Bagre Asicurrupa (Helogenes marmoratus)

Helogenes marmoratus (Günther, 1863)
Espécime de 3.7 cm (Manaus – Brasil)

Ficha Técnica

Ordem: Siluriformes — Família: Cetopsidae

Nomes Comuns: Bagre, Asicurrupa

Distribuição: América do Sul, costa Atlântica e bacia Amazônica

Tamanho Adulto: 8 cm

Expectativa de Vida: 10 anos +

Comportamento: pacífico

pH: 6.0 a 7.0 — Dureza: 4 a 15

Temperatura: 22°C a 28°C

Distribuição e habitat

Distribuído em rios da costa Atlântica na Guiana, Suriname e Guiana Francesa, sistemas superiores do Rio Orinoco e Rio Negro na Venezuela e bacia amazônica no Brasil, Peru e Equador.

No Brasil é encontrado nos estados do Amazonas, Pará, Rondônia e Roraima.

Ocorre em águas negras ou límpidas, geralmente em córregos florestais com fluxo de corrente moderada a rápida sobre areia firme ou fundos de cascalho. Vive escondido sob plantas, raízes ou plantas em decomposição.

Descrição

Cabeça e corpo marrom avermelhado com padrão cor de mármore. Dorsais, peitorais, ventrais, nadadeiras anais e adiposas são da mesma cor que o corpo, mas todas com margens mais claras. Nadadeira caudal castanha clara com manchas mais escuras.

H. marmoratus vive escondido sob plantas, raízes ou restos de plantas. Possui um padrão de cores que lembra folhas mortas. O peixe pode até deitar-se de lado entre as folhas, como uma forma de camuflagem. Ele pode ser facilmente confundido com um pedaço de madeira quando está de lado, imóvel no fundo. Comumente nada em movimentos ondulantes.

Possui comportamento bastante curioso. Quando perturbado, se move para cima através do emaranhado de raízes, expondo sua cabeça ou corpo dianteiro acima da superfície da água, boiando parecendo um pedaço de madeira flutuando. Ele pode ainda nadar rapidamente em direção ao abrigo de detritos mais próximo ficando na posição horizontal para ser confundido com galhos ou folhas mortas.

Criação em Aquário

Aquário com dimensões mínimas de 100 cm de comprimento e 40 cm de largura desejável.

Uma espécie noturna que precisa de cobertura vegetal para descansar durante o dia. Não gosta muito de forte movimento da água.

A decoração do aquário deverá conter raízes, substrato arenoso e folhas secas para que a espécie possa se abrigar. Plantas rusticas que tolerem intensidade luminosidade baixa poderão ser utilizadas.

Comportamento

Podem ser mantidos com uma grande variedade de peixes pacíficos, desde que não sejam muito pequenos ou grandes demais.

Gregário deve ser mantido em pelo menos seis espécimes para que mostre seu comportamento natural.

Reprodução

Sua reprodução é desconhecida.

Dimorfismo Sexual

Dimorfismo sexual pouco evidente.

Alimentação

Onívoro. Em seu ambiente natural se alimenta principalmente de insetos terrestres, particularmente formigas.

Em aquário aceitará prontamente alimentos secos e vivos.

EtimologiaHelogenes, do grego helo = pântano + grego gene, genes = nascimento, referente ao seu nascimento em pântanos e áreas alagadas. Marmoratus, mármore; malhado, em alusão a cor de seu corpo.

SinônimosHelogenes unidorsalis, Helogenes amazonae

Referências

  1. Vari, R.P. and H. Ortega, 1986. The catfishes of the neotropical Family Helogenidae (Ostariophysi: Siluroidei). Smith. Contrib. Zool.
  2. Rosa, D.C.O., B.E. Soares, M.P. Albrecht and E.P. Caramaschi, 2016. Length-weight relationship of 10 freshwater fish species in Amazonian streams, Trombetas River basin (Brazil). J. Appl. Ichthyol.
  3. Mutti Pedreira, J.M., 1971. Dicionário de peixes de couro do Brasil. SUDAM, Belém, Assessoria de Programação e Coordenação Divisão de Documentação. 122 p.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Maio/2018
Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 629 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*