Ciclídeo Chocolate (Hypselecara temporalis)

 
Hypselecara temporalis (Günther, 1862)

Ficha Técnica

Ordem: Perciformes — Família: Cichlidae

Nomes Comuns: Acará Chocolate/Açaí, Ciclídeo Esmeralda — Inglês: Não possui

Distribuição: América do Sul, bacia do rio Amazonas

Tamanho Adulto: 30 cm (comum 22 cm)

Expectativa de Vida: 10 anos

Comportamento: pacífico

pH: 5.0 a 7.5 — Dureza: 0

Temperatura: 24°C a 30°C

Distribuição e habitat

Distribuído na bacia bacia do rio Amazonas, nas drenagens do rio Ucayali e Amazonas no Peru, drenagem do rio Amazonas na Colômbia, rio Solimões-Amazonas no Brasil, leste de Cametá, também nos rios do estado do Amapá e bacia do Rio Oiapoque no Brasil.

No Brasil é encontrado nos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Pará e Rondônia.

Ocorre em ambiente lêntico de águas turvas em áreas florestais.

Descrição

Se a localidade de coleta do peixe é conhecida, a identificação da espécie é fácil, pois a distribuição dos dois parece não se sobrepor na natureza. Se isso não for possível, as características físicas diferenciadas incluem a forma do corpo. H. coryphaenoides é um peixe mais alongado do que o H. temporalis que apresenta corpo bastante atarracado.

Há também diferenças na coloração, embora sejam meios menos confiáveis ​​de identificação, pois podem variar dependendo da região de ocorrência e também do seu humor.

Como regra geral, a mancha escura presente nos flancos do peixe ocorre sobre e acima da linha lateral (geralmente se estendendo até a nadadeira dorsal) em H. coryphaenoides, enquanto que em H. temporalis normalmente sobre e abaixo da linha lateral. H. coryphaenoides também tende a ter uma coloração geral mais escura que o seu parente.

Criação em Aquário

Aquário com dimensões mínimas de 100 cm de comprimento e 40 cm de largura desejável.

A decoração do aquário se faz um tanto indiferente para a espécie, porém se quiser aproximar de seu biótopo utilize substrato macio e arenoso, assim como bastante raízes e folhas secas dispostos ao longo de todo aquário.

Alternativamente, também pode ser mantido em aquário com plantas, embora tenha tendência a cavar o substrato em época de reprodução.

Comportamento

Apesar de seu porte grande, é um ciclídeo surpreendente pacífico, exceto em época de reprodução.

É uma espécie tranquila, majestosa e pacífica para o seu tamanho, pode ter companhia de outras espécies de médio ou grande porte. 

Desde que haja espaço suficiente disponível, ele pode ser mantido com outros ciclídeos pacíficos que exigem condições de água semelhantes, como Satanoperca, Geophagus, Uaru e Heros. Tetras e peixes de fundo, de porte menor, desde que não sejam pequenos o suficiente a ponto de serem comidos, podem ser mantidos juntamente.

Reprodução

Ovíparo. Formado o casal, estes cavam o substrato delimitando uma pequena área. Neste período o macho pode desenvolver uma pequena protuberância nucal. Os ovos são liberados em superfícies planas de folhas, pedras ou raízes. Não raramente também desovam nas depressões feitas propositalmente no substrato.

A desova ocorre de forma semelhante a muitos outros ciclídeos, com a fêmea colocando uma linha de ovos antes de se afastar, permitindo que o macho tome o seu lugar e os fertilize. Os ovos eclodem em cerca de 48 horas, e durante este período o macho defenderá o local de desova enquanto a fêmea tenderá a cuidar dos ovos, podendo haver revezamento nas funções. Durante este período o casal costuma cavar uma série de depressões superficiais no substrato ao redor do local de desova.

Uma vez que os ovos tenham eclodido, toda a cria é movida para um desses buracos escavados ou outra área abrigada por ambos os pais. A natação livre das larvas ocorre em normalmente cinco a seis dias. O cuidado da ninhada pelos pais geralmente continua por mais 3 a 4 semanas.

Dimorfismo Sexual

Os machos maduros têm uma protuberância nucal bem desenvolvida e são ligeiramente maiores, além de possuírem nadadeira dorsal e anal mais alongadas e pontiagudas.

Mudam de tonalidade conforme o estado de espírito e neste contexto os machos, normalmente, são ainda mais escuros do que as fêmeas.

Alimentação

Onívoro. Em seu ambiente natural se alimenta de uma variedade enorme de invertebrados e algas. 

Em aquário aceitará prontamente alimentos vivos e secos. Deve-se fornecer regularmente alimentos de origem vegetal como ervilhas, spirulina, entre outros.

Não alimente nada que contenha quantidades muito altas de proteínas, como carne de boi ou outras carnes vermelhas. As gorduras contidas nestas carnes não podem ser adequadamente metabolizadas pelos peixes e podem causar depósitos excessivos de gordura corporal e até degeneração de órgãos.

Etimologia: Hypselecara, do grego hypselos = alto + tupí guaraní acará = nome comum de inúmeros ciclídeos.

Sinônimos: Heros temporalis, Cichlasoma temporale, Acara crassa, Cichlasoma crassum, Heros goeldii, Cichlasoma hellabrunni

Referências

  1. Axelrod, H.R., W.E. Burgess, N. Pronek and J.G. Walls, 1991. Dr. Axelrod’s Atlas of freshwater aquarium fishes. Sixth edition. T.F.H. Publications, Neptune City, New Jersey.
  2. Barriga, R., 1991. Peces de agua dulce del Ecuador. Revista de Informacion tecnico-cientifica, Quito, Ecuador, Politecnica, XVI(3):7-88.
  3. Kullander, S.O., 2003. Cichlidae (Cichlids). p. 605-654. In R.E. Reis, S.O. Kullander and C.J. Ferraris, Jr. (eds.) Checklist of the Freshwater Fishes of South and Central America. Porto Alegre: EDIPUCRS, Brasil.
  4. Robins, C.R., R.M. Bailey, C.E. Bond, J.R. Brooker, E.A. Lachner, R.N. Lea and W.B. Scott, 1991. World fishes important to North Americans. Exclusive of species from the continental waters of the United States and Canada. Am. Fish. Soc. Spec. Publ. (21):243 p.
  5. Soares, M.G.M., R.G. Almeida and W.T. Tunk, 1986. The trophic status of the fish fauna in Lago Camaleao, a macrophyte dominated floodplain lake in the middle Amazon. Amazoniana 9(4):511-526.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Maio/2018
Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 769 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*