Tetra Calypso (Hyphessobrycon axelrodi)

 

Hyphessobrycon axelrodi2

Nome Popular: Tetra Calypso — Inglês: Calypso tetra

Ordem: Characiformes — Família: Characidae

Distribuição: América Central, Trinidad. Encontrado no rio Moruka em Santa Rosa, mas sua distribuição pode ser mais ampla.

Comportamento: Pacífico e gregário

Tamanho Adulto: 3 cm (comum: 2 cm)

Expectativa de Vida: 4 anos +

pH: 5.0 a 6.0

Dureza: 1 a 5

Temperatura: 22°C a 28°C

Aquário Mínimo: 40 cm X 30 cm X 30 cm (36L)

Alimentação: Onívoro, aceitará prontamente alimentos secos e vivos.

Reprodução: Ovíparo, disseminador livre. Pais não cuidam da progênie.

Dimorfismo Sexual: Machos são mais coloridos e menores do que as fêmeas, além de apresentarem  corpo em forma retilínea. Fêmeas são ligeiramente maiores e apresentam corpo de forma roliça.

Biótopo: Encontrado em águas límpidas a ligeiramente turva, normalmente em ambiente lêntico e em baixas altitudes. Ocorre com frequência em água salobra.

Informações adicionais: Este Tetra Anão alcança no máximo cerca de 3 cm, sendo ideal para aquário de pequeno porte. Aprecia presença de plantas no aquário, podendo ser mantido em aquário plantado. Raro no aquarismo, a maior parte dos espécimes disponíveis provém de coleta e são exportados para a Ásia e Europa. Há relatos de sua reprodução na Alemanha, mas não confirmado oficialmente.

Inicialmente foi enquadrado dentro do gênero Aphyocharax, em 1992 Taphorn determina a espécie como Megalamphodus cf. axelrodi. Em 1997, Weitzman e Palmer extingue o gênero Megalamphodus e a espécie foi inserida dentro do gênero atual (Hyphessobrycon). Atualmente Megalamphodus novamente é considerado um gênero válido para a maior parte dos cientistas, mas a espécie permanece dentro do gênero atual podendo sofrer alterações. Apesar desta confusão taxonômica, é uma espécie atraente e relativamente fácil de manter em aquário.

Hyphessobrycon axelrodi

Referências:

  1. Lima, F.C.T., L.R. Malabarba, P.A. Buckup, J.F. Pezzi da Silva, R.P. Vari, A. Harold, R. Benine, O.T. Oyakawa, C.S. Pavanelli, N.A. Menezes, C.A.S. Lucena, M.C.S.L. Malabarba, Z.M.S. Lucena, R.E. Reis, F. Langeani, C. Moreira et al. …, 2003. Genera Incertae Sedis in Characidae. p. 106-168. In R.E. Reis, S.O. Kullander and C.J. Ferraris, Jr. (eds.) Checklist of the Freshwater Fishes of South and Central America. Porto Alegre: EDIPUCRS, Brasil.
  2. FAO-FIES, 2014. Aquatic Sciences and Fisheries Information System (ASFIS) species list. Retrieved from http://www.fao.org/fishery/collection/asfis/en, April 2014.
  3. Baensch, H.A. and R. Riehl, 1995. Aquarien Atlas. Band 4. Mergus Verlag GmbH, Verlag für Natur-und Heimtierkunde, Melle, Germany. 864 p.
  4. Weitzman, S.H. and L. Palmer, 1997. A new species of Hyphessobrycon (Teleostei: Characidae) from Neblina region of Venezuela and Brazil, with comments on the putative ‘rosy tetra clade’. Ichthyol. Explor. Freshwat.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Junho/2015
Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 769 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*