Arco íris Neon (Melanotaenia praecox)

 

Melanotaenia-praecox

Classificação

Classe: Actinopterygii • Ordem: Atheriniformes • Família: Melanotaeniidae

Nome binomial: Melanotaenia praecox (Weber & de Beaufort, 1922)

Sinônimos: Rhombatractus praecox

Grupo Aquário: Peixes Arco-íris

Nomes comuns

Arco íris Neon, Melanotaenia Neon

Inglês: Dwarf rainbowfish

Distribuição & habitat

Ásia, rio Mamberamo ao norte de Papua Ocidental, Indonésia.

Países: endêmico da Indonésia

Habitat: afluentes de rios principais, assim como pântanos circundantes e brejos. Comumente reunidos em torno de densa vegetação aquática, raízes e troncos submersos.

Melanotaenia-praecox-map
Mapa por Discover Life

Ambiente & parâmetros da água

Bentopelágico; água doce • pH: 6.6 – 7.4 • Dureza: 6 – 13 • Clima: tropical; 22°C – 28°C

Tamanho adulto

5 cm (comum 4 cm) • Estimativa de vida: 3 – 5 anos

Manutenção em aquário

Aquário com dimensões mínimas de 80 cm X 30 cm X 40 cm (96 litros) requerido. Apesar de seu pequeno porte, são peixes bastante ativos e deve-se mantê-los em cardume, portanto, evite mantê-los em aquários pequenos. Decoração com bastante plantas e raízes, além de um fluxo de água um pouco forte simulará seu ambiente natural.

Espécie bastante sociável que deve ser mantido em grupos de pelo menos 6 espécimes ou mais, usando como base duas fêmeas para cada macho. Pode-se criá-los em aquários comunitário com peixes de tamanho similar devido seu comportamento pacífico. Se mantê-los na proporção de um macho para duas fêmeas, exibiram ainda mais suas cores chamativas.

Alimentação

Espécie bastante sociável que deve ser mantido em grupos de pelo menos 6 espécimes ou mais, usando como base duas fêmeas para cada macho. Pode-se criá-los em aquários comunitário com peixes de tamanho similar devido seu comportamento pacífico. Se mantê-los na proporção de um macho para duas fêmeas, exibiram ainda mais suas cores chamativas.

Reprodução e dimorfismo sexual

Ovíparo. Dispersam os ovos livremente, após o cortejo do macho a fêmea irá liberar ovos livremente no substrato (ou qualquer outro elemento decorativo), onde o macho fertilizará em seguida. Podem desovar parceladamente por semanas. Aparentemente não há cuidado parental e as larvas eclodem em até 10 dias.

Machos apresentam coloração mais clara e brilhante, além de possuir coloração vermelha em suas nadadeiras anal, caudal e principalmente na dorsal (variável), além se serem maiores que as fêmeas. Fêmeas apresentam coloração amarelada em suas nadadeiras, porém, algumas fêmeas podem apresentar coloração puxando do laranja para o avermelhado em suas nadadeiras podendo ser confundida com um macho, além de serem mais delgadas que os machos.

Galeria de imagens

Melanotaenia-praecox2

Melanotaenia-praecox3
Fêmea a esquerda e macho respectivamente
Melanotaenia-praecox-double
Macho ao centro rodeado de fêmeas e espécime macho adulto

Descrição

Apresenta coloração bastante chamativa por todo seu corpo, daí seu nome popular em português (neon). Apresenta corpo bastante forte e robusto para o seu pequeno tamanho.

Descrito por Weber e Beaufort, em 1922, foi introduzido pela primeira vez em 1992. São encontrados em pequenos córregos de águas límpidas com forte presença de macrófitas aquáticas.

Segundo o IUCN é uma espécie ameaçada de extinção em seu ambiente natural, porém, produzido em larga escala em fazendas de peixes ornamentais, sendo bastante comum no comércio de aquarismo.

Referências

  1. IUCN, International Union for Conservation of Nature and Natural Resources, 1994. 1994 IUCN red list of threatened animals. International Union for Conservation of Nature and Natural Resources, Gland, Switzerland and Cambridge, U.K.
  2. Romero, P., 2002. An etymological dictionary of taxonomy. Madrid, unpublished.
  3. Allen, G.R., 1991. Field guide to the freshwater fishes of New Guinea. Publication, no. 9. 268 p. Christensen Research Institute, Madang, Papua New Guinea.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Maio/2014
Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 769 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*