Acará Azul (Andinoacara pulcher)

Andinoacara pulcher  (Gill, 1858)

Nome Popular: Acará Azul — Inglês: Blue cichlid

Ordem: Perciformes — Família: Cichlidae (Ciclídeos)

Distribuição: América Central e América do Sul, Trinidade e Venezuela

Tamanho Adulto: 16 cm (comum 13 cm)

Expectativa de Vida: 5 anos

pH: 6.5 a 8.0 — Dureza: até 25

Temperatura: 18°C a 36°C

Aquário Mínimo: 80 cm de comprimento X 30 cm de largura — considere um aquário deste porte para um casal, para aquário comunitário pelo menos 100 cm de comprimento. O aquário deve contar com várias rochas, pedaços de troncos e algumas plantas, além de substrato preferencialmente arenoso e macio.

Comportamento & Compatibilidade: Ciclídeo muito pacífico para os padrões dos ciclídeos oriundos da América Central. Podem conviver em aquário comunitário com peixes pequenos, desde que não sejam pequenos demais para serem comidos, e peixes de médio porte.

Alimentação: Onívoro (essencialmente carnívoro). Alimenta-se de vermes, crustáceos e insetos. Em aquário aceitará alimentos secos e vivos prontamente. Importante fornecer alimentos com alto índice de proteína regularmente.

Reprodução: Ovíparo, em cativeiro, macho e fêmea limpam uma superfície plana (pedras, rochas, etc), que será a área de desova. Macho e fêmea protegem os ovos, que eclodem em 2 a 5 dias, e continuam cuidando dos filhotes por algumas semanas. Em casos de perigo, o macho protege seus filhotes colocando-os dentro de sua boca.

Dimorfismo Sexual: Os machos maduros desenvolvem nadadeiras dorsais e anais ligeiramente pontiagudas, e as fêmeas geralmente têm uma aparência mais arredondada do que os machos.

Biótopo: Uma espécie bastante adaptável que ocupa uma grande variedade de habitats na natureza, desde águas paradas e escuras até riachos e rios de águas claras.

Etimologia: Desconhecido.

Sinônimos: Aequidens pulcher, Cychlasoma pulchrum

Informações adicionais: Nativo de Trinidade e Tobago, além da Venezuela. Foi introduzido em vários outros países.

Um maravilhoso ciclídeo, o Acara Azul tem sido um dos pilares do aquarismo por muitos anos. Infelizmente, a maioria dos peixes que vemos hoje no hobby são imitações pálidas do peixe selvagem. Alguns dos peixes disponíveis também são conhecidos por serem híbridos com outras espécies relacionadas.

Esta espécie era anteriormente conhecida como Aequidens pulcher, mas tem sido considerado membro do gênero Andinoacara desde 2009.

Andinoacara pulcher “eletric blue”. Foto cedida por andinoacara.com

Referências:

  • Kullander, S.O., 2003. Cichlidae (Cichlids). p. 605-654. In R.E. Reis, S.O. Kullander and C.J. Ferraris, Jr. (eds.) Checklist of the Freshwater Fishes of South and Central America. Porto Alegre: EDIPUCRS, Brasil.
  • Galvis, G., J.I. Mojica and M. Camargo, 1997. Peces del Catatumbo. Asociación Cravo Norte, Santafé de Bogotá, D.C., 188 p.
  • Mills, D. and G. Vevers, 1989. The Tetra encyclopedia of freshwater tropical aquarium fishes. Tetra Press, New Jersey. 208 p.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Julho/2018
Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 706 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*