Bagrinho (Parastegophilus paulensis)

Paravandellia oxyptera (Miranda Ribeiro, 1912)
Espécime de 3.4 cm na Cachoeira de Emas, Pirassununga, São Paulo

Ficha Técnica

Ordem: Siluriformes — Família: Trichomycteridae (Tricomycterídeos)

Nomes Comuns: Bagrinho

Distribuição: América do Sul, alto da bacia do Paraná

Tamanho Adulto: 5 cm

Expectativa de Vida: desconhecido

Comportamento: desconhecido

pH: 6.4 a 7.4 — Dureza: desconhecido

Temperatura: 22°C a 26°C

Distribuição e habitat

Distribuído no alto da bacia do rio Paraná. Endêmico do estado de São Paulo.

Habita rios com fundo arenoso e lamacento.

Espécime de 3.4 cm na Cachoeira de Emas, Pirassununga, São Paulo

Descrição

São conhecidos popularmente como Cambeva, cambeba, acangapeva, campeva, bagre-mole ou bagre-cambeja.

A família Trichomycteridae é considerada monofilética. Tradicionalmente é subdividida em oito subfamílias: Copionodontinae, Glanapteryginae, Sarcoglanidinae, Stegophilinae, Trichogeninae, Trichomycterinae, Tridentinae e Vandelliinae. Estudos moleculares demonstraram que a subfamília Trichomycterinae é parafilética.

Criação em Aquário

Aquário com dimensões mínimas de 80 cm de comprimento e 30 cm de largura desejável.

A iluminação deverá ser moderada e o substrato arenoso e macio, uma vez que a espécie passa a maior parte de seu tempo associado a este.

Comportamento

Apresenta comportamento pacífico, podendo ser mantido em aquário comunitário. Adultos podem ser territorialista com congêneres.

Reprodução

Ovíparo. Sua reprodução é desconhecida.

Dimorfismo Sexual

Dimorfismo sexual desconhