Engraçadinho, Lambari (Hyphessobrycon griemi)

 

Hyphessobrycon-griemi-engracadinho

Hyphessobrycon griemi (Hoedeman, 1957)

Nome Popular: Engraçadinho, Lambari— Inglês: Goldspotted tetra

Família: Characidae (Caracídeos)

Distribuição: América do Sul; rios costeiros do leste de São Paulo até o norte de Santa Catarina no Brasil

Tamanho Adulto: 3 cm

Expectativa de Vida: 5 anos +

Temperamento: pacífico

Aquário Mínimo: 60 cm X 30 cm X 40 cm (54 L)

Temperatura: 16°C a 28°C

pH: 5.8 a 7.6 – Dureza: 5 a 25

Visão Geral

Hyphessobrycon é o gênero mais numeroso dentro da família Characidae, totalizando 126 espécies. Está distribuído do sul do México à bacia do rio da Prata na Argentina, apresentando maior diversidade na América do Sul cis-andina. Ocupa osmais variados ambientes incluindo rios, riachos, lagoas, represas e áreas pantanosas.

Hyphessobrycon griemi é bastante semelhante morfologicamente a Hyphessobrycon flammeus. Segundo resumo de um artigo científico publicado na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, exemplares coletados de H. flammeus se diferenciaram de H. griemi por apresentar menor número de raios ramificados na nadadeira anal (20-23 vs 23-26 respectivamente ) e menor diâmetro do olho como porcentagem do comprimento da cabeça (34,1 – 45,1 vs 43,0 – 49,3 respectivamente). H griemi diferencia-se de H. flammeus por apresentar menor número de escamas da serie longitudinal (27-29 vs 31-33 respectivamente) e maior número de escamas entre a linha lateral e as escamas da base da nadadeira dorsal (7-8 vs 6 respectivamente).

Esta espécie é susceptível a uma doença que tem sido observada em várias espécies de pequenos caracídeos, o que faz com que parte ou a totalidade do corpo apresente cor ouro/prata metálico. Ainda não está claro se esta é consequência de uma infestação parasitária, como tem sido sugerido, porém os peixes afetados não demostram nenhum desconforto e sua expectativa de vida, bem com sua saúde, parece inalterada.

Aquário & Comportamento

Preferem aquário com bastante plantas formando zonas sombrias. Mostram-se mais coloridos e ativos quando mantidos em aquário densamente plantado. Pode-se adicionar raízes e folhas secas (opcional) como decoração.

É uma espécie gregária que formam hierarquia livre, com machos rivais disputando continuamente entre eles a atenção das fêmeas e posição hierárquica dentro do cardume. Pacífico pode ser mantido em aquário comunitário com peixes de pequeno a médio porte.

Reprodução & Dimorfismo Sexual

Ovíparo. O macho conduzirá a fêmea liberar os ovos entre rochas, plantas ou troncos, que serão fecundados e sua maioria irá para o fundo. Eclodem em até dois dias e larvas estarão nadando livremente em até 48 h. Pais não exibem cuidado parental.

O dimorfismo sexual é evidente em espécimes adultos, machos são menores e mais coloridos além de possuírem um tipo de gancho ósseo na nadadeira anal. Enquanto fêmea possui corpo mais roliço e cores mais pálidas.

Alimentação

Onívoro, essencialmente insetívoro. Alimenta-se de insetos, vermes e secundariamente plantas. Em cativeiro aceitará prontamente alimentos secos e vivos.

Etimologia: Hyphessobrycon; do grego hyphesson, que significa de menor estatura + grego bryko = morder, mordedor.

Referências

  1. Lima, F.C.T., L.R. Malabarba, P.A. Buckup, J.F. Pezzi da Silva, R.P. Vari, A. Harold, R. Benine, O.T. Oyakawa, C.S. Pavanelli, N.A. Menezes, C.A.S. Lucena, M.C.S.L. Malabarba, Z.M.S. Lucena, R.E. Reis, F. Langeani, C. Moreira et al. …, 2003. Genera Incertae Sedis in Characidae. p. 106-168. In R.E. Reis, S.O. Kullander and C.J. Ferraris, Jr. (eds.) Checklist of the Freshwater Fishes of South and Central America. Porto Alegre: EDIPUCRS, Brasil.
  2. Mills, D. and G. Vevers, 1989. The Tetra encyclopedia of freshwater tropical aquarium fishes. Tetra Press, New Jersey. 208 p.
  3. Alimentação de quatro espécies de Characiformes de um riacho da Floresta Atlântica, Guaraqueçaba, Paraná, Brasil – Almir P. Barreto; José M. R. Aranha

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Agosto/2016

Sobre Edson Rechi 748 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*