Peixe gato de vidro (Kryptopterus vitreolus)

Kryptopterus vitreolus (Ng & Kottelat, 2013)

Ficha Técnica

Ordem: Siluriformes — Família: Siluridae

Nomes Comuns: Peixe gato de vidro — inglês: Glass catfish

Distribuição: Ásia: sudeste da Tailândia

Tamanho Adulto: 4 a 6 cm

Expectativa de Vida: desconhecido

Comportamento: pacífico, gregário

pH: 4.0 a 7.4 — Dureza: 4 a 8

Temperatura: 20°C a 28°C

Distribuição e habitat

Distribuído em uma série de bacias hidrográficas costeiras na península da Tailândia que escoam para o Golfo da Tailândia, ao sul do istmo de Kra, além de um inúmeros rios que drenam nas montanhas Cardamomo (Khao Banthat), no sudeste da Tailândia. A localidade é tida como “Província de Trat, Amphoe Khao Saming”.

Ng e Kottelat (2013) afirmam que seu status na natureza requer investigação, uma vez que é coletado intensivamente para o comércio de aquários, tem um alcance relativamente restrito e parece nunca ter sido reproduzido em cativeiro.

Exibe uma preferência por habitats lênticos e água turva acastanhada, bem como águas negras ácidas.

Em seu corpo, o número de melanóforos (células de cor preta) é significativamente reduzido, os músculos e o corpo são claros. A parede do corpo contém plaquetas planas de guanina em uma camada prateada que funciona como um espelho, isso reflete a luz e a cor geral do habitat, tornando o peixe efetivamente camuflado ao olhar de seus predadores.

Descrição

Este peixe é rotulado erroneamente como Kryptopterus bicirrhis. Esta espécie está disponível no comércio do aquarismo há décadas, período em que tem sido amplamente identificado erroneamente com seus congêneres K. bicirrhis ou, mais recentemente, K. minor. Este último é endêmico de Bornéu e raramente está disponível para entusiastas do aquarismo.

Sua identificação não tinha sido resolvida até o início de 2013, altura em que foi descrito como uma nova espécie por Ng e Kottelat. Excepcionalmente, os autores foram obrigados a publicar um breve comunicado logo após a descrição, uma vez que as palavras “nova espécie” não apareceram no primeiro artigo, o que significa que tecnicamente o nome K. vitreolus permaneceu indisponível de acordo com o art. 16.1 do código ICZN.

Kryptopterus vitreolus difere de todas as espécies do gênero, exceto K. minor e K. piperatus, por ter um corpo transparente, enquanto demais espécies possui translúcido ou opaco.

Seu corpo é virtualmente transparente com manchas dispersas na cabeça e no ventre. A bexiga natatória dentro da cavidade do corpo adjacente às nadadeiras peitorais é visível, além de outras estruturas internas, como a coluna vertebral.

Não apresenta pigmento corporal e é transparente. Corpo esbelto, nadadeira anal que se estende desde a cabeça até a nadadeira caudal bifurcada, dois longos barbilhões. A maioria de seus órgãos está localizado próximo a cabeça e embora sejam transparentes, possuem uma cor iridescente do arco-íris quando a luz os atinge no ângulo reto.

No sudeste da Ásia, é utilizado na fabricação de molhos usados ​​na culinária asiática.

Criação em Aquário

Aquário com dimensões mínimas de 80 cm de comprimento e 40 cm de largura desejável.

Este peixe pode ser bastante sensível às condições da água, por isso é adequado para aquários maduros com pequenas mudanças regulares de água. Requer muitos esconderijos, bem como algum espaço aberto para natação.

Eles precisam de um tanque densamente plantado, alguns troncos e raízes para abrigo. Um crescimento generoso de plantas aquáticas formando zonas sombrias é imperativo para o seu bem estar.

Comportamento

É uma espécie de natação tímida e de comportamento bastante pacífico.

Em seu habitat natural são encontrados em pequenos cardumes, e devem ser mantidos com pelo menos 5 ou 6 de sua própria espécie em um tanque comunitário com outros peixes pacíficos do mesmo tamanho.

Evite criá-los com peixes de natação rápida e de hábito mordiscador, são peixes lentos que podem ter alguma dificuldade para se defender ou competir por alimentos.

Reprodução

Ovíparo. Sua reprodução é desconhecida.

Dimorfismo Sexual

Dimorfismo sexual pouco evidente.

Alimentação

Onívoro. Em seu ambiente natural se alimenta de crustáceos, insetos e peixes menores.

Embora não haja necessidade de usar alimentos vivos em cativeiro, ofereça uma dieta variada incluindo alimentos secos, bloodworm, Tubifex e artêmias.

EtimologiaKryptopterus do grego kryptos , que significa ‘escondido’ ou “oculto” e pterýgio, que significa ‘nadadeira’, em referência à nadadeira dorsal reduzida ou ausente em membros deste gênero.

Vitreolus; forma diminutiva do latim vitreus, que significa ‘de vidro’, em referência à aparência transparente da espécie.

Sinônimos: não possui.

Referências

  1. Ng, H.H. and M. Kottelat, 2013. After eighty years of misidentification, a name for the glass catfish (Teleostei: Siluridae). Zootaxa
  2. Bornbusch, AH, 1995 – Zoological Journal of the Linnean Society 115: 1-46
    Phylogenetic relationships within the Eurasian catfish family Siluridae (Pisces: Siluriformes), with comments on generic validities and biogeography.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Abril/2018
Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 629 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*