Tennessee dace (Chrosomus tennesseensis)

Chrosomus tennesseensis (Starnes & Jenkins, 1988)

Nome comum: Tennessee dace

Ordem: Cypriniformes — Família: Cyprinidae (Ciprinídeos)

Origem: América do Norte

Tamanho Adulto: 7 cm (comum: 5 cm)

Expectativa de Vida: 3 anos

Comportamento: Pacífico, gregário

Aquário Mínimo: 100 cm X 40 cm X 50 cm (200 L)

Temperatura: 16°C a 26°C

pH: 6.5 a 7.5 – Dureza: 5 a 15

Visão Geral

Sua distribuição ocorre no superior do rio Tennessee na Virgínia e Tennessee (EUA).

Ocorrem em pequenos córregos de águas claras com fluxo lento. Encontrados próximo ao fundo rochoso em áreas onde possam se esconder entre a vegetação ou rochas. 

Quando se sentem ameaçados por predadores, se unem formando numeroso cardume. Desta forma aumenta a possibilidade de sobrevivência. Interagem socialmente lançando um alarme químico na água que adverte outros indivíduos de potenciais ameaças, sinalizando para que se juntem para proteção.

Por serem pequenos e vulneráveis, permanecem escondidos e evitam áreas abertas. Eles também são bastante utilizados ​​por pescadores como isca.

Chrosomus tennesseensis é semelhante a C. oreas, mas pode ser distinguido por ter manchas menores (menores do que a pupila do olho) nas costas e parte superior, geralmente uma faixa preta fina em sua lateral e vermelho na nadadeira caudal abaixo listra.

Aquário & Comportamento

Embora não atinjam um tamanho grande, deve-se manter em aquário de pelo menos 100 cm de comprimento, uma vez que são excelentes nadadores exigindo bastante espaço horizontal para nadarem. A decoração deverá ser preferencialmente composto por substrato rochoso e pedras maiores formando refúgios.

De comportamento pacífico, devendo ser mantido pelo menos 10 indivíduos. Toleram uma grande amplitude térmica sendo uma excelente opção para aquário com peixes de água fria.

Reprodução & Dimorfismo Sexual

Ovíparo. Antes do acasalamento os machos sexualmente maduros ficam mais coloridos. Esta coloração destacada ajuda a atrair fêmeas. Uma vez que uma única fêmea pode acasalar com vários machos, quanto mais colorido este for maiores suas chances de se reproduzir.

O ritual de reprodução é similar a das carpas e kinguios, machos múltiplos pressionam as fêmeas para que liberem os ovos para serem fertilizados em seguida. Os machos possuem pequenas protuberâncias em suas nadadeiras anais e peitorais que são utilizados durante a reprodução para estimular a fêmea liberar seus ovos. Cerca de 200 a 6000 ovos são liberados parceladamente durante o ritual, que pode ser repetido por inúmeras vezes. Não ocorre cuidado parental.

O dimorfismo sexual é bem evidente com macho sendo mais colorido e corpo de forma retilínea. Fêmeas maduras possuem corpo mais roliço.

Alimentação

Em seu ambiente natural alimenta-se de algas, detritos e pequenos invertebrados. Em cativeiro aceitará alimentos secos e vivos, devendo ser fornecido alimentos de origem vegetal regularmente.

Etimologia:

Chrosomus que significa cor. Erythrogaster; Das palavras erythro, que significa vermelho; gáster que significa sino.

tennesseensis; do Tennessee referindo-se ao rio onde é encontrado.

Referências:

  1. Page, L.M. and B.M. Burr, 2011. A field guide to freshwater fishes of North America north of Mexico. Boston : Houghton Mifflin Harcourt,
  2. Hilton-Taylor, C., 2000. 2000 IUCN red list of threatened species. IUCN, Gland, Switzerland and Cambridge, UK. xviii + 61 p. (with 1 CD-ROM).
  3. Nelson, J.S., E.J. Crossman, H. Espinosa-Pérez, L.T. Findley, C.R. Gilbert, R.N. Lea and J.D. Williams, 2004. Common and scientific names of fishes from the United States, Canada, and Mexico. American Fisheries Society, Special Publication 29, Bethesda, Maryland.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Dezembro/2016
Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 638 Artigos

Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*