Cientistas encontram peixes que vivem em região quase sem oxigênio

Os animais foram encontrados em local onde não se acreditava que houvesse condições para a vida

 

Anatureza deu provas de sua resiliência aos cientistas que investigavam as águas profundas próximas à costa do estado norte-americano da Califórnia. Ao realizar uma exploração com um veículo operado de maneira remota, eles detectaram a presença de peixes que viviam em uma região com baixíssima concentração de oxigênio.”Nós observamos enguias, pequenos tubarões e outros peixes menores  nadando ativamente em áreas onde a concentração de oxigênio era menor que 1%”, escreveu a bióloga Natalya Gallo em um blog que apresentou a pesquisa.

Gallo, que trabalha no Instituto de Pesquisa do Aquário da Bahia de Monterrey (MBARI), afirmou que “mal acreditava” ao observar diferentes espécies de animais vivendo em condições extremas. De acordo com a especialista, a maioria dos peixes depende de uma boa concentração de oxigênio para sobreviver — esse é um dos motivos, inclusive, para a diminuição da população desses animais com o aumento da poluição nos rios e oceanos.

“Antes deste estudo, não se esperava que os peixes tolerassem condições hipóxicas (onde há baixo teor de oxigênio) tão severas”, escreveram os autores da pesquisa. Uma das hipóteses levantadas pelos cientistas é de que algumas espécies passaram por um processo de adaptação que fez aumentar as estruturas de suas guelras, possibilitando uma maior absorção de oxigênio. Também conhecidas como brânquias, esses órgãos são responsáveis pelas trocas gasosas no ambiente aquático.

Outra possibilidade seriam as mudanças nos processos do metabolismo desses animais, que necessitariam de menos oxigênio para realizar suas atividades — para comprovar essas hipóteses, os pesquisadores realizarão exames mais aprofundados nas espécies.

O estudo afirma que, a partir de agora, os cientistas deverão abrir uma nova classificação entre os animais conhecidos como extemófilos, que vivem em condições extremas e nocivas à vida. Além daqueles que toleram altas temperaturas e concentração elevada de sal, os pesquisadores sugerem que se considere os animais que vivem em áreas onde há pouca concentração de oxigênio.

Publicado em Abril/2019

Sobre Edson Rechi 769 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*