Tetra Limão Rosa (Hyphessobrycon itaparicensis)

 

Hyphessobrycon itaparicensis (Lima & Costa, 2001)

Nome Popular: Tetra Limão Rosa — Inglês: Tetra Pink Memon

Ordem: Characiformes  — Família: Characidae (Caracídeos)

Distribuição: América do Sul, endêmico de riachos costeiros do leste do Brasil

Tamanho Adulto: 4 cm

Expectativa de Vida: 5 anos

pH: 6.0 a 7.6

Temperatura: 22°C a 28°C

Aquário Mínimo: 40 cm comprimento X 25 cm largura — preferem aquário com bastante plantas formando zonas sombrias. A decoração do aquário não é crítica para a espécie, mas se mostram mais coloridos quando mantidos em aquário densamente plantado. Pode-se adicionar raízes e folhas secas (opcional).

Comportamento & Compatibilidade: Espécie gregária e pacífica, mas que pode mordiscar peixes de nadadeiras longas ou natação lenta. Este comportamento fica mais acentuado quando são mantidos em pouco espaço ou em pequeno grupo. Deve ser criado em pelo menos 6 ou mais indivíduos. Quando mantidos em bom espaço e numeroso cardume costumam importunar somente indivíduos da mesma espécie, disputando a hierarquia do grupo e a atenção de fêmeas.

Alimentação: Onívoro. Alimenta-se de vermes, crustáceos, insetos e secundariamente plantas. Em cativeiro aceitará prontamente alimentos secos e vivos.

Reprodução: Ovíparo. O macho conduzirá a fêmea liberar os ovos que serão fecundados e sua maioria irá para o fundo. Eclodem em até três dias e larvas estarão nadando livremente em até 48h. Pais não exibem cuidado parental.

Dimorfismo Sexual: Fêmeas são ligeiramente maiores e seu corpo em forma roliça, enquanto macho tem forma retilínea.

Biótopo: Ocorre em águas calmas, com bastante vegetação emergente, onde gostam de se esconder.

Etimologia: —

Sinônimos: Hyphessobrycon sergipanus, Hyphessobrycon ellisae

Informações adicionais: Seu padrão de cores pode variar de acordo com a região. Espécimes oriundos de águas claras geralmente apresentam coloração rosa amarelada, incluindo coloração amarelada próximo de suas maxilas, nadadeiras e parte superior da cabeça. Podem apresentar uma faixa longitudinal marrom avermelhada, iniciando na parte posterior da macha umeral ou no meio do corpo até o pedúnculo caudal.

Espécimes que vivem em águas escuras podem ser mais coloridos, sem mancha umeral ou áreas claras ao redor. Normalmente apresentam coloração prateada em seus flancos e uma faixa longitudinal escura (variável). Possuem pigmentação amarela ou alaranjada nas escamas e na metade anterior do corpo, além de nadadeiras amarelas a alaranjadas.

Espécime fêmea - Foto de Peter and Martin Hoffmann

Espécime macho - Foto de Peter and Martin Hoffmann

Referências:

  • Romero, P., 2002. An etymological dictionary of taxonomy. Madrid, unpublished.
  • Lima, F.C.T., L.R. Malabarba, P.A. Buckup, J.F. Pezzi da Silva, R.P. Vari, A. Harold, R. Benine, O.T. Oyakawa, C.S. Pavanelli, N.A. Menezes, C.A.S. Lucena, M.C.S.L. Malabarba, Z.M.S. Lucena, R.E. Reis, F. Langeani, C. Moreira et al. …, 2003. Genera Incertae Sedis in Characidae. p. 106-168. In R.E. Reis, S.O. Kullander and C.J. Ferraris, Jr. (eds.) Checklist of the Freshwater Fishes of South and Central America. Porto Alegre: EDIPUCRS, Brasil.
  • New records and distribution extension of Hyphessobrycon itaparicensis Lima & Costa, 2001 (Characiformes: Characidae) in coastal drainages of Sergipe state, northeastern Brazil
  • Redescription of Hyphessobrycon itaparicensis, a senior synonym of H. sergipanus (Characiformes: Characidae) – Angela M. ZanataPriscila CamelierFernando R. CarvalhoSergio M. Q. Lima

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Fevereiro/2023
Colaboradores (collaboration): —

Sobre Edson Rechi 848 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*