Pérola Ocelada (Lamprologus stappersi)

 

Lamprologus stappersi (Pellegrin, 1927)

Foto J. de Lange (c)

Nome Popular: Pérola Ocelada — Inglês: Pearly ocellatus

Ordem: Perciformes — Família: Cichlidae (Ciclídeos)

Distribuição: África, endêmico do lago Tanganyika

Tamanho Adulto: 5 cm

Expectativa de Vida: 5 anos +

pH: 8.0 a 9.0 — Dureza: –

Temperatura: 24°C a 28°C

Aquário Mínimo: 60 cm comprimento X 40 cm largura — o aquário deverá estar munido de substrato com granulometria pequena e muitas conchas para se refugiarem. Deve-se colocar bastantes conchas e barreiras visuais no aquário, como pedras ou plantas, para minimizar a agressividade.

Comportamento & Compatibilidade: São extremamente agressivos com espécies do mesmo gênero, com outras espécies costumam defender o território ao redor das conchas com bastante vigor, indiferente do tamanho do intruso. Pode-se manter um casal ou um trio (um macho e duas fêmeas) num aquário a partir de 50 litros. Para aquário comunitário somente se houver uma boa área para cada peixe demarcar seu território, neste caso ideal é o aquário possuir no mínimo 120 cm de comprimento. Quando ocorre disputa entre os machos, se confrontam com as nadadeiras abertas e em proporções mais violentas se enfrentem boca a boca.

Alimentação: Naturalmente é um micro predador de invertebrados. Em cativeiro aceitará facilmente todo tipo de alimentação, no entanto, deve ser fornecido alimentos com alto teor proteico.

Reprodução: Ovíparo. Uma vez formado o casal, a cada postura podem liberar de 10 a 30 ovos que são depositados dentro de conchas. Larvas eclodem entre 48h e 72h, dependendo da temperatura. Os pais cuidam da progênie por cerca de três a quatro semanas, quando os alevinos deverão ser retirados para que não sejam comidos pelos pais.

Dimorfismo Sexual: Machos são maiores e apresentam nadadeiras peitoral e dorsal mais longas e pontiagudas.

Biótopo: Escolhem preferencialmente os fundos arenosos onde se escondem entre as cascas vazias de gastrópodes do gênero Neothauma.

Etimologia: Lamprologus: do grego, lampros = luz + grego lagos = lebre. Stappersi, em alusão ao Dr. Stappers, primeiro coletor da espécie.

Sinônimos: Neolamprologus stappersii

Informações adicionais: Conhecidos como shell-dwellers, ou moradores de conchas, pois passam a maior parte de sua vida dentro de conchas de gastrópodes. Tanto para se refugiar, como para se reproduzir, etc. Distribuído apenas na costa do Congo, na zona centro do país, ao sul de Kalemie.

No aquarismo pode ser encontrado com a designação L. meleagris, devido uma confusão no inicio dos anos 90, onde Buscher coletou alguns indivíduos como sendo uma “nova espécie”. Entretanto, foi verificado que se tratava da mesma espécie de L. stappersi.

Referências:

  • Brichard, P., 1989. Pierre Brichard’s book of cichlids and all the other fishes of Lake Tanganyika. T.F.H. Publications, Inc.
  • Kullander, S.O., M. Norén, M. Karlsson and M. Karlsson, 2014. Description of Neolamprologus timidus, new species, and review of N. furcifer from Lake Tanganyika (Teleostei: Cichlidae). Ichthyol. Explor. Freshwat.
  • Romero, P., 2002. An etymological dictionary of taxonomy. Madrid, unpublished.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Novembro/2020
Colaboradores (collaboration): —

Sobre Edson Rechi 873 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*