Carpa Capim (Ctenopharyngodon idella)

Ctenopharyngodon idella (Valenciennes, 1844)

Ficha Técnica

Ordem: Cypriniformes — Família: Cyprinidae (Ciprinídeos)

Nomes Comuns: Carpa Capim — Inglês: Grass carp

Distribuição: Ásia, desde China até Sibéria Oriental

Tamanho Adulto: 80 cm (comum: 60 cm)

Expectativa de Vida: 10 a 20 anos

Comportamento: pacífico, gregário

pH: 7.0 a 8.0 — Dureza: indiferente

Temperatura: 10°C a 28°C

Distribuição e habitat

Distribuído na China até a Sibéria oriental (sistema do rio Amur). Introduzido em inúmeros países, sendo relatado impactos ecológicos adversos após sua introdução.

Adultos ocorrem em lagos, lagoas, piscinas e remansos de grandes rios, preferindo corpos de água grandes, de fluxo lento e com densa vegetação.

Tolerante de uma ampla gama de temperaturas de 0° a 38°C, salinidades de até 10 ppt e níveis de oxigênio até 0,5 ppm.

Descrição

A carpa de capim é a espécie de peixe com a maior produção reportada na aquacultura global, com mais de cinco milhões de toneladas por ano.

É cultivado na China para fins alimentares, sendo introduzido na Europa e nos Estados Unidos para o controle aquático de ervas daninhas. É um peixe com um amplo grau de tolerância à temperatura e condições variadas de água.

Além da tolerância a diversos parâmetros de água, apresenta crescimento bastante rápido. Razão pelo qual se torna extremamente popular na aquicultura. Seu comprimento médio é de cerca de 60 a 100 cm com relatos de espécimes tendo atingido cerca de 150 cm.

Foi introduzida em muitos países. No hemisfério Norte, os países e territórios de introdução incluem Taiwan, Israel, Japão, Filipinas, Estados Unidos, México, Índia, Malásia, Holanda, Suíça, Tchecoslováquia , Jugoslávia , Dinamarca , Suécia, Romênia, Polônia, Itália, Oeste da Alemanha, França e Reino Unido. No hemisfério sul, eles foram introduzidos na Argentina, Brasil, Venezuela, Fiji, Nova Zelândia, Austrália e África do Sul.

No Brasil vivem em rios e represas sendo encontrados principalmente nas regiões sul e sudeste.

Criação em Aquário

Devido suas características e porte quando adulto, o ideal é criá-los em lago.

Comportamento

Apresenta comportamento pacífico e gregário, dispensando a maior parte de seu tempo a procura de alimentos.

Reprodução

Ovíparo. Na natureza desova em rios lóticos, e seus ovos, que são ligeiramente mais pesados ​​que a água, desenvolvem-se enquanto derivam rio abaixo, mantidos em suspensão por turbulência.

Em cativeiro pode ser submetida à indução artificial realizada em laboratório a partir dos três anos de idade, quando atinge a maturidade sexual.

Dimorfismo Sexual

Não apresentam dimorfismo sexual aparente.

Alimentação

Onívoro (essencialmente herbívoro). Os adultos da espécie se alimentam principalmente de plantas aquáticas, mas podem comer detritos, insetos e outros invertebrados secundariamente.

Possui dentes faríngeos em forma de pente. A alta capacidade para digerir alimentos é facilitada pelo seu extenso tubo digestivo, que atinge de duas a três vezes o tamanho do corpo. Seu consumo diário que pode atingir de 30% até 90% do seu peso corporal.

Por se alimentar principalmente de plantas, em muitos países, principalmente europeus, é empregado na manutenção de canais de irrigação e reservatórios. O auxílio do peixe tem potencial para reduzir pela metade os custos da limpeza de plantas aquáticas invasoras em comparação à adoção de produtos químicos, como os herbicidas. Mas a prática exige análise e planejamento, pois há também casos em que a introdução do peixe tornou-se uma praga, prejudicando o desenvolvimento da vegetação natural local.

Etimologia: Ctenopharyngodon; do grego kteis, ktenos + grego pharyngx = faringe + odous (grego) = dentes. Em referência a seus dentes faríngeos.

Idella; presumivelmente derivado do grego idios = distintivo ou peculiar.

Sinônimos: Leuciscus idella, Ctenopharingodon idellus, Ctenopharyngodon idellus, Leuciscus tschiliensis, Ctenopharyngodon laticeps, Sarcocheilichthys teretiusculus, Pristiodon siemionovii

Referências

  1. Shireman, J.V. and C.R. Smith, 1983. Synopsis of biological data on the grass carp, Ctenopharyngodon idella (Cuvier and Valenciennes, 1884). FAO Fish. Synop. No.135, 86 p.
  2. AFMAFEWM (Austrian Federal Ministry of Agriculture, Forestry, Environment and Water Management), 2011. Checklist of species in Austria. Federal Office for Water Management, Institute of Waters Ecology, Fisheries and Lake Research.
  3. Amori, G., F.M. Angelici, S. Frugis, G. Gandolfi, R. Groppali, B. Lanza, G. Relini and G. Vicini, 1993. Vertebrata. In A. Minelli, S. Ruffo and S. La Posta (eds.) Checklist delle specie della fauna Italiana, 110. Calderini, Bologna, 83 p.
  4. Anderson, I.G. and F. Shaharom-Harrison, 1986. Sanguinicola armata infection in bighead carp (Aristichthys nobilis) and grass carp (Ctenopharyngodon idella) imported in Malaysia. p. 247-250. In J.L. Maclean, L.B. Dizon and L.V. Hosillos (eds.) The first Asian Fisheries Forum. Asian Fisheries Society, Manila, Philippines.
  5. Bogutskaya, N.G. and A.M. Naseka, 2002. An overview of nonindigenous fishes in inland waters of Russia. Proc. Zool. Inst. Russ. Acad. Sci. 296:21-30.
  6. Contreras-Balderas, S. and M.A. Escalante-C., 1984. Distribution and known impacts of exotic fishes in Mexico. p. 102-130. In W.R. Courtenay, Jr. and J.R. Stauffer, Jr. (eds.) Distribution, biology and management of exotic fishes. Johns Hopkins University Press, Baltimore, USA.
  7. Zan, R., Z. Song and W. Liu, 1986. Studies on karyotypes and nuclear DNA contents of some cyprinoid fishes, with notes on fish polyploids in China. p. 877-885. In T. Uyeno, R. Arai, T. Taniuchi, and K. Matsuura (eds), Indo Pacific fish biology: Proceedings of the Second International Conference on Indo-Pacific Fishes, conducted at the Tokyo National Museum Ueno park, Tokyo, July 29 – August 3, 1985. Ichthyological Society of Jaan, Tokyo. 985 p.
  8. Zaniboni Filho, E., S. Meurer, O.A. Shibatta and A.P. de Oliverira Nuñer, 2004. Catálogo ilustrado de peixes do alto Rio Uruguai. Floriano?polis : Editora da UFSC : Tractebel Energia. 128 p. :col. ill., col. maps ; 25 cm.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Abril/2017
Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 734 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*