Piauçu (Leporinus macrocephalus)

 
Leporinus-macrocephalus2
Espécime de Piauçu em Bonito (MS)

Leporinus macrocephalus (Garavello & Britski, 1988)

Nome Popular: Piau Açu, Piauçu, Piauvuçu — Inglês: não possui

Família: Anostomidae (Anostomídeos)

Origem: América do Sul; bacia do rio Paraguai

Tamanho Adulto: 60 cm

Expectativa de Vida: 7 anos +

Temperamento: Variável

Aquário Mínimo: 200 cm X 60 cm X 60 cm (720 L)

Temperatura: 20°C a 28°C

pH: 6.0 a 7.4 – Dureza: 4 a 12

Leporinus-macrocephalus
Espécime pescado no rio Paraná na cidade de Rosana (SP)

Visão Geral

Espécie distribuída no Pantanal Mato-Grossense, bem como nos Estados de Minas Gerais, Goiás e São Paulo. O Piavuçu é um peixe que habita poços abaixo das corredeiras.

Apresenta corpo curto e grosso, boca grande e terminal. Possui coloração cinza escura, principalmente devido à borda lateral escura das escamas. O peixe jovem pode apresentar barras transversais nos flancos. Já o peixe adulto apresenta 3 manchas escuras, alongadas verticalmente, sendo a mais posterior algumas vezes difusa. Se o Piavuçu for muito grande, ele não apresentará barras nem manchas.

Aquário & Comportamento

A decoração do aquário para espécie é um tanto indiferente, embora um arranjo natural formado por rochas e raízes os deixará mais a vontade, sempre deixando uma grande área aberta para nadarem.

Como qualquer peixe de ambiente lótico, é intolerante a presença de amônia na água e requer filtragem impecável para prosperar. Aquário deverá ser mantido bem tampado, costumam pular para fora do aquário.

Seu comportamento é gregário, devendo ser mantido em seis ou mais espécimes. Apesar de certo grau de disputas entre eles, é natural uma vez que formam forte hierarquia. Definida a hierarquia do grupo, normalmente costumam ser pacíficos. Quando mantidos individualmente podem se tornar agressivos, principalmente com peixes de formato e cores semelhantes. Frente a outras espécies de porte similar costumam não incomodar. Eventualmente podem mordiscar nadadeiras de peixes de natação mais lenta ou de hábito sedentário.

Reprodução & Dimorfismo Sexual

Ovíparo. Realiza a desova total, ou Piracema. É um peixe que faz longas migrações rio acima para se reproduzir, podendo percorrer, em um só dia, mais de 4 km contra a correnteza.

Alimentação

Onívoro com tendência a herbívoro. Sem seu ambiente natural se alimenta de frutas, matéria vegetal, caranguejos e pequenos peixes.

Etimologia: Leporinus vem do latim lepus, que significa coelho + sulfixo inus que significa “relativo”, em referência ao par de dentes sínfise ampliados que determinadas espécies do gênero apresentam.

Referências

  1. Oyakawa, O.T., 1998. Catalogo dos tipos de peixes recentes do Museu de Zoologia da USP. I. Characiformes (Teleostei: Ostariophysi). Pap. Avuls. Zool. 39(23):443-507.
  2. Breder, C.M. and D.E. Rosen, 1966. Modes of reproduction in fishes. T.F.H. Publications, Neptune City, New Jersey. 941 p.
  3. Britski, H.A., K.Z. de S> de Silimon and B.S. Lopes, 2007. Peixes do Pantanal: manual de identificaçäo, 2 ed. re. ampl. Brasília, DF: Embrapa Informaçäo Tecnológica, 227 p.
  4. Romero, P., 2002. An etymological dictionary of taxonomy. Madrid, unpublished.
  5. Peixes de água doce do Brasil – Piavuçu (Leporinus macrocephalus) – CPT Cursos de Produções Técnicas

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Julho/2016

Sobre Edson Rechi 757 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*