Tetra Azul (Knodus borki)

 

Knodus borki (Zarske, 2008)

Foto de Axel Zarske

Nome Popular: Tetra Azul — Inglês: Blue tetra

Ordem: Characiformes — Família: Characidae (Caracídeos)

Distribuição: América do Sul, bacia Amazônica

Tamanho Adulto: 5 cm

Expectativa de Vida: 3 a 5 anos +

pH: 5.5 a 7.0 — Dureza: 5 a 12

Temperatura: 23°C a 28°C

Aquário Mínimo: 80 cm (comprimento) X 30 cm (largura) desejável — Prefere aquário com plantas formando áreas sombreadas. Mostram-se mais coloridos e ativos quando mantidos em aquário plantado com áreas abertas para natação. Pode-se adicionar raízes e folhas secas (opcional) como decoração. Apesar de seu tamanho diminuto, são peixes bastante ativos exigindo um bom espaço para natação.

Comportamento & Compatibilidade: Espécie pacífica e gregária que forma hierarquia livre, podendo ser mantido em aquário comunitário com peixes de tamanho diminuto. Será importante manter em cardume com pelo menos 10 espécimes para que mostrem seu comportamento natural e cores mais realçadas. Bastante agitado, eventualmente pode mordiscar nadadeiras de outros peixes, principalmente peixes de natação lenta ou de longas nadadeiras.

Alimentação: Onívoro. Presumivelmente se alimentam de vermes, pequenos insetos e crustáceos na natureza. Em aquário aceitará prontamente alimentos secos e vivos.

Reprodução: Ovíparo. O macho conduzirá a fêmea liberar os ovos, que serão fecundados e sua maioria irá para o fundo do substrato ou aglomerado de plantas. Eclodem em entre 24h e 48h e larvas estarão nadando livremente após 48 h. Pais não exibem cuidado parental. Sua reprodução raramente é conseguida em aquário.

Dimorfismo Sexual: Fêmeas são ligeiramente maiores e mais roliças que os machos, principalmente na região ventral. Machos adultos possuem corpo retilíneo e cores timidamente mais realçadas. Em condições de reprodução a nadadeira anal do macho costuma ficar avermelhada.

Biótopo: Ocorre em ambiente lêntico, afluentes menores e lagos de várzea.

Etimologia: Knodus do grego, knodon, – ontos = faca, espada

Sinônimos: não possui.

Informações adicionais: Endêmico do Peru, sua distribuição parece ser restrito próximo a cidade de Iquito.

A cor desta espécie pode ser tão intensa que podem presumir que seja colorido artificialmente. Por muitos anos houve confusão sobre a verdadeira identificação desta espécie. Constantemente era identificado e vendido como Boehlkea fredcochui. Os dois peixes são muito semelhantes, mas existe diferença em dua dentição

Referências:

  • Zarske, A., 2008. Knodus borki sp. N.- ein neuer Salmler aus Peru met einer ergänzenden Beschreibung von Boehlkea fredcohui Géry, 1966 (Teleostei: Characiformes; Characidae). Vertebrate Zoology

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Outubro/2018
Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 768 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*