Moreia de água doce (Gymnothorax polyuranodon)

 
Gymnothorax polyuranodon (Bleeker, 1854)

Ficha Técnica

Ordem: Anguilliformes — Família: Muraenidae (Muraenídeos)

Nomes Comuns: Moreia de água doce — Inglês: Freshwater moray

Distribuição: Indo-Pacífico

Tamanho Adulto: 150 cm (comum: 90 cm)

Expectativa de Vida: 20 anos +

Comportamento: pacífico, predador

pH: 6.0 a 8.0 — Dureza: indiferente

Temperatura: 24°C a 28°C

Distribuição e habitat

Sua distribuição ocorre no Indo-Pacífico, na Austrália, Sri Lanka, Indonésia, Bornéu, Nova Guiné, Filipinas e Fiji.

Encontrado principalmente em água doce, tanto em ambiente lêntico como lótico. Ocorre também em ambiente estuarino (água salobra) e marinho, embora seja encontrado com maior frequência em águas continentais.

Descrição

A Moreia de água doce pode ser facilmente reconhecida pela sua cor e habitat. Apresenta coloração amarela com manchas escuras em praticamente todo corpo. O focinho e maxilar inferior dos adultos são pálidos.

É umas das poucas espécies de Moreias verdadeiras que frequentam água doce.

Criação em Aquário

Aquário com dimensões mínimas de 200 cm de comprimento e 60 cm de largura desejável.

A decoração do aquário irá depender do tipo de ambiente que irá manter para o peixe. Pode-se utilizar substrato arenoso com rochas formando refúgios.

Comportamento

Embora apresente comportamento pacífico, é um predador por excelência e irá comer qualquer peixe que caiba em sua boca.

Reprodução

Ovíparo. Sua reprodução, assim como sua ecologia demanda de mais estudos.

Dimorfismo Sexual

Desconhecido

Alimentação

Carnívoro. Em seu ambiente natural de alimenta de peixes e invertebrados. Em aquário dificilmente aceitará alimentos secos, devendo ser fornecido alimentos vivos e congelados.

Etimologia: Gymnothorax; Grego, gymnos = nu + grego, tórax, –akos = peito.

SinônimosMuraena blematigrina, Muraena polyuranodon, Lycodontis polyuranodon, Polyuranodon kuhlii, Polyuranodon kuhli e Uropterygius fijiensis.

Referências

  1. Kottelat, M., A.J. Whitten, S.N. Kartikasari and S. Wirjoatmodjo, 1993. Freshwater fishes of Western Indonesia and Sulawesi. Periplus Editions, Hong Kong. 221 p.
  2. Allen, G.R., S.H. Midgley and M. Allen, 2002. Field guide to the freshwater fishes of Australia. Western Australian Museum, Perth, Western Australia. 394 p.
  3. Department of Fisheries Malaysia, 2009. Valid local name of Malaysian marine fishes. Department of Fisheries Malaysia. Ministry of Agriculture and Agro-based Industry. 180 p.
  4. Lewis, A.D. and C.K. Pring, 1986. Freshwater and brackishwater fish and fisheries of Fiji. p. 38-59. In T. Petr (ed.) Reports and papers presented at the Indo-Pacific Fishery Commission Expert Consultation on inland fisheries of the larger Indo-Pacific islands. Bangkok, Thailand, 4-6 August 1986. FAO Fish. Rep. (371) Suppl.:258 p.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Janeiro/2017
Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 769 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*