Barbo Ouro (Barbodes semifasciolatus)

Barbodes semifasciolatus (Günther, 1868)

Nome Popular: Barbo Ouro, Barbo Chinês — Inglês: Gold bar, Chinese barb

Ordem: Cypriniformes — Família: Cyprinidae (Cyprinídeos)

Distribuição: Ásia, ocorre em todo Vietnã, Tailândia, China e sudoeste e norte de Laos.

Tamanho Adulto: 8 cm (comum: 5 cm)

Expectativa de Vida: 5 anos +

pH: 6.0 a 8.0 — Dureza: 6 a 16

Temperatura: 18°C a 28°C

Aquário Mínimo: 80 cm X 30 cm X 40 cm (96 litros) — embora não atinjam um grande tamanho, devem ser mantidos em cardume de pelo menos seis indivíduos, por isso a necessidade de um aquário com comprimento razoável. Deve-se evitar criá-los em aquário plantado, uma vez que podem comer plantas mais delicadas.

Comportamento: São peixe bastante ativos e havidos nadadores de comportamento pacífico e gregário.

Compatibilidade: Ideal para aquário comunitário, deve-se mantê-los em grupos de pelo menos seis indivíduos para que fiquem a vontade e mostrem seu comportamento natural.

Alimentação: Onívoro, em seu ambiente natural alimenta-se de vermes, crustáceos, insetos, algas, detritos e matéria vegetal. Em cativeiro aceitam alimentos secos e vivos, deve-se fornecer alimentos de origem vegetal regularmente.

Reprodução: Ovíparo. Similar a outros barbos, após ritual de acasalamento com macho se exibindo para fêmea, ela dispersará ovos livres próximo ao substrato, que serão fecundados em seguida pelo macho. Não exibem cuidado parental e podem comer alevinos. Larvas eclodem em até 48 horas e nadam livremente após 24 horas.

Dimorfismo Sexual: As fêmeas adultas tendem a ser mais redondas e ligeiramente maiores que os machos. Em sua coloração normal (esverdeada), machos sexualmente maduros desenvolvem pigmentação vermelha na parte inferior do corpo.

Biótopo: afluentes lênticos e corpos de água permanentes como pântanos e canais de irrigação com densa vegetação. Já foram encontrados em águas com características das mais variadas, desde pH ácido e dureza mole até água alcalina (8.0) e dureza mediana.

Etimologia: Barbodes do latim, barbus = barbo + grego, oides = semelhante a.

Sinônimos: Barbus hainani, Puntius semifasciolata, Capoeta semifasciolata, Barbus semifasciolatus, Puntius semifasciolatus

Informações adicionais: A cor natural desta espécie é verde, porém, sua forma natural raramente é encontrada no comércio de aquarismo, enquanto sua variedade ouro é bastante comum e está entre as espécies mais populares entre aquaristas. A maior parte dos espécimes vendidos para o comércio do aquarismo são provenientes de cativeiro.

É bastante comum nos depararmos em sites de aquarismo a espécie sendo descrita como Barbus / Puntius schuberti, porém este nome está em desuso e foi inventado pelo americano Thomas Schubert, considerado um dos pais do aquarismo. Barbodes sachsii (Ahl, 1923) também é de uso comum para designar esta espécie, mas sua validade está em dúvida e é atualmente considerado uma outra espécie de peixe.

Esta espécie é bastante idêntica ao congênere Barbodes snyderi, mas difere por possuir um par de barbilhões maxilares proeminentes, enquanto B. snyderi tem apenas barbos pequenos e indistintos que não estão presentes em todos os indivíduos. Além disso, B. semifasciolatus é um peixe um pouco mais magro do que B. snyderi e tem 7 a 9 marcas verticais escuras no corpo, enquanto a outra espécie possui quatro a cinco marcas.

A linhagem ouro (gold) foi desenvolvida por Thomas Schubert, de Camden, New Jersey, na década de 1960, através de criação seletiva. Por muitos anos pensou que o Barbo Ouro fosse uma espécie distinta, porém, trata-se somente de uma variedade. Já as variedades albinas foram produzidos por Dennis Wilcox na década de 1970 nos EUA. Seleções de Barbo Ouro sem as marcas pretas também foram obtidas por Stanislav Frank na Europa, no Brasil esta variedade (sem marcações) é conhecido como Barbo Gema. Amostras de variedades tricolor apresentando colorações preto, laranja e rosa apareceram recentemente no mercado asiático e europeu. Pode-se encontrar ainda a variedade albina da espécie.

Variedade ouro (gold)
Em sua coloração original (esquerda), machos sexualmente maduros desenvolvem pigmentação vermelha na parte inferior do corpo (foto direita)
Pequeno grupo de espécimes selvagens em aquário

Referências:

  1. Robins, C.R., R.M. Bailey, C.E. Bond, J.R. Brooker, E.A. Lachner, R.N. Lea and W.B. Scott, 1991. World fishes important to North Americans. Exclusive of species from the continental waters of the United States and Canada. Am. Fish. Soc. Spec. Publ. (21):243 p.
  2. Chen, X., J.-H. Pan, Z. Liu and D. Liang, 1991. Barbinae. p. 136-167. In J.-H. Pan, L. Zhong, C.-Y. Zheng, H.-L. Wu and J.-H. Liu (eds.) The freshwater fishes of Guangdong Province. Guangdong Science and Technology Press, Guangzhou. 589 p.
  3. Mills, D. and G. Vevers, 1989. The Tetra encyclopedia of freshwater tropical aquarium fishes. Tetra Press, New Jersey. 208 p.
  4. Hwang, H.C., I.Y. Chen and P.C. Yueh, 1988. The freshwater fishes of China in colored illustrations. Vol. 2. Shanghai Sciences and Technology Press, Shanghai, China. 201 p.
  5. Nichols, J.T., 1943. The freshwater fishes of China. Natural history of Central Asia: Volume IX. The American Museum of Natural History, New York, USA, 322 p.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi
Maio/2014 – Atualização Junho/2018

Sobre Edson Rechi 734 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*