Micro Mocinha (Microcharacidium eleotrioides)

Microcharacidium eleotrioides (Géry, 1960)

Ficha Técnica

Ordem: Characiformes — Família: Crenuchidae

Nomes Comuns: Inglês: South American darter

Distribuição: Rios costeiros ao norte da América do Sul

Tamanho Adulto: 2 cm

Expectativa de Vida: desconhecido

Comportamento: pacífico

pH: 5.0 a 7.0 — Dureza: < 3

Temperatura: 24°C a 28°C

Distribuição e habitat

Distribuído em rios costeiros da América do Sul no norte do Brasil, Suriname e Guiana Francesa.

No Brasil é encontrado nos estados do Amazonas e Rondônia.

Ocorre em pequenos riachos bem oxigenados, com fluxo relativamente forte e água clara. Bastante adaptável, vive simpatricamente com pequenos caracídeos.

Descrição

Nenhuma descrição.

Criação em Aquário

Aquário com dimensões mínimas de 40 cm de comprimento e 30 cm de largura desejável.

Substrato preferencialmente arenoso ou cascalho de granulometria pequena. Esta espécie gosta de águas claras com fluxo relativamente forte.

É um peixe cuja manutenção deve ser reservada para aquaristas experientes.

Comportamento

Espécie gregária que vive em pequenos grupos no fundo de pequenos riachos. Bastante ativo e independente que não importunará outras espécies de peixes, podendo ser criado em aquário comunitário.

Tenha cuidado, no entanto, com os possíveis riscos de predação em caso de coabitação com peixes de tamanho muito superior.

Reprodução

Ovíparo. Similar aos pequenos caracídeos, depositam ovos livremente no substrato ou folhas. Pais não cuidam da progênie.

Dimorfismo Sexual

Machos são ligeiramente menores e corpo mais fino, fêmea apresenta forma mais roliça.

Alimentação

Onívoro. Em seu ambiente natural se alimenta de insetos, larvas e matéria vegetal.

Em aquário aceitará prontamente alimentos secos e vivos. É importante variar bastante sua alimentação com alimentos vivos e vegetais fornecidos regularmente.

EtimologiaMicrocharacidium, do grego mikros = pequeno + grego charax = nome diminuto de uma espécie de peixe marinho.

SinônimosJobertina eleotrioides

Referências

  1. Alonso, L.E. and H.J. Berrenstein, 2006. A Rapid Biological Assessment of the Aquatic Ecosystems of the Coppename River Basin, Suriname. RAP Bull. Of Biol. Assessment
  2. Barriga, R., 1991. Peces de agua dulce del Ecuador. Revista de Informacion tecnico-cientifica, Quito, Ecuador, Politecnica
  3. Buckup, P.A., 2003. Crenuchidae (South American darters). p. 87-95. In R.E. Reis, S.O. Kullander and C.J. Ferraris, Jr. (eds.) Checklist of the Freshwater Fishes of South and Central America. Porto Alegre: EDIPUCRS, Brasil.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Março/2018
Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 693 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*