Kinguios e plantas: sonho ou realidade?

 

kinguio00c

Autor: Rafael G. Moulin — Contribuição: Solange Nalenvajko

Também chamado de japonês e peixe dourado (goldfish), o kinguio teve sua origem na China. Os primeiros registros sobre este peixe datam do período compreendido entre as dinastias Chun (265- 419 d.C.) – quando foi descrita a coloração dourada pela primeira vez – e dinastia Tang (618-907 d.C.). Todas as variantes de kinguios que conhecemos hoje descendem de uma carpa selvagem, a carpa Gibel ou crucian carp.

Assim como as carpas, kinguios são classificados como onívoros (consomem alimentos de origem animal e vegetal) com tendência herbívora. Basicamente sua dieta é composta por alimentos de origem vegetal sendo complementada com proteína animal. Provavelmente seja daí que surgiu e ainda persiste o conceito de que não é possível manter plantas em aquário com estes peixes.

O presente artigo visa justamente desmistificar tal paradigma com dicas práticas e dessa forma propiciar a tão sonhada união entre goldfishs e plantas. De maneira objetiva podemos classificar os ataques de kinguios as plantas de duas formas:

a) ataque a folhas e caules, o que pode danificar a estrutura da planta;

b) ataque a raízes, deslocando as plantas do solo.

Mas então como é possível mantermos plantas naturais e japoneses?

1º – Se você quiser kinguios precisará de espaço! É recomendado apenas aquários acima de 200 litros! Essa dica é importante, pois quanto maior o espaço menor serão as agressões às plantas.

Variedades menores. Ranchu, bolha, celestial e pérola. O primeiro peixe deve ser colocado em um tanque de 120 a 150 litros, para cada peixe adicional considera-se mais 40 litros.

Variedades maiores. Cometas (não recomendo para aquários), orandas alongados e telescópios alongados (comuns). O primeiro peixe deve ser colocar em um tanque de 150 a 180 litros, para cada peixe adicional considera-se mais 60 a 80 litros de água.

2º – Plante antes de colocar os peixes. Kinguios são curiosos e reviram o fundo, então as plantas devem estar bem enraizadas.

3º – ‘’Forre’’ a base das plantas com rochas e/ou cascalho. Obtive bastante sucesso em manter as plantas presas utilizando cascalho grosso e pedras (dolomita) para forrar a base das plantas e dessa forma protegendo as raízes e seu consequente desprendimento do solo.

4º – Dê preferência em adquirir exemplares jovens. Peixes jovens se adaptam muito mais facilmente e agridem menos as plantas dando a elas tempo de enraizamento. Mas o fato principal é que peixes jovens se acostumam com mais facilidade com relação a  presença de plantas, o que certamente aumentará sua taxa de sucesso.

5º – Dê preferência a variedades mais lentas e menores. É possível a manutenção de qualquer variedade de kinguios com plantas, mas recomendo as menores e mais lentas, tais como pérolas, ranchus e bolhas Evite kinguios alongados como os cometas se seu objetivo é um plantado.

kinguio00a

Imagem evidenciando kinguio telescópio Red/White com corpo curto e nadadeiras pequenas (lentos), sendo altamente indicados para aquários plantados.

kinguio00d

Imagem evidenciando um kinguio da variedade ranchu (cabeça de leão). A estrutura da coluna arqueada e a presença de nadadeira caudal, barbatanas pélvicas e peitorais curtas e ausência de nadadeira dorsal resulta em peixes mais lentos. Classificam tal variedade como altamente recomendável para plantados. Foto: Transkoki Goldfish.

kinguio00b

Imagem evidenciando kinguio cometa com o corpo alongado e nadadeiras longas resultando em um peixe mais vigoroso e rápido. Apesar de ser completamente possível manter esse padrão de goldfish com plantas devemos evita-lo.

6º Não tenha medo de tentar. Um aquário nunca é igual a outro, em alguns casos até plantas macias como as elódeas sobrevivem (não é comum, mas pode acontecer). Teste sempre que possível e monitore as plantas novas.

7º Zona limpa ou neutra. Kinguios adoram revirar o fundo do aquário atrás de comida, então deixe uma área livre para respeitar tal comportamento.

kinguio00

Imagem evidenciando a zona neutra ou limpa em um plantado com kinguios. Tal região deve possuir elevada espessura com um substrato inerte de granulometria média permitindo assim que o kinguio possa ingerir alimentos dFoto: Aquarista Rafael G. Moulin.

8º – Alimentação preventiva.

Propicie uma alimentação rica e variada utilizando, preferencialmente, alimentos de origem vegetal e ricos em fibras.

