Tubarão de duas cabeças é achado no litoral de SP

Primeiro tubarão gêmeo siamês da espécie do mundo foi encontrado por pescadores na costa entre Peruíbe e Itanhaém, no litoral paulista

 

A poluição dos oceanos pode ser uma das causas da anomalia no tubarão de duas cabeças.

O peixe encontrado por pescadores entre as cidades de Peruíbe e Itanhaém (SP) foi identificado como sendo da espécie galhudo e seria o primeiro da espécie de duas cabeças do mundo.

O tubarão foi doado para estudo, que foi realizado pelo professor e biólogo Edris Queiroz e pela pesquisadora Luana Felix, do Instituto de Biologia Marinha e Meio Ambiente de Peruíbe.

“É o primeiro caso do mundo, registrado e documentado na literatura, de um tubarão galhudo gêmeo siamês encontrado na natureza”, explica Edris.

Os pesquisadores descobriram que o peixe apresentava dois corações e duas colunas vertebrais independentes, além de outros órgãos internos duplos, o que levou a conclusão de que seriam gêmeos siameses.

Este é um caso muito raro, algo em torno de 10 casos foram registrados no mundo. Isso acontece porque eles morrem rapidamente, logo após o nascimento, além de serem presas fáceis.

Imagem: Edris Queiroz/Divulgação

Alerta

Segundo os pesquisadores, não é possível determinar o que causou a anomalia. Porém, a poluição dos mares não está descartada.

“Os tubarões acumulam metais pesados em sua alimentação, e isso pode gerar o que chamamos de uma mutação, uma anomalia”, segundo Edris.

Outra possibilidade seria um problema no útero da mãe, pois a compressão do útero pode fazer um ovo se fundir com outro.

“Com essas novidades, talvez seja possível chamar atenção para os problemas sérios que têm ocorrido nos ambientes marinhos. Esse estudo vai ajudar a buscarmos medidas que auxiliem na preservação e conservação das espécies”, finaliza o professor.

Fonte: Cotidiano UOL

Publicado em Novembro/2020

Sobre Edson Rechi 847 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*