Ciclídeo Cabeça Vermelha (Vieja melanurus / Vieja synspilum)

Vieja malanurus (Günther, 1862)

Nome Popular: Ciclídeo Cabeça Vermelha — Inglês: Redhead cichlid

Ordem: Perciformes — Família: Cichlidae (Ciclídeos)

Distribuição: América Central, Rio Usumacinta no México, Guatemala e Belize.

Tamanho Adulto: 40 cm (comum 30 cm)

Expectativa de Vida: 8 anos +

pH: 7.0 a 8.0 — Dureza: 9 a 20

Temperatura: 24°C a 30°C

Aquário Mínimo: 100 cm de comprimento X 40 cm de largura — considere um aquário deste porte para um casal, para aquário comunitário pelo menos 150 cm de comprimento. O aquário deve contar preferencialmente com várias rochas e pedaços de troncos, além de substrato preferencialmente arenoso e macio.

Comportamento & Compatibilidade: Comportamento moderadamente agressivo. Pode ser possível manter essa espécie com sucesso em uma comunidade de ciclídeos centro-americanos robustos, desde que o aquário seja de grande porte e contenha adornos como pedras e raízes o suficiente para demarcarem território.

Alimentação: Onívoro (essencialmente herbívoro). Alimenta-se de algas, plantas, detritos e zoobentos em seu ambiente natural.  Em aquário aceitará alimentos secos e vivos prontamente. Importante fornecer alimentos vegetais regularmente como verduras e espirulina.

Reprodução: Ovíparo, produzem de 300 a 500 ovos adesivos em superfícies planas de rochas, raízes ou plantas, que eclodem em até três dias. Ambos pais guardam os alevinos até que estejam nadando livremente. O mais difícil é a formação de casais com potencial para desova. Atingem maturidade sexual com cerca de 15 cm.

Dimorfismo Sexual: O macho é maior, mais colorido e as nadadeiras dorsais e anais são mais pontiagudas. Além disso, desenvolvem uma corcova nucal, apesar de existirem variedades em que as fêmeas também a desenvolvem embora de forma menos acentuada.

Biótopo: Ocorre em partes baixas e planas dos rios e em numerosos lagos. Às vezes é encontrado em água levemente salobra, embora não se saiba se pode sobreviver neste ambiente a longo prazo.

EtimologiaVieja: do espanhol, vieja = mulher velha

Sinônimos: Vieja melanuraCichlasoma hicklingi, Cichlaurus hicklingi, Vieja synspillum, Vieja synspila, Paraneetroplus synspilus, Cichlasoma synspilum, Heros melanopogon, Paraneetroplus melanurus, Cichlasoma melanurum, Heros melanurus

Informações adicionais: Endêmico da bacia do Rio Usumacinta, no sul do México e Guatemala, estendendo-se até Belize e na encosta leste da parte sul da península de Yucatan no México.

Amplamente referido como Vieja synspillum ou Cichlasoma synspilum, ambos binomiais estão em desuso se tornando sinônimo. É uma das espécies de ciclídeos mais colorida, suas cores variam entre o laranja, vermelho, azul e rosa.

Durante muitos anos o nome cientifico mais popular para esta espécie foi seu sinônimo júnior Paratheraps synspila, embora as diferenças entre as duas espécies nunca tenham sido muito claras. Contudo, após uma comparação morfológica entre as duas, foi determinado por McMahan (2011) a sinonímia das duas espécies. Como o P. melanurus era o nome mais antigo disponível, veio prevalecer pelo sinônimo júnior P. synspila, embora este seja mais popular. A diferenciação entre as duas espécies baseava-se principalmente na cor, sendo synspila mais rosa e a melanurus mais laranja. No entanto, atualmente, estas diferenças são consideradas meras variações entre populações.

Casal se reproduzindo com macho em primeiro plano

Referências:

  • Conkel, D., 1993. Cichlids of North and Central America. T.F.H. Publications, Inc., USA.
  • Kullander, S.O., 2003. Cichlidae (Cichlids). p. 605-654. In R.E. Reis, S.O. Kullander and C.J. Ferraris, Jr. (eds.) Checklist of the Freshwater Fishes of South and Central America. Porto Alegre: EDIPUCRS, Brasil.
  • Romero, P., 2002. An etymological dictionary of taxonomy. Madrid, unpublished.
  • Vieja melanura em Ciclídeos.com

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Julho/2018
Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 706 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*