Barbo T (Barbodes lateristriga)

Barbodes lateristriga (Valenciennes, 1842)

Nome Popular: Barbo T — Inglês: Spanner barb, T Barb

Ordem: Cypriniformes — Família: Cyprinidae (Cyprinídeos)

Distribuição: Ásia, Península Malaia até o Bornéu

Tamanho Adulto: 18 cm (comum: 13 cm)

Expectativa de Vida: 5 anos +

pH: 6.0 a 7.6 — Dureza: < 10

Temperatura: 22°C a 28°C

Aquário Mínimo: 100 cm (comprimento) X 40 cm (largura) – a decoração do aquário é indiferente, mas se quiser simular seu habitat recomendamos um substrato com rochas de tamanho variável, cascalho fino, além de raízes e troncos como decoração. Plantas de folhas finas podem ser devoradas.

Comportamento: Apesar de seu comportamento pacífico, esta espécie é bastante agitada e pode facilmente intimidar espécies menores com seu tamanho e intensa atividade, especialmente durante a alimentação.

Compatibilidade: Na natureza, os juvenis formam grandes cardumes, mas à medida que amadurecem, os machos, em particular, tendem a se tornar mais solitários, e os adultos podem ser beligerantes se o espaço for limitado. Em aquário procure manter no mínimo seis espécimes, desta forma potenciais agressões entre eles serão divididas.

Alimentação: Onívoro, alimenta-se de vermes, crustáceos, insetos e matéria vegetal. Em aquário aceitará prontamente alimentos secos e vivos. Deve-se fornecer alimentos vegetais regularmente.

Reprodução: Ovíparo, similar a outros barbos, após ritual de acasalamento com macho se exibindo para fêmea, ela dispersará ovos livres próximo ao substrato ou entre plantas, que serão fecundados em seguida pelo macho. Larvas eclodem em até 48 horas e nadam livremente após 24 à 48 horas. Pais não exibem cuidado parental e podem comer alevinos.

Dimorfismo Sexual: Machos adultos desenvolvem um padrão de coloração mais intenso do que as fêmeas, exibem tubérculos perceptíveis na cabeça quando estão em condição de desova e, em alguns casos, desenvolvem um perfil da cabeça aumentado. As fêmeas adultas tendem a crescer um pouco mais, são mais robustas e menos coloridas.

Biótopo: Predominantemente habita riachos contendo águas claras, muitas vezes em piscinas que se formam na base de cachoeiras. Os substratos podem compreender rochas lisas, desgastadas pela água e pedregulhos de vários tamanhos, areia ou cascalho, frequentemente com estruturas lenhosas submersas e plantas aquáticas de gêneros tais como Cryptocoryne ou Barclaya. Enquanto juvenis e sub-adultos podem ser encontrados em águas rasas e afluentes menores, os adultos mostram preferência por canais e piscinas maiores e mais profundas.

Etimologia: Barbodes, do Latim barbus = barbo + grego, oides = semelhante a. Lateristriga do latim latus, que significa “flanco”, e striga , que significa “linha, faixa”.

Sinônimos: Barbus zelleri, Systomus lateristriga, Puntius lateristriga, Barbus lateristriga

Informações adicionais: Distribuído em toda parte sul da Tailândia, Península da Malásia, Sumatra e Java, além de algumas ilhas menores no Mar do Sul da China, como Tioman e o arquipélago de Anambas. Os peixes variam um pouco na aparência, dependendo da localidade, com um número de variantes reconhecidas.

É estreitamente semelhante e às vezes vendido como o congênere B. kuchingensis, porém esta espécie pode ser identificada por um padrão de cor que compreende uma fileira proeminente de pontos escuros ao longo da linha lateral, mais uma linha curta, orientada horizontalmente, que se estende da parte superior do opérculo. Em B. lateristriga, as marcações laterais geralmente formam uma faixa sólida e não há estrias que se estendam do opérculo.

Referências:

  1. Mills, D. and G. Vevers, 1989. The Tetra encyclopedia of freshwater tropical aquarium fishes. Tetra Press, New Jersey.
  2. Romero, P., 2002. An etymological dictionary of taxonomy. Madrid, unpublished.
  3. Collins, R., KF Armstrong, R. Meier, Y. Yi, SDJ Brown, RH Cruickshank, S, Keeling, C. Johnston, 2012 – PLoS ONE 7(1): Barcoding and Border Biosecurity: Identifying Cyprinid Fishes in the Aquarium Trade.
  4. Kottelat, M. and E. Widjanarti, 2005 – Raffles Bulletin of Zoology Supplement. The fishes of Danau Sentarum National Park and the Kapuas Lakes area, Kalimantan Barat, Indonesia.
  5. Tan, HH and KKP Lim, 2004 – Raffles Bulletin of Zoology Supplement. Inland fishes from the Anambas and Natuna Islands, South China Sea, with description of a new species of Betta (Teleostei: Osphronemidae).

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Julho/2018
Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 696 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*