Piaba (Heterocharax leptogrammus)

 

Heterocharax leptogrammus (Toledo-Piza, 2000)

Foto de Peter and Martin Hoffmann (c)

Nome Popular: Piaba — Inglês: não possui

Ordem: Characiformes  — Família: Acestrorhynchidae

Distribuição: América do Sul; Rio Negro e porção superior da bacia do Rio Orinoco. Brasil, Colômbia e Venezuela.

Tamanho Adulto: 3,5 cm

Expectativa de Vida: 5 anos +

pH: 5.0 a 6.0 — Dureza: —

Temperatura: 24°C a 28°C

Posição no aquário: Fundo / Meio

Nível de dificuldade: Fácil

Este peixe é bastante raro no aquarismo. Embora seja considerado um Tetra, possui relação mais próxima das barracudas de água doce da família Acestrorhynchus, o que é claramente visível pela estrutura das presas e dentes.

No Brasil ocorre no rio Negro. A localidade tipo é próximo à foz do rio Arirará no Amazonas.

Aquário Mínimo: 60 cm comprimento X 30 cm largura — se mostram mais coloridos quando mantidos em aquário densamente plantado. Pode-se adicionar raízes e folhas secas (opcional). Substrato arenoso e escuro realça ainda mais suas cores.

Comportamento & Compatibilidade: Espécie de comportamento pacífico podendo ser mantido em aquário comunitário com peixes de mesmo porte. De comportamento gregário, será importante manter em numeroso cardume para que mostrem seu comportamento natural e cores realçadas. Eventualmente pode mordiscar peixes de nadadeiras longas ou natação lenta, principalmente se confinados espaço pequeno ou aquário com pouco adornos que quebrem sua linha de visão.

Alimentação: Insetívora e necrófaga. Em aquário aceitará sem dificuldades alimentos secos e vivos.

Reprodução: Ovíparo. Desconhecido em aquário, presumivelmente similar a demais pequenos caracídeos com desovas livres em meio a aglomerado de plantas ou substrato, não ocorrendo cuidado parental.

Dimorfismo Sexual: Machos são ligeiramente menores e possuem corpo retilíneo, enquanto fêmeas corpo de forma mais roliça. Machos adultos são mais coloridos.

Biótopo: Encontrado em águas ácidas com maciça presença de troncos e plantas aquáticas.

Etimologia: Não disponível.

Sinônimos: Não possui.

Referências:

  • Lucena, C.A.S. and N.A. Menezes, 2003. Subfamily Characinae (Characins, tetras). p. 200-208. In R.E. Reis, S.O. Kullander and C.J. Ferraris, Jr. (eds.) Checklist of the Freshwater Fishes of South and Central America. Porto Alegre: EDIPUCRS, Brasil.
  • Toledo-Piza, M., 2000. Two new Heterocharax species (Teleostei: Ostariophysi: Characidae), with a redescription of H. macrolepis. Ichthyol. Explor. Freshwat.
  • RAGAZZO, MONICA DE TOLEDO PIZA – IB – Two new Heterocharax species (Teleostei: Ostariophysi: Characidae), with a redescription of H. macrolepis (2000)
  • BIOTA COLOMBIANA – ISSN 0124-5376 Instituto de Ciencias Naturales – Volumen 7 – Número 1, Junio de 2006

Publicado em Maio/2024

Sobre Edson Rechi 867 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*