Peixe Borboleta Papuda (Thoracocharax stellatus)

 

Thoracocharax stellatus Thoracocharax stellatus2

Classificação

Thoracocharax stellatus (Kner, 1858)

Classe: Actinopterygii   Ordem: Characiformes  FamíliaGasteropelecidae

Nomes comuns: Borboleta Papuda, Borboleta Prata/Prateada, Machadinha, Papudinho, Papudo, Pataca  — Inglês: Platinum hatchetfish, Silver hatchetfish, Spotfin hatchetfish

Grupo Aquário: Peixes Borboletas

Ambiente & parâmetros da água

Água doce • pH: 6.0 – 7.4 • Dureza: 2 – 15  Temperatura: 24°C – 30°C

Encontrado em igarapés e afluentes. Os peixes são comumente encontrados em áreas com uma abundância de vegetação de superfície.

Tamanho adulto:

8 cm (comum 5 cm) Estimativa de vida: desconhecido

Distribuição

América do Sul; bacia Amazônica e do Orinoco, bacia do Paraná e Paraguai. Nativo da Argentina, Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela.

Thoracocharax stellatus-map
Mapa por Discover Life

Manutenção em aquário & Comportamento

Aquário com dimensões mínimas de 80 cm X 30 cm X 40 cm (96 litros) requerido. Aprecia plantas de superfície e fluxo de água fraco. Tampe bem o aquário, pois é uma espécie que pode saltar facilmente.

Espécie bastante pacífica sendo ideal para aquário comunitário. Ideal manter com outros peixes que frequentam regiões diferente, nomeadamente o meio e fundo do aquário. Deve ser mantido em bom número uma vez que trata-se de uma espécie gregária, se sentindo mais seguro e mostrando seu verdadeiro comportamento dentro destas condições.

Alimentação

Onívoro (essencialmente insetívoro), em seu ambiente natural alimenta-se principalmente insetos aquáticos e terrestres. Em cativeiro poderá demorar a aceitar alimentos secos, podendo ser treinado para tal. Forneça alimentos vivos periodicamente, incluindo pequenos insetos se possível, para aguçar seu instinto, é um micro predador.

Reprodução e dimorfismo sexual

Ovíparo. Sua reprodução em cativeiro é desconhecida, mas acredita-se ser similar aos demais peixes borboletas com a fêmea depositando seus ovos em raízes de plantas flutuantes para protegê-los de predadores. Pais não cuidam da prole.

Dimorfismo Sexual

Fêmeas são visivelmente mais redondas e encorpadas que os machos, principalmente quando carregam ovos.

Galeria de imagens

Thoracocharax stellatus3 Thoracocharax stellatus4 Thoracocharax stellatus5

Descrição

Muito similar ao Peixe borboleta gigante (T. securis), porém facilmente distinguível pela mancha escura na nadadeira dorsal que dá o nome comum do peixe em inglês (Spotfin hatchetfish).

Esta espécie passa quase todo o seu tempo na superfície da água, embora, às vezes, recua para meio da água se ameaçado ou quando vai se alimentar. Semelhança a outras borboletas de água doce, é conhecido pela sua capacidade de pular grandes distâncias. Este comportamento é usado tanto para capturar insetos voadores e para escapar dos predadores potenciais.

Apresenta nadadeiras peitorais musculosas e nadadeira pélvica reduzida, razão pelo qual muitos descrevem que pode realizar voos rente a superfície da água de forma semelhante a pássaros ou insetos. Embora inúmeros relatos de que estes peixes podem voar como pássaros ou insetos, existem pesquisas indicando que não podem voar propriamente, se limitando no máximo a realizar saltos de vários metros.

Gasteropelecidae é a única família de peixes de água doce capaz de empregar “voo” de vários metros, supõe-se até quatro metros, em oposição ao comportamento visto no Peixe voador marinho (Exocoetus volitans).

O gênero Thoracocharax apresenta somente duas espécies: Thoracocharax securisThoracocharax stellatus, ambas espécies são bem parecidas. Espécies do gênero Gasteropelecus também são conhecidos pelo nome comum de Borboleta Prata/Prateada, mas diferem de membros do gênero Thoracocharax por apresentarem tamanho inferior quando adulto.

Sinônimos: Gastropelecus stellatus

Referências

  1. Nomura, H., 1984. Nomes científicos dos peixes e seus correspondentes nomes vulgares. In H. Nomura (ed.). Dicionário dos peixes do Brasil. Editerra, Brasília, Brasil: 27-63.
  2. Begossi, A., R.A.M. Silvano, B.D. do Amaral and O.T. Oyakawa, 1999. Uses of fish and game by inhabitants of an extractive reserve (upper Juruá, Acre, Brazil). Environ., Dev. Sust. 1:73-93.
  3. Britski, H.A., K.Z. de S> de Silimon and B.S. Lopes, 2007. Peixes do Pantanal: manual de identificaçäo, 2 ed. re. ampl. Brasília, DF: Embrapa Informaçäo Tecnológica, 227 p.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Janeiro/2015
Colaboradores (collaboration): –

 

Sobre Edson Rechi 769 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

1 Comentário

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*