Acará Bandeira Leopoldi (Pterophyllum leopoldi)

 

Pterophyllum-leopoldi

Classificação

Classe: Actinopterygii • Ordem: Perciformes • Família: Cichlidae

Nome binomial: Pterophyllum leopoldi (Gosse, 1963)

Sinônimos: Plataxoides leopoldi

Grupo Aquário: Ciclídeos Neotropicais

Nomes comuns

Acará Bandeira Leopoldi

Inglês: Teardrop angelfish , Leopold’s angelfish, Dwarf angelfish e Roman-nosed angelfish

Distribuição & habitat

América do Sul. Bacia do rio Amazonas, ocorre ao longo do rio Amazonas entre Manacapuru e Santarém; também no Rio Rupununi na bacia do Rio Essequibo na Guiana.

Encontrado em rios e córregos lentos, entre as raízes e galhos.

Pterophyllum-leopoldi-map
Mapa por Discover Life

Ambiente & parâmetros da água

Bentopelágico; água doce • pH: 5.0 – 7.2 • Dureza: 2 – 4 • Clima: subtropical; 26°C – 30°C

Tamanho adulto

12 cm (comum 10 cm) • Estimativa de vida: 8 anos

Manutenção em aquário

Aquário com dimensões mínimas de 100 cm X 40 cm X 50 cm (200 litros) requerido. Aquário deverá estar munido de troncos e raízes, preferencialmente com plantas altas formando refúgios e substrato arenoso. Espécie gregária, deverá ser mantido em pelo menos 6 indivíduos. A maioria das espécies são provenientes de captura, exceto se obter de algum criador local, é importante aquário ter água com dureza mole e pH ácido. Fluxo de água não deverá ser forte.

Espécie que vive em cardume, possuem forte disputa pela hierarquia do grupo, motivo o qual deverá manter vários espécimes em bom espaço. Após definido a hierarquia do grupo, tendem a ficar mais pacíficos com membros da mesma espécie. São pacíficos com outras espécies de peixes, mas deve-se evitar inserir com peixes muito menores.

Procure adquirir todos espécimes de uma só vez para que tenham chances iguais de disputar a hierarquia do grupo. Como a maioria dos espécimes provém de coleta, podem demorar a aceitar alimentos secos, devendo ser fornecido alimentos vivos inicialmente (ex. artêmias) até estarem habituados ao aquário, quando posteriormente poderão ser treinados a comerem alimentos secos.

Alimentação

Onívoro, em seu ambiente natural alimenta-se de zoobentos como pequenos crustáceos e outros invertebrados aquáticos (insetos), além de pequenos peixes e secundariamente de plantas e sementes. Em cativeiro aceitará alimentos secos e vivos. Forneça rações próprias para ciclídeos junto com pequenos alimentos vivos periodicamente.

Reprodução e dimorfismo sexual

Ovíparo, atingem maturidade sexual em torno de 10-12 meses. Formado o casal, irão escolher e limpar o local para desova, normalmente algum objeto de superfície plana como folhas, pedras, rochas ou mesmo vidro. Fêmea irá liberar ovos adesivos e o macho irá fertilizar em sequência. Passando este ritual, casal irá oxigenar os ovos constantemente e defendendo de todos intrusos que se aproximarem. Sempre que um ovo aparece fungado, um dos progenitores encarrega-se de o retirar de modo a evitar a propagação exponencial aos outros ovos. A eclosão ocorre em 2 dias e as larvas permanecem no saco vitelino por mais 4-5 dias se alimentando deste, quando logo mais estarão nadando livremente sob supervisão dos pais. Pais costumam cuidar da progênie pelas próximas semanas.

Machos são ligeiramente maiores com nadadeira caudal mais larga que as fêmeas.

Galeria de imagens

Pterophyllum-leopoldi2

Pterophyllum-leopoldi7 Pterophyllum-leopoldi6

Pterophyllum-leopoldi5 Pterophyllum-leopoldi4

Pterophyllum-leopoldi3 Pterophyllum-leopoldi2-300x225

Descrição

Esta espécie é a menor do gênero dos Acará Bandeira (Pterophyllum) e ao contrário dos seus congêneres, apresenta um contorno pré-dorsal reto. Outra diferenciação é identificada através da mancha negra próximo a quarta listra vertical abaixo da base da nadadeira dorsal.

Dificilmente é encontrado a venda em lojas de aquário, sendo muitas vezes vendido erroneamente por criadores locais como Pterophyllum dumerilii. Este nome foi atribuído para a espécie por Castelnau em 1855, que o descreveu como Plataxoides dumerilii, porém este binomial encontra-se em desuso atualmente.

P. leopoldi foi a última espécie descrita dentro do gênero, feito por J. Gosse, em 1963, embora ele os tenha enquadrado no antigo gênero Plataxoides, porque acreditava que o nome Pterophyllum havia sido utilizado para descrever um gênero de insetos. Schultz, em 1967, descobriu então, que o gênero utilizado para os insetos possuía o nome de Pterophylla, então sob as regras do ICZN, Pterophyllum estava disponível e foi atribuído para estas espécies de peixes. O nome desta espécie (Leopoldi) homenageia o rei Leopoldo III da Bélgica (1901 – 1990) que coletou amostras do qual Gosse descreveu e os nomeou mais tarde.

Em 1979, Warren Burgess considerou que P. scalare e P. altum eram variantes da mesma espécie, e foram inseridos como subespécie conhecido como P. scalare scalare e P. scalare altum respectivamente, como espécies distintas de P. leopoldi. Em 1986, Sven Kullander determinada que existem três espécies válidas e distintas, P. scalare, P. altum e P. leopoldi. Em 1998, Dr. Kullander cria a sub-família Cichlasomatinae englobando vários gêneros, incluindo Pterophyllum.

Bandeiras (Pterophyllum)222-low

Referências

  1. Kullander, S.O., 2003. Cichlidae (Cichlids). p. 605-654. In R.E. Reis, S.O. Kullander and C.J. Ferraris, Jr. (eds.) Checklist of the Freshwater Fishes of South and Central America. Porto Alegre: EDIPUCRS, Brasil.
  2. Burgess, Warren E. (1979), The Species of Angelfish , Aqualog IV.
  3. Kullander, Sven O. (1986), Guide to South American Cichlids , Aqualog IV.
  4. Kullander, Sven O. (1998), “A phylogeny and classification of the South American Cichlidae (Teleostei: Perciformes),” in Malabarba, L., et al. (eds), Phylogeny and Classification of Neotropical Fishes , pp. 461-498.

Agradecimentos a Stef´s Aquariumwereld e Vesculcas pela concessão das fotos.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Abril/2014
Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 769 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

2 Comentário

  1. Apreciei muito o artigo. Simples, direto e esclarecedor, pois a classificação dos acarás-bandeiras sempre foi meio confusa, de acordo com a época. Sei disso pois sou aquarista há décadas e sempre vi essa classificação sofrer mudanças constantes. Parabenizo o autor por seu interesse em pesquisar e, principalmente, em divulgar o que aprendeu.

     

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*