Pirapitinga do Sul (Brycon opalinus)

 

Brycon-opalinus-pirapitinga

Brycon opalinus (Cuvier, 1819)

Nome Popular: Pirapitinga do Sul, Pirapitinga — Inglês: não possui

Família: Bryconidae (Bryconídeos)

Distribuição: América do Sul, bacia do rio Paraíba do Sul

Tamanho Adulto: 40 cm

Expectativa de Vida: 10 anos

Temperamento: Pacífico

Aquário Mínimo: 200 cm X 60 cm X 60 cm (720 L)

Temperatura: 22°C a 28°C

pH: 6.0 a 8.o – Dureza: desconhecido

Visão Geral

Peixe de porte médio, muito apreciado pelos habitantes das regiões próximas à sua área de distribuição. A população dessa espécie vem sofrendo declínio, principalmente em rios do Vale do Paraíba, um de seus habitats naturais, em conseqüência de fatores que interferem no comportamento migratório das espécies ictíicas, dentre eles, o desmatamento marginal dos rios, a poluição e a construção de barragens hidrelétricas.

Apresenta coloração chumbo no dorso e prateada nos flancos. São apreciados na pesca esportiva utilizando linha e iscas de peixes e pererecas.

À semelhança de grande número de espécies reofílicas, que não se reproduzem naturalmente em condições de cativeiro, exemplares de Brycon opalinus necessitam ser induzidos à reprodução através de aplicação de hormônios.

Geralmente, as piabanhas do sul são agrupadas em pequenos cardumes e são mais ativas durante o dia e ao entardecer, quando a luminosidade está mais fraca. São encontradas durante o ano todo, principalmente quando a água está mais clara e limpa.

Aquário & Comportamento

Não é considerado um peixe ornamental, sendo mais apreciado na pesca ou consumo humano. Ideal criá-lo em lagos ou grandes tanques, uma vez que trata-se de uma espécie bastante ativa e que atinge grande tamanho.

Seu comportamento é pacífico, porém comerá peixes menores. Eventualmente pode mordiscar peixes mais lentos ou de hábito sedentário.

Reprodução & Dimorfismo Sexual

Ovíparo. Realiza migração reprodutiva ascendente no período da cheia. Costuma depositar seus ovos em lagoas e áreas inundadas. A desova é total. Os pais não cuidam da prole após o nascimento.

Em geral, o macho é sensivelmente menor e possui aspereza da nadadeira anal, resultante de pequenas espículas que aparecem na época da reprodução. Essa espécie se reproduz nos meses frios e em águas rasas.

Alimentação

Onívoro, essencialmente Frugívoro. Em seu ambiente natural alimenta-se basicamente de frutas e sementes, mas pode ingerir crustáceos, moluscos e insetos.

Possui maxilas cobertas por pequenos dentes e envolvidos por lábios grossos. Os dentes são próprios para esmagar, cortar e triturar alimentos.

Etimologia: brycon (grego); Ebikon, brykomai = morder, roer.

Referências

  1. Reprodução da Pirapitinga do Sul (Brycon opalinus Cuvier, 1819) no Parque Estadual da Serra do Mar-Núcleo Santa Virgínia, São Paulo, Brasil – Gomiero, LM.; Braga, FMS.
  2. Reprodução Induzida da Pirapitinga-do-Sul, Brycon opalinus (Cuvier, 1819), Mantida em Condições de Confinamento – Massuka Yamane Narahara, Elaine Fender de Andrade-Talmelli, Emico Tahira Kavamoto, Heloisa Maria Godinho
  3. Relação peso-comprimento e fator de condição de Brycon opalinus (Pisces, Characiformes) no Parque Estadual da Serra do Mar- Núcleo Santa Virgínia, Mata Atlântica, Estado de São Paulo, Brasil – Leandro Muller Gomiero, Francisco Manoel de Souza Braga
  4. Isolamento de microssatelites em Pirapitinga do Sul (Brycon opalinus, Cuvier, 1819)(Characiforme, Characidae, Bryconiae)e sua aplicacao no estudo populacional da especie na Bacia do Paraiba do Sul – Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2003
  5. Lima, F.C.T., 2003. Characidae – Bryconinae (Characins, tetras). p. 174-181. In R.E. Reis, S.O. Kullander and C.J. Ferraris, Jr. (eds.) Checklist of the Freshwater Fishes of South and Central America. Porto Alegre: EDIPUCRS, Brasil.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Agosto/2016

Sobre Edson Rechi 748 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

1 Comentário

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*