Rasbora sarawak (Rasbora sarawakensis)

 

Rasbora sarawakensis  (Brittan, 1951)

Foto: CHOY Heng Wah (c)

Nome Popular: Rasbora sarawak — Inglês: blue line rasbora

Ordem: Cypriniformes — Família: Cyprinidae (Ciprinídeos)

Distribuição: Ásia. Bornéu, Malásia e Indonésia

Tamanho Adulto: 4.5 cm

Expectativa de Vida: 3 anos +

pH: 6.0 a 7.5 — Dureza: 2 a 12

Temperatura: 22°C a 28°C

Aquário Mínimo: 60 cm (comprimento) X 30 cm (largura) — Prefere aquário com plantas formando áreas sombreadas. Mostram-se mais coloridos e ativos quando mantidos em aquário plantado com áreas abertas para natação. Pode-se adicionar raízes e folhas secas (opcional) como decoração. Apesar de seu tamanho diminuto, precisa de espaço para nadar e os machos dominantes formarem territórios temporários durante a desova.

Comportamento & Compatibilidade: Espécie pacífica e gregária que forma hierarquia livre, podendo ser mantido em aquário comunitário com peixes de tamanho diminuto. Será importante manter em cardume com pelo menos 10 espécimes para que mostrem seu comportamento natural e cores mais realçadas. Devido seu tamanho diminuto se torna ideal para aquário plantado ou de camarões ornamentais.

Alimentação: Onívoro, em seu ambiente natural é provável que se alimenta de pequenos insetos, vermes, crustáceos e zoo plâncton. Em cativeiro aceitará prontamente alimentos secos.

Reprodução: Ovíparo, sua reprodução é similar dos pequenos ciprinídeos. A fêmea irá disseminar ovos livremente no substrato ou em folhas e o macho irá fecundar em seguida. Não ocorre cuidado parental e os alevinos eclodem em até dois dias permanecendo no saco vitelínico. Em 24 h estarão nadando livremente.

Dimorfismo Sexual: Fêmeas são ligeiramente maiores e mais roliças que os machos, principalmente na região ventral. Machos adultos possuem corpo retilíneo e são mais coloridos com nadadeiras azul e faixa longitudinal de mesma cor.

Biótopo: Ocorre principalmente riachos de fluxo lento com vegetação marginal espessa. Estes são frequentemente sombreados por densa floresta tropical. O substrato na maioria das vezes é composto por uma camada espessa de sedimentos repletos de galhos de árvores caídos, folhas e a água é bastante límpida, cor marrom fraco devido aos taninos liberados da matéria orgânica em decomposição.

EtimologiaRasbora, palavra indiana utilizada para o gênero, também usada na península malaia.

Sinônimos: não possui.

Informações adicionais: Endêmico da ilha de Bornéu. Embora seu nome comum possa sugerir o contrário, esta espécie não é encontrado apenas no estado de Sarawak (Malásia), pode também ser encontrado na província vizinha de Kalimantan Ocidental / Kalimantan Barat (Indonésia). Foi coletado a partir de numerosos sistemas fluviais, incluindo o Batang Kayan e Sungai Sarawak em Sarawak e os Mempawah e Melawi em Kalimantan Barat

Não é comum no comércio de aquarismo, mas é uma espécie atraente e sociável que pode ser encontrada para venda importada do Bornéu.

Espécime macho – Foto: Frank M. Greco (c)
Espécime fêmea – Foto: Frank M. Greco (c)

Referências:

  • Roberts, T.R., 1989. The freshwater fishes of Western Borneo (Kalimantan Barat, Indonesia). Mem. Calif. Acad. Sci.
  • McKay, R.J., 1984. Introductions of exotic fishes in Australia. p. 177-199. In Courtenay, W.R. Jr. and J.R. Stauffer, Jr. (Editors). Distribution, Biology and Management of Exotic fishes. The John Hopkins University Press, Baltimore, Maryland, USA.
  • Kottelat, M. and E. Widjanarti, 2005. The fishes of Danau Sentarum National Park and the Kapuas Lakes area, Kalimantan Barat, Indonesia. Raffles Bull. Zool. Supplement

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Fevereiro/2019
Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 747 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*