Cientistas usam técnica CRISPR para investigar peixe africano que pode ser chave para combater doenças da longevidade

 

Vivendo numa região semi-árida, o peixe killifish azul-turquesa, de origem africana, desenvolveu um truque biológico útil para sobreviver às secas de meses que ressecam os seus lagos lamacentos todos os anos, relata o Science Alert.

Foto: Longitudinal demographic study of wild populations of African annual killifish

Os embriões em desenvolvimento desses peixes, que têm o tamanho de um polegar, simplesmente param de crescer – não muito depois de o seu cérebro e coração começarem a se formar. Durante meses, eles permanecem num estado de animação suspensa, chamado “diapausa”, para esperar o fim de longos períodos de seca. Só depois prosseguem com seu desenvolvimento normal

Usando a técnica CRISPR, os cientistas descobriram como o killifish africano (Nothobranchius furzeri) consegue realizar essa façanha: cooptando genes antigos enterrados no seu genoma, criados há mais de 473 milhões de anos.

Esta descoberta, de uma equipe de investigadores dos EUA e da Alemanha, é surpreendente, dado que o peixe só desenvolveu a sua capacidade de entrar em diapausa há cerca de 18 milhões de anos. “Embora a diapausa tenha evoluído há relativamente pouco tempo, os genes especializados na diapausa são realmente antigos”, explica a bióloga molecular Anne Brunet, da Universidade de Stanford.

“Descobrimos que a maioria dos genes especializados em diapausa em killifish são parálogos [pares de genes] muito antigos, o que significa que foram duplicados no ancestral comum de todos os vertebrados”.

Larva se desenvolvendo dentro do ovo – Foto de Alexander

Parálogos são pares de genes criados quando um gene foi copiado e colado no genoma, no mesmo cromossomo ou em outro separado. Além das mutações aleatórias, essa duplicação genética é uma das principais formas pelas quais novos genes são gerados ou adquirem novas funções.

A equipe de Brunet descobriu que, no killifish turquesa, um gene em cada par parálogo era ativo na diapausa, enquanto seu parceiro era ativado no resto do tempo. “Todo o programa é como dia e noite”, diz Brunet.

Provavelmente procurando maneiras de se adaptar às condições ambientais adversas, os genes parálogos do peixe passaram por remodelações. Isso alterou o metabolismo lipídico, por meio do qual os embriões produzem agora mais ácidos gordos de cadeia muito longa, o que protege o seu genoma de danos.

“Killifish são as únicas espécies de vertebrados que conhecemos que podem sofrer diapausa tão tarde no desenvolvimento”, diz Param Priya Singh, bioinformático da Universidade da Califórnia, em São Francisco, que liderou o estudo junto com o biólogo computacional Adam Reeves, da Universidade de Stanford. “Eles têm um cérebro em desenvolvimento e um coração que para de bater na diapausa e depois recomeça”.

Alevino em desenvolvimento – Foto de Alexander

Agora Singh e colegas dizem que a descoberta da tática de sobrevivência carregada de gordura do killifish turquesa africano pode ser aplicada aos seres humanos. “Ela abre a possibilidade para desenvolver] estratégias, incluindo intervenções baseadas em lipídios, para promover a preservação de tecidos a longo prazo e combater doenças relacionadas à idade.”

Fonte: Época Negócios

Publicado em Junho/2024

Sobre Edson Rechi 868 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*