Águas turvas podem levar espécie de peixe a desenvolver olhos maiores

Pesquisadores mostraram que a turbidez da água pode impactar o desenvolvimento dos olhos de uma espécie de peixe africano

 

Pesquisadores da Universidade Estadual de Ohio, nos Estados Unidos, mostraram que a turbidez da água – ou seja, a presença de partículas que não se dissolvem – pode impactar o desenvolvimento dos olhos de uma espécie de peixe africano, o Egyptian mouthbrooder (Pseudocrenilabrus multicolor). A turbidez da água pode resultar da erosão do solo, do despejo de esgoto ou de outras fontes de poluição.

Foto de Jérôme Blanc (c)

Os resultados foram divulgados nesta segunda-feira (20) em um estudo publicado no periódico Journal of Experimental Biology.

Os pesquisadores dividiram os peixes, colocando metade deles em tanques com água clara e a outra metade em tanques com água turva.
Em seguida, passaram a medir o diâmetro dos olhos peixes jovens e, depois, em sua idade adulta, nos diferentes criadouros. Eles observaram que os mais novos desenvolveram características que lhes permitiam ter estruturas oculares maiores em resposta às águas turvas.
“Quando os peixes eram jovens, eles tinham uma enorme plasticidade e eram capazes de alterar a sua fisiologia para lidar com as condições ambientais turvas”, diz Jai Tiarks, líder do estudo que pesquisa sobre o meio ambiente e recursos naturais na Universidade Estadual de Ohio, em comunicado. “Mas quando olhamos para os peixes mais velhos, eles não tinham a mesma flexibilidade.”

Quando um ecossistema é impactado por fatores de estresse ambiental, como a erosão e a poluição, a maioria dos animais têm três opções para lidar com os as novas condições: adaptar-se, migrar para outra localidade ou desaparecer.

“Essa espécie é conhecida por preencher uma enorme diversidade de nichos ecológicos e por serem capazes de se adaptar às mudanças no seu ambiente”, explica o pesquisador. “Isso gerou muito interesse do ponto de vista evolutivo, especialmente pela escala de tempo em que essa adaptação ocorre.”

A pesquisa também sugere uma diferença no padrão de tamanho dos cérebros entre peixes jovens e adultos. Os cientistas esperavam encontrar uma relação onde os peixes criados em águas turvas teriam cérebros maiores do que aqueles criados em águas claras – já que, por terem olhos maiores, a tendência seria de que o cérebro se adaptasse para processar essa informação visual.

Fonte: Revista Galileu

Publicado em Junho/2024

Sobre Edson Rechi 868 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*