Peixe gato de vidro (Kryptopterus bicirrhis)

Kryptopterus bicirrhis (Valenciennes, 1840)

Ficha Técnica

Ordem: Siluriformes — Família: Siluridae

Nomes Comuns: Peixe gato de vidro — inglês: Glass catfish

Distribuição: Ásia: bacias de Mekong e Chao Phraya

Tamanho Adulto: 15 cm (comum: 12 cm)

Expectativa de Vida: desconhecido

Comportamento: pacífico

pH: 6.0 a 7.5 — Dureza: —

Temperatura: 21°C a 28°C

Distribuição e habitat

Distribuído nas bacias de Mekong e Chao Phraya; Península Malaia, Sumatra e Bornéu. Tem sido extensivamente encontrado a partir dos rios Mekong, Chao Phraya, Batang Hari, Rajang e Kapuas, além de vários rios menores vinculados.

Kottelat e Widjanarti (2005) relatam que ocorrem em águas de fluxo rápido de águas turvas, sendo abundante no final da estação chuvosa no complexo de lagos Danau Sentarum, província de Kalimantan Ocidental (Kalimantan Barat), Indonésia (Bornéu).

No Mekong, diz-se que é mais abundante em várzeas mas também ocorre em alguns habitats de altitude mais alta na parte central do sistema (Rainboth, 1996). Em ambos casos são normalmente são encontrados em grandes cardumes de 100 ou mais espécimes. 

Descrição

Pode ser confundido com seu congênere K. vitreolus, mas facilmente distinto por apresentar o corpo translúcido ou opaco, enquanto K. vitreolus é transparente.

Espécies de Kryptopterus são encontrados apenas no sudeste da Ásia e o gênero tem sido considerado polifilético desde Bornbusch (1995) com algumas espécies anteriores já migradas para os gêneros Phalacronotuse e Micronema.

Bombusch (1995) identificou o grupo K. bicirrhis como um clado distinto, embora ele não tenha proposto nenhuma sinapomorfia para diagnosticá-lo.

Criação em Aquário

Aquário com dimensões mínimas de 100 cm de comprimento e 40 cm de largura desejável.

Este peixe pode ser bastante sensível às condições da água, por isso é adequado para aquários maduros com pequenas mudanças regulares de água. Requer muitos esconderijos, bem como algum espaço aberto para natação.

Eles precisam de um tanque densamente plantado, alguns troncos e raízes para abrigo. Um crescimento generoso de plantas aquáticas formando zonas sombrias é imperativo para o seu bem estar.

Comportamento

Extremamente pacífico, devem ser mantidos em grupos grandes para que mostrem seu comportamento natural e fiquem desinibidos. Pode ser mantido em aquário comunitário com peixes de tamanho e comportamento similar.

Evite criá-los com peixes de natação rápida e de hábito mordiscador, são peixes lentos que podem ter alguma dificuldade para se defender ou competir por alimentos.

Reprodução

Ovíparo. Sua reprodução é desconhecida.

Dimorfismo Sexual

Os machos adultos são visivelmente mais magros que as fêmeas.

Alimentação

Onívoro. Em seu ambiente natural se alimenta de crustáceos, insetos e peixes menores.

Embora não haja necessidade de usar tais alimentos vivos em cativeiro, ofereça uma dieta variada incluindo alimentos secos, bloodworm vivo e congelado, Tubifex e ocasionalmente pequenos pedaços de minhocas.

EtimologiaKryptopterus do grego kryptos , que significa ‘escondido’ ou “oculto” e pterýgio, que significa ‘nadadeira’, em referência à nadadeira dorsal reduzida ou ausente em membros deste gênero.

SinônimosKryptopterus bicirrus, Cryptopterus bicirris, Cryptopterus bicirrhis, Silurus bicirrhis

Referências

  1. Baird, I.G., V. Inthaphaisy, P. Kisouvannalath, B. Phylavanh and B. Mounsouphom, 1999. The fishes of southern Lao. Lao Community Fisheries and Dolphin Protection Project. Ministry of Agriculture and Forestry, Lao PDR.
  2. Bassleer, G., 1997. Color guide of tropical fish diseases: on freshwater fish. Bassleer Biofish, Westmeerbeek, Belgium.
  3. Kottelat, M. and E. Widjanarti, 2005. The fishes of Danau Sentarum National Park and the Kapuas Lakes area, Kalimantan Barat, Indonesia. Raffles Bull. Zool. Supplement

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Abril/2018
Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 706 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*