Comedor de algas Chinês (Gyrinocheilus aymonieri)

 

Gyrinocheilus aymonieri (Tirant, 1883)

Variedade “gold”

Nome Popular: Comedor de algas chinês — Inglês: Chinese algae-eater

Ordem: Cypriniformes — Família: Cyprinidae (Cyprinídeos)

Distribuição: Ásia, bacias de Mekong e Chao Phraya

Tamanho Adulto: 28 cm (comum: 20 cm)

Expectativa de Vida: 10 anos +

pH: 6.0 a 8.0 — Dureza: 5 a 19

Temperatura: 22°C a 28°C

Aquário Mínimo: 80 cm X 30 cm X 40 cm (96 L) – espécie pouco exigente com a decoração do aquário, no entanto ficará mais a vontade com a configuração projetada com bastante rochas e raízes. Plantas podem ser utilizadas, mesmo as de folhas macias. Como muitos peixes que habitam naturalmente ambiente lótico, é bastante intolerante ao acúmulo de resíduos orgânicos e ficará melhor se houver um alto nível de oxigênio dissolvido e um movimento moderado da água.

Comportamento: No geral é um peixe pacífico. A medida que amadurece pode se tornar agressivo e territorial com outros peixes de morfologia similar, vide outros comedores de algas (espécies semelhantes fisicamente). Eventualmente pode causar ferimentos em peixes de maior porte, pois tenta se alimentar do muco produzido por seu corpo.

Compatibilidade: Pode ser mantido em aquário comunitário com peixes de porte compatível. Em seu ambiente natural vive solitariamente e só mantém contato com outros de sua espécie em época de reprodução. Esses instintos aumentam à medida que os peixes envelhecem. Razão pelo qual deverá evitar criar com outros da mesma espécie, exceto se o aquário for grande o suficiente (300L +) e possuir bastante refúgios para abrigá-los.

Alimentação: Onívoro com forte tendência a herbívoro. Alimentam-se em grande parte de algas, perifíton e fitoplâncton, secundariamente larvas de insetos ou zooplâncton. Em aquário deve ser fornecido alimentos secos a base de Spirulina, além de abundante material vegetal como ervilhas descascadas, abobrinha, espinafre e frutas picadas.

Reprodução: Ovíparo, sua reprodução em aquários particulares é desconhecida, mas grandes números são reproduzidos para o comércio ornamental com a ajuda de hormônios.

Dimorfismo Sexual: As fêmeas sexualmente maduras são visivelmente mais encorpadas que os machos, mas é impossível fazer a distinção quando juvenis.

BiótopoHabita córregos e afluentes com substratos de pedregulhos, seixos, cascalho e areia, muitas vezes em áreas com troncos submersos ou raízes de árvores. As águas rasas frequentemente claras permitem que a luz solar penetre na superfície e desenvolvam um biofilme rico que cobre as superfícies submersas sobre as quais ficam aderidos.

Etimologia: Gyrinocheilus; do grego, gyrinos = girino + grego, cheilos = lábio. aymonieri, nomeado em homenagem ao arqueólogo e explorador francês Étienne François Aymonier (1844-1929).

Sinônimos: Gyrinocheilus monchadskii, Gyrinocheilus kaznakovi, Psilorhynchus aymonieri

Informações adicionais: Em sua região de origem é utilizado para fazer “prahok”, uma típica pasta de peixe da culinária khme. Normalmente é vendido como comedor de algas chinês ou indiano, mas não ocorre naturalmente em nenhum destes países.

Espécies do gênero exibem algumas peculiaridades morfológicas que as separam de todos os outros gêneros na ordem Cypriniformes. Não possuem dentes faríngeos e possuem uma pequena abertura semelhante a um espiráculo no topo de cada opérculo. Estes últimos são utilizados ​​como aberturas respiratórias secundárias através das quais a água entra e passa sobre as brânquias antes de ser expelida pela abertura principal das brânquias. O aparelho bucal pode, portanto, ser usado independentemente para alimentação e ancoragem em superfícies sólidas.

Espécime capturado

Referências:

  1. Riede, K., 2004. Global register of migratory species – from global to regional scales. Final Report of the R&D-Projekt 808 05 081. Federal Agency for Nature Conservation, Bonn, Germany.
  2. Kottelat, M., 1998. Fishes of the Nam Theun and Xe Bangfai basins, Laos, with diagnoses of twenty-two new species (Teleostei: Cyprinidae, Balitoridae, Cobitidae, Coiidae and Odontobutidae). Ichthyol. Explor. Freshwat.
  3. Rainboth, W.J., 1996. Fishes of the Cambodian Mekong. FAO species identification field guide for fishery purposes. FAO, Rome.
  4. Taki, Y., 1978. An analytical study of the fish fauna of the Mekong basin as a biological production system in nature. Research Institute of Evolutionary Biology Special Publications no. 1,77 p. Tokyo, Japan.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Junho/2018
Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 769 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

2 Comentário

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*