Acará Camaleão (Australoheros facetus)

 
Australoheros-facetus
Espécime coletado em Cañada Juncal, Montevideo (Uruguai)

Australoheros facetus (Jenyns, 1842)

Nome Popular: Acará Camaleão, Acará Cascudo — Inglês: Chameleon cichlid, Chanchito

Família: Cichlidae (Ciclídeos)

Origem: América do Sul, drenagens costeiras do Uruguai, Rio Grande do Sul e bacia do rio Paraná

Tamanho Adulto: 25 cm (comum: 15 cm)

Expectativa de Vida: 10 anos

Temperamento: pacífico, territorial

Aquário Mínimo: 100 cm X 40 cm X 50 cm (200 L)

Temperatura: 22°C a 28°C

pH: 6.5 a 7.5 – Dureza: 5 a 12

Visão Geral

Espécie sub-tropical com distribuição entre os estados do Mato-grosso do Sul e Minas Gerais até o sul do Brasil em toda costa do Atlântico. Comum também no norte do Uruguai. Ocorrem em lagos, lagoas e riachos com pouca ou nenhuma corrente de água ou remansos.

Toleram uma grande amplitude térmica que pode variar a 30°C no verão até próximo de 10°C no inverno. Encontrado ocasionalmente em regiões de água levemente salobra como bocas de rios.

Devido sua rusticidade e tolerância com vários tipos de águas, a espécie foi introduzida e estabelecida em diversos países como Chile e Estados Unidos, além de países europeus como Portugal e Espanha. Em Portugal foi detectado em 1940 no rio Mira, de onde se espalhou para as águas do Guadiana na Espanha. Tem sido descrito em lagos na Alemanha devido a soltura por aquaristas.

Apresenta características físicas típicas dos ciclídeos com corpo robusto, aparência arredondada, comprido lateralmente e perfil alto. Nadadeira dorsal tem ampla base. Sua coloração é variável dependendo da idade, alimentação, tipo de água e humor, daí seu nome comum Acará Camaleão. Sua cor de fundo varia do amarelo claro a verde azeitona, claro ou acinzentado em tons acastanhados; nove a dez barras escuras verticais.

Originalmente foi coletado por Charles Darwin em Maldonado durante sua viagem HMS Beagle em Maldonado no Uruguai. Descrito cientificamente por Leonard Jenyns em 1842 como Chromis facetus. Mais tarde ficou conhecido por outras denominações como Cichlasoma facetum e Cichlaurus facetum. Todos estes binomiais viraram sinônimos de seu nome atual: Australoheros facetus

Aquário & Comportamento

Aquário mínimo de 160L para um casal ou 300L para comunitário. Decoração com pedras grandes e troncos devem ser utilizados para a espécie ficar mais a vontade e demonstrar suas cores vibrantes. Evitar criar fluxo lótico no aquário.

Seu comportamento é bastante variável, costuma ser pacífico com outros peixes se reservando a expulsá-los de seu território. Em época de reprodução se tornam agressivos. Comem peixes menores.

Reprodução & Dimorfismo Sexual

Ovíparo. Desovam em superfícies planas de rochas, folhas ou troncos. Em dois ou três dias os ovos eclodem e em dois dias os alevinos estarão nadando livremente sob supervisão dos pais. Progenitores cuidam das larvas por duas a quatro semanas.

Os machos são maiores com nadadeiras mais coloridas e pontiagudas, fêmeas são ligeiramente menores.

Alimentação

Onívoro. É um predador diurno oportunista que se alimenta de detritos e matéria vegetal, além de pequenos animais aquáticos. Em cativeiro aceitará prontamente alimentos secos, vivos e congelados.

EtimologiaAustraloheros (latim) “australis” que significa sul e heros que significa Heróis, em alusão ao gênero monotípico. Facetus (latim) que significa “agradável, engraçado”.

Australoheros-facetus2
Espécime coletado na Lagoa Pinares (Uruguai)
Australoheros-facetus3
Espécime coletado em Arroyo Sarandi (Uruguai)

Referências

  1. Andrade, P.M. and F.M.S. Braga, 2005. Diet and feeding of fish from Grande River, located below the Volta Grande reservoir, MG-SP. Braz. J. Biol. 65(3):377-385.
  2. S.O. Kullander, 2008. The Australoheros (Teleostei: Cichlidae) species of Uruguay and Paraná River drainages. Zootaxa 1724:1-51.
  3. Axelrod, H.R., 1993. The most complete colored lexicon of cichlids. T.F.H. Publications, Neptune City, New Jersey. 864 p.
  4. Kottelat, M. and J. Freyhof, 2007. Handbook of European freshwater fishes. Publications Kottelat, Cornol and Freyhof, Berlin. 646 pp.
  5. Kullander, S.O., 2003. Cichlidae (Cichlids). p. 605-654. In R.E. Reis, S.O. Kullander and C.J. Ferraris, Jr. (eds.) Checklist of the Freshwater Fishes of South and Central America. Porto Alegre: EDIPUCRS, Brasil.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Maio/2016

Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 768 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*