Papilocromis (Mikrogeophagus altispinosus)

 

Mikrogeophagus-altispinosus

Nome Popular: Papilocromis, Ramirezi Boliviano — Inglês: Bolivian ram

Ordem: Perciformes — Família: Cichlidae (Ciclídeos)

Distribuição: América do Sul, rio Guaporé no Brasil e Bolívia, além do rio Mamoré e afluentes na Bolívia.

Comportamento: Pacífico, comunitário

Tamanho Adulto: 8 cm (comum: 5 cm)

Expectativa de Vida: 3 a 5 anos

pH: 6.0 a 7.4

Dureza: 6 a 10

Temperatura: 22°C a 28°C

Aquário Mínimo: 80 cm X 30 cm X 40 cm (96L)

Alimentação: Onívoro, em seu ambiente natural alimenta-se de insetos, pequenos crustáceos, moluscos, entre outros. Em cativeiro aceitará prontamente alimentos secos e vivos, devendo ser fornecido este último regularmente.

Reprodução: Ovíparo, fêmea libera ovos adesivos em alguma superfície (plantas, rochas, raízes) que serão fecundados pelo macho. Ovos eclodem em até 72h e larvas nadam livremente em até dois dias, quando serão transferidos para uma pequena depressão no substrato e ficarão sob supervisão dos pais pelos próximos dias.

Dimorfismo Sexual: Macho apresenta coloração mais evidente que a das fêmeas, além de apresentar nadadeira anal, caudal e dorsal mais prolongadas. Formato da cabeça da fêmea é mais curva passando a sensação de seus olhos serem esbugalhados.

Biótopo: Encontrado em ambiente lêntico, comumente com bastante vegetação submersa e raízes.

Informações adicionais: Tal como seu primo (Mikrogeophagus ramirezi), é um ciclídeo anão muito pacífico com outras espécies de peixes, mas que pode se tornar territorial e agressivo frente a outros ciclídeos de mesmo porte. Esta situação pode ser facilmente contornada os mantendo em aquário de grande porte onde cada um poderá demarcar seu território. É um peixe curioso que passa a maior parte de seu tempo abocanhando o substrato procurando algo para comer.

Mikrogeophagus-altispinosus2

Referências:

  1. Kullander, S.O., 2003. Cichlidae (Cichlids). p. 605-654. In R.E. Reis, S.O. Kullander and C.J. Ferraris, Jr. (eds.) Checklist of the Freshwater Fishes of South and Central America. Porto Alegre: EDIPUCRS, Brasil.
  2. Haseman, JD, 1911 – Annals of the Carnegie Museum v. 7 (nos 3-4) (18): 329-373 An annotated catalog of the cichlid fishes collected by the expedition of the Carnegie Museum to central South America, 1907-10.
  3. Chernoff, B., A. Machado-Allison, P. Willink, J. Sarmiento, S. Barrera, N. Menezes and H. Ortega, 2000 – Interciencia 25(6): 273-283 Fishes of three Bolivian rivers: diversity, distribution and conservation.
  4. Reis, RE, SO Kullander and CJ Ferraris, Jr. (eds), 2003 – EDIPUCRS, Porto Alegre: i-xi + 1-729 Check list of the freshwater fishes of South and Central America. CLOFFSCA.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Julho/2015
Colaboradores (collaboration): –

 

Sobre Edson Rechi 769 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

5 Comentário

  1. gostaria de ver a diferença entre o macho e a fêmea,Tenho 5 Papilocromis em Um Aquario de 280L E Gostaria se saber Qual É Femea e qual é macho, Se Puder Dizer A Diferença Entre o Macho e a femea de Ramirezis tbm Agradeço

     

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*