Rasbora (Rasbora rubrodorsalis)

 

Rasbora rubrodorsalis (Donoso-Büchner & Schmidt, 1997)

Foto: Ola Ahlander (c)

Nome Popular: Rasbora — Inglês: não possui

Ordem: Cypriniformes — Família: Cyprinidae (Ciprinídeos)

Distribuição: Ásia. Bacias de Mekong e Chao Phraya

Tamanho Adulto: 3.3 cm

Expectativa de Vida: 3 anos +

pH: 6.5 a 7.5 — Dureza: 2 a 10

Temperatura: 24°C a 28°C

Aquário Mínimo: 60 cm (comprimento) X 30 cm (largura) — Prefere aquário com plantas formando áreas sombreadas. Mostram-se mais coloridos e ativos quando mantidos em aquário plantado com áreas abertas para natação. Pode-se adicionar raízes e folhas secas (opcional) como decoração. Apesar de seu tamanho diminuto, precisa de espaço para nadar e os machos dominantes formarem territórios temporários durante a desova.

Comportamento & Compatibilidade: Espécie pacífica e gregária que forma hierarquia livre, podendo ser mantido em aquário comunitário com peixes de tamanho diminuto. Será importante manter em cardume com pelo menos 10 espécimes para que mostrem seu comportamento natural e cores mais realçadas. Devido seu tamanho diminuto se torna ideal para aquário plantado ou de camarões ornamentais.

Alimentação: Onívoro, em seu ambiente natural é provável que se alimenta de pequenos insetos, vermes, crustáceos e zoo plâncton. Em cativeiro aceitará prontamente alimentos secos.

Reprodução: Ovíparo, sua reprodução é similar dos pequenos ciprinídeos. A fêmea irá disseminar ovos livremente no substrato ou em folhas e o macho irá fecundar em seguida. Não ocorre cuidado parental e os alevinos eclodem em até dois dias permanecendo no saco vitelínico. Em 24 h estarão nadando livremente.

Dimorfismo Sexual: Fêmeas são ligeiramente maiores e mais roliças que os machos, principalmente na região ventral. Machos adultos possuem corpo retilíneo e são mais coloridos principalmente na época de reprodução.

Biótopo: Ocorre em águas rasas e tranquilas, incluindo pântanos, reservatórios e várzeas. Aparentemente, ele mostra uma preferência por águas claras contendo crescimentos densos de plantas aquáticas de folhas finas, sendo conhecido por migrar para áreas temporariamente inundadas durante a estação chuvosa.

EtimologiaRasbora, palavra indiana utilizada para o gênero, também usada na península malaia.

Sinônimos: Rasbora borapetensis.

Informações adicionais: Distribuído mais abundantemente na bacia do baixo rio Mekong, no nordeste da Tailândia. Uma interessante localidade de coleta é uma área de terras úmidas chamada Kud Ting, na província nortista de Nong Khai, onde vive simpaticamente com R. spilocerca e Boraras micros.

Em 2008, o governo tailandês propôs que Kud Ting fosse designado como local protegido de Ramsar devido à diversidade de espécies encontradas lá. Supostamente, também ocorre em partes centrais do país, incluindo a drenagem de Chao Phraya, com sua várzea associada e até mesmo em Bangkok, embora os detalhes específicos da localidade sejam escassos.

R. rubrodorsalis ocorre simpaticamente com a R. borapetensis, de aparência muito semelhante, em alguns de seus limites naturais, ambos são raros no aquarismo. Eles podem ser facilmente distintos, R. rubrodorsalis tem uma mancha vermelha brilhante na nadadeira dorsal enquanto em R. borapetensis a dorsal é incolor e apenas a base da nadadeira caudal é colorida (vermelho).

Espécime macho na parte inferior e fêmea na superior respectivamente. Foto: Nonn Panitvong/Siamensis.org

Referências:

  • Kottelat, M., 2001. Fishes of Laos. WHT Publications Ltd., Colombo 5, Sri Lanka.
  • Motomura, H., S. Tsukawaki and T. Kamiya, 2002. A preliminary survey of the fishes of Lake Tonle Sap near Siem Reap, Cambodia. Bull. Natn. Sci. Mus.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Fevereiro/2019
Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 757 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*