrammus amandae

Informações adicionais: Sua localidade é tida como Rio das Mortes, cerca de 100 km antes de sua confluência com o Rio Araguaia. Endêmico do Brasil, ocorre no estado do Mato Grosso.

Espécime macho em época de reprodução
Fêmeas em época de reprodução

Referências:

  • Weitzman, S.H. and L. Palmer, 1997. A new species of Hyphessobrycon (Teleostei: Characidae) from Neblina region of Venezuela and Brazil, with comments on the putative ‘rosy tetra clade’. Ichthyol. Explor. Freshwater
  • Teixeira, T.F., F.C.T. Lima and J. Zuanon, 2013. A new Hyphessobrycon Durbin from the Rio Teles Pires. Rio Tapajós basin, Mato Grosso State, Brazil. (Characiformes: Characidae). Copeia 2013(4):612-621.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Agosto/2018
Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 747 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*