Acará Festivo (Mesonauta festivus)

 

Mesonauta-festivus

Classificação

Classe: Actinopterygii • Ordem: Perciformes • Família: Cichlidae

Nome binomial: Mesonauta festivus (Heckel, 1840)

Sinônimos: Mesonauta festivum, Mesonauta festiva, Heros festivus

Grupo Aquário: Ciclídeos Neotropicais

Nomes comuns

Acará Festivo, Acará, Acará Bererê, Cará

Inglês: Flag cichlid, Festive cichlid, Festivum

Distribuição & habitat

América do Sul: bacia do rio Paraná, na drenagem do rio Paraguai no Brasil e Paraguai; bacia do rio Amazonas, no Guaporé (Brasil e Bolívia), Madre de Dios (Peru), Mamoré (Bolívia), drenagens dos rios Jamari e Tapajós (Brasil). Reportado ainda no Rio Araguaia.

Países: Bolívia, Brasil, Paraguai, Peru e Venezuela

Habitat: lêntico; áreas com forte presença de plantas. Preferem águas calmas e sombrias.

Mesonauta-festivus-map
Mapa por Discover Life

Ambiente & parâmetros da água

Bentopelágico; água doce • pH: 5.5 – 7.0 • Dureza: 4 – 6 • Clima: tropical; 24°C – 32°C

Tamanho adulto

18 cm (comum: 15 cm) • Estimativa de vida: 5 a 8 anos

Manutenção em aquário

Aquário com dimensões mínimas de 100cm X 40cm X 50cm (200 L) requerido. O aquário deverá possuir substrato preferencialmente arenoso com bastante vegetação aquática e raízes para servir de refúgio. Aquário poderá possuir presença de vegetação abundante, incluindo plantas flutuantes, criando zonas sombrias. Troncos e rochas também podem ser utilizados como decoração simulando seu ambiente natural.

Espécie gregária. Agressivo e territorialista com ciclídeos de mesmo porte, mesmo com ciclídeos de outros gêneros. Com outras espécies de peixes costuma ser pacífico, porém comerá peixes menores que couber em sua boca. Deve-se mantê-los em grupo de no mínimo 5 exemplares.

Alimentação

Onívoro, em seu ambiente natural alimenta-se de invertebrados, crustáceos bentônicos, insetos, anelídeos e secundariamente plantas. Em cativeiro aceitam alimentos secos e vivos, devendo ser fornecido periodicamente alimentos vivos e alimentos de origem vegetal.

Reprodução e dimorfismo sexual

Ovíparo. Maturidade sexual ocorre em 12 meses. Estabelece ovos em plantas e raízes, cerca de 200 ovos, eclodem em até 4 dias; larvas nadam livremente após 3-4 dias; fêmea desova ovos adesivos em superfície plana, previamente limpo pelo casal; ovos serão fertilizados em seguida pelo macho; pais cuidam na progênie, cuidado parental pode durar até 6 semanas.

Dimorfismo sexual pouco notória, machos apresentam nadadeiras peitorais e anal maiores (variável).

Galeria de imagens

Mesonauta-festivus2

Mesonauta-festivus6 Mesonauta-festivus5

Mesonauta-festivus4 Mesonauta-festivus3

Descrição

Corpo oval e cumprido lateralmente. Nadadeira dorsal, anal e pélvica são alongadas, especialmente este último é similar ao gênero Pterophyllum. Apresenta faixa diagonal a partir de seus lábios até o final da nadadeira dorsal, criando duas áreas com coloração diferente: a parte superior desta área apresenta coloração esverdeada/amarelada, enquanto a parte inferior predominante cinza. Nadadeira caudal arredondada.

Esta espécie possui ampla distribuição na região Amazônica e pode ser facilmente encontrado no mesmo habitat de Pterophyllum sp. (Bandeiras) e Symphysodon sp. (Discos), podendo eventualmente nadar em cardume junto com estas duas espécies. Este fato ocorre devido aproveitarem a proteção de cardumes de outras espécies.

Bastante similar ao M. insignis, podendo ser facilmente confundido com esta espécie. A diferença pelo dimorfismo externo entre M. insignis e M. festivus é incerta. Existe ao menos meia dúzia de espécies com colorações diferentes, variando o local de captura. Em 1991 o gênero Mesonauta foi revisto, resultando na criação de seis espécies até o momento (07/2010). M. acora, que vive principalmente nos rios Tocantins e Xingu; M. egregius no rio Orinoco, M. insignis, no alto Rio Negro e do Orinoco, M. mirificus na Amazônia peruana, M. rockstone nos rios da Guiana, o rio Essequibo na Guiana e M. festivus. (Kullander – 2003).

O gênero Mesonauta é conhecido por ser bastante complexo, possivelmente compreendendo espécies ainda não descritas ou em processo de reconhecimento.

São ciclídeos tímidos que podem passar boa parte do tempo escondidos até estarem totalmente habituados ao aquário. É uma espécie bastante atraente, principalmente pela presença da tarja negra desde sua boca até próximo a nadadeira dorsal.

Referências

  1. Kullander, S.O. 2003 Cichlidae (Cichlids). p. 605-654. In R.E. Reis, S.O. Kullander and C.J. Ferraris, Jr. (eds.) Checklist of the Freshwater Fishes of South and Central America. Porto Alegre: EDIPUCRS, Brasil.
  2. Britski, H.A., K.Z. de S> de Silimon and B.S. Lopes 2007 Peixes do Pantanal: manual de identificaçäo, 2 ed. re. ampl. Brasília, DF: Embrapa Informaçäo Tecnológica, 227 p.
  3. Robins, C.R., R.M. Bailey, C.E. Bond, J.R. Brooker, E.A. Lachner, R.N. Lea and W.B. Scott 1991 World fishes important to North Americans. Exclusive of species from the continental waters of the United States and Canada. Am. Fish. Soc. Spec. Publ. (21):243 p.
  4. Kullander, S.O. and A.M.C. Silfvergrip 1991 Review af the South American cichlid genus Mesonauta Gunther (Teleostei, Cichlidae) with descriptions af two new species. Revue suisse Zoo!. 98(2):407-448.
  5. Soares, M.G.M., R.G. Almeida and W.T. Tunk 1986 The trophic status of the fish fauna in Lago Camaleao, a macrophyte dominated floodplain lake in the middle Amazon. Amazoniana, IX(4):511-526.
  6. Mills, D. and G. Vevers 1989 The Tetra encyclopedia of freshwater tropical aquarium fishes. Tetra Press, New Jersey. 208 p.
  7. Bassleer, G. 1997 Color guide of tropical fish diseases: on freshwater fish. Bassleer Biofish, Westmeerbeek, Belgium. 272 p.
  8. Robins, C.R., R.M. Bailey, C.E. Bond, J.R. Brooker, E.A. Lachner, R.N. Lea and W.B. Scott 1991 World fishes important to North Americans. Exclusive of species from the continental waters of the United States and Canada. Am. Fish. Soc. Spec. Publ. (21):243 p.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Março/2014
Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 769 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

4 Comentário

  1. Comprei sem saber que era territorialista e ele está atacando alguns telescópios. Minha dúvida é, posso colocar ele em um aquário sem oxigenação.

     

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*