Carpa (Cyprinus carpio)

 
Cyprinus carpio (Linnaeus, 1758)

Ficha Técnica

Ordem: Cypriniformes — Família: Cyprinidae (Ciprinídeos)

Nomes Comuns: Carpa — Inglês: Common carp

Distribuição: Europa até Ásia

Tamanho Adulto: 120 cm (comum: 50 cm)

Expectativa de Vida: 20 anos +

Comportamento: pacífico, gregário

pH: 7.0 a 7.6 — Dureza: 10 a 15

Temperatura: 10°C a 28°C

Distribuição e habitat

Populações selvagens naturalmente ocorrem desde Europa até a Ásia nas bacias do Mar Negro, Mar Cáspio e do Mar de Aral. Presume-se que uma população selvagem reófila no Danúbio seja a origem das espécies europeias.

Introduzido em inúmeros países com relatos de impactos ambientais negativos.

Adultos habitam águas profundas de fluxo lento como rios de planície e lagos grande, com ampla presença de vegetação.

Descrição

Corpo apresenta escamas cicloides grandes podendo revestir todo seu corpo ou apenas alguns aglomerados em certos pontos, dependendo da variedade. Possui um corpo bastante arqueado no dorso e mais retilíneo na região ventral. Possui uma boca pequena, repleta de barbilhões curtos, ao invés de dentes.

Populações selvagens enfrentam risco de extinção, é muito difundida como peixe ornamental principalmente para criação em lago externo. Seu nome comum “Carpa” originou-se do alemão Karpfen, através do latim carpa.

Existem variedades domésticas coloridas conhecidas como Nishikigoi. Este termo é utilizado para designar as Carpas coloridas criadas para fins ornamentais. Os belos exemplares deste peixe parecem vestir roupa de brocado, daí a origem de seu nome, composto por Nishiki (brocado) e Goi (Carpa).

Os primeiros Nishikigoi surgiram nas montanhas do Japão há cerca de 180 anos, a partir de algumas mutações das Carpas comuns criadas para alimentação.

As carpas ornamentais, coloridas ou estampadas, surgiram por mutação genética espontânea das carpas comuns, na região de Niigata, no Japão, aperfeiçoando suas características, chegando a obter três tipos híbridos: o Higoi (carpa vermelha), o Asagui (carpa azul e vermelha) e o Bekko (branca e preta).

Estes exemplares começaram a passar por cruzamentos e melhoramento genético até a definição dos magníficos padrões hoje estabelecidos.

Os Nishikigoi fazem parte da cultura japonesa, onde, além da esplêndida beleza, são admirados por seu corpo imponente, cores brilhantes e nado gracioso. Os orientais acreditam que eles trazem sorte e bons fluídos.

Na China é considerado um animal honrado. Ao ser capturado é um dos poucos peixes que não se debatem. Devido a sua característica de também ser um animal forte, que nada contra a correnteza, ela é o símbolo principal da honra Chinesa.

Muitas espécies participam de exposições durante toda a sua vida. No Brasil, a Associação Brasileira de Nishikigoi (ABN), fundada em 1978, reúne criadores, expositores e aquariofilistas, que anualmente realizam exposições em diversas regiões do nosso país.

Criação em Aquário

Devido suas características e porte não é recomendado para aquários domésticos, sendo ideal para tanque externo.

De comportamento pacífico e gregário, deve ser mantido em com inúmeros indivíduos. Outros peixes podem conviver nos lagos de jardim, desde que sejam resistentes às baixas temperaturas, quando em regiões de inverno rigoroso. Também devem ser peixes pacíficos, para não ocorrer agressividade entre os habitantes.

Comportamento

Apresenta comportamento pacífico e gregário, dispensando a maior parte de seu tempo a procura de alimentos.

De comportamento extremamente dócil, acostuma-se com as pessoas e facilmente deixam-se acariciar e aprendem a comer na mão do tratador.

Reprodução

Ovíparo. Desova ao longo de costas ou remansos. Os adultos costumam empreender uma migração considerável em época de reprodução para remansos ou formações inundadas. As larvas sobrevivem somente em água morna entre a vegetação submersa rasa. A poluição dos rios e a hibridização com populações domesticadas, os congêneres do Leste Asiático e os seus híbridos provocaram um declínio contínuo das populações selvagens.

Dimorfismo Sexual

Os machos diferenciam-se das fêmeas pela grande nadadeira ventral.

Alimentação

Tanto os adultos como os juvenis se alimentam de uma variedade de organismos bentônicos e material vegetal.

Alimenta-se de pequenos vermes, animais, plantas e matéria orgânica encontrados no fundo da areia ou lama, ou seja, come de tudo.

São predadores de larvas e ovos de peixes nativos, podendo interferir na diversidade da fauna nativa. Além disso, é um peixe que destrói a vegetação, o que aumenta a turbidez da água.

Etimologia: Cyprinus; cyprinus (latim) = carpa. Carpio; é a forma latinizada de carpa.

Sinônimos: Cyprinus mahuensis, Cyprinus carpio fluviatilis, Cyprinus carpio anatolicus, Cyprinus carpio oblongus, Cyprinus carpio monstrosus, Cyprinus bithynicus, Cyprinus chinensis, Carpio vulgaris, Cyprinus conirostris, Cyprinus melanotus, Cyprinus elatus, Cyprinus specularis, Cyprinus specularis, Cyprinus carpio carpio

Referências

  1. Kottelat, M. and J. Freyhof, 1972. Handbook of European freshwater fishes. Publications Kottelat, Cornol and Freyhof, Berlin. 646 pp. (Ref. 59043)
  2. Balon, E.K., 1990. Epigenesis of an epigeneticist: the development of some alternative concepts on the early ontogeny and evolution of fishes. Guelph Ichthyol. Rev. 1:1-48.
  3. Alikunhi, K.H., 1966. Synopsis of biological data on common carp Cyprinus carpio (Linnaeus), 1758 (Asia and the Far East). FAO Fish. Synop. 31(2):39p.
  4. Pethiyagoda, R., 1991. Freshwater fishes of Sri Lanka. The Wildlife Heritage Trust of Sri Lanka, Colombo. 362 p.
  5. Frimodt, C., 1995. Multilingual illustrated guide to the world’s commercial warmwater fish. Fishing News Books, Osney Mead, Oxford, England. 215 p.
  6. Scott, W.B. and E.J. Crossman, 1973. Freshwater fishes of Canada. Bull. Fish. Res. Board Can. 184:1-966.
  7. Murdy, E.O., R.S. Birdsong and J.A. Musick, 1997. Fishes of Chesapeake Bay. Smithsonian Institution Press Washington and London. 324 p.
  8. Carpas comuns e carpas coloridas (Nishikigois) – Centro de Produções Técnicas (CPT)

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Abril/2017
Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 756 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

6 Comentário

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*