Os kinguios possuem limitações digestivas. Considera-se que goldfishs não têm estômago, pois, apesar de possuírem uma seção levemente expandida anterior ao intestino, esta não possui tamanho suficiente para armazenar o alimento ingerido e também (conforme algumas leituras) não produz ácidos gástricos para digeri-lo. Há a passagem rápida do alimento por um longo intestino, onde parte é absorvida e parte (alimento não digerido) é eliminada na forma de fezes. Inclusive a rapidez desta etapa é que faz com que estes peixes procurem constantemente por comida e que seja mais saudável oferecer menores quantidades de alimento mais vezes ao dia.

Conhecendo isto entramos na segunda parte da história, que é a do “peixe sujão”. Habitualmente a base da alimentação de kinguios é composta de rações, quando não apenas delas. Rações de baixa qualidade serão menos absorvidas o que significa má nutrição, maior quantidade de excrementos e queda da qualidade da água.

Assim, a saúde do peixe e salubridade do ambiente em que vive passa também pela escolha das rações. Opte pelas de boa qualidade e específicas para kinguios. Varie tipos e inclusive marcas, não se restrinja a uma única. Observe o percentual de extrato etéreo (gorduras), alguns aquaristas recomendam que não seja superior a 5%, outros a 6,5%.

Prefira as que afundem, de tal forma que não ingiram ar junto com o alimento. Este ar (que pode ficar retido no intestino) é apontado como uma das causas de mau funcionamento da vesícula gasosa (bexiga natatória). Outra possível causa deste problema é a alimentação exclusivamente seca, pela possibilidade de formação de gases no trato gastrointestinal pela fermentação da ração. O fundo do aquário é o local adequado para os kinguios se alimentarem.

Ampliando o cardápio, podemos oferecer ainda outros alimentos:

  • Vegetais – Espinafre, brócolis, couve flor, alface, agrião, pepino, ervilha entre outros e plantas como elodea e lentilha d’água (rica em nutrientes).
  • Frutas – Laranja, banana, kiwi, mamão, melancia, estas as mais citadas.
  • Alimentos de origem animal vivos, congelados ou liofilizados – Tubifex, bloodworms, artêmias, camarões, larvas, entre outros. Ofereça esporadicamente e em pouca quantidade.
  • Patês.

Não se limite: verifique aquilo que os peixes gostam, nem todos os alimentos serão aceitos.

9º – Escolha das plantas. Escolha plantas de estrutura dura e raízes vigorosas (de preferência). Vamos a uma lista resumida das plantas, mais indicadas.

  • Anubias sp.
  • Aponogeton: capuroni, elongatus, ulvaceus.
  • Cryptocoryne: beckettii, nevillii, pontederifolia, wendtii, undulate.
  • Echinodorus: amazonicus, argentinensis, berteroi, bleheri “Amazonense”, bolivianus var. madagalensis, cordifolius, grandiflorus, horemanni, horizontalis, latifolius, macrophylus, martii “Leopoldina”, parviflorus “Tropica”, quadricostatus, uruguayensis, “African Tiger”,”Apart”,”Kleiner Bar”,”Ozelot”,”Rubin”,”Rubin Broad Leaf”,”Rubin Narrow Leaves”,”Schlueteri Leopard”, cf. “Osiris”.
  • Hygrophila: corymbosa, corymbosa”Stricta”, difformis, polysperma, palustres.
  • Ludwigia sp.
  • Microsorum pteropus.
  • Nuphar japônica.
  • Nymphaea: alba, amazonum, caerulea, jamesoniana, lotus, sp “Rubra”, sp. “Queen of Siam”.
  • Sagittaria: gramínea, platiphylla, subulata.
  • Salvinia cucullata.
  • Taxiphyllum: barbieri “Musgo de java”, sp. “Flame Moss”, sp. “Spiky Moss”.
  • Valisneria: americana, gigantea, nana, neotropicalis, spiralis.
  • Vesicularia: ferriei, montagnei.

KINGUIOS E PLANTAS? SIM, É POSSÍVEL…

kinguio00e

A associação de kinguios e plantas é perfeitamente possível e benéfica ao peixe haja vista que as plantas consomem várias substâncias melhorando a qualidade da água. O sucesso desta união depende da seleção dos peixes, plantas, forma de plantar, alimentação, estrutura do tanque e sobretudo de paciência e empenho do aquarista, entre outros fatores descritos anteriormente.

Se você sonha em ter kinguios com plantas, não tenha medo de arriscar. Informe-se, dedique-se, e verá que essa união é possível.

 

Sobre Aquarismo Paulista 91 Artigos
Visamos o fortalecimento dos amantes deste hobby, para que possamos promover a divulgação do aquarismo responsável através de nosso grupo no Facebook e site, além de promover encontros e eventos relacionados. O foco do grupo Aquarismo Paulista é abranger todas as vertentes do aquarismo e aquaristas de todos os níveis.

6 Comentário

  1. Uma pergunta,vou fazer uma tpa,tirando 30% de agua,o primer condicoonador,coloco na agua que vou completar,ou depois de completar no squario todo?

     

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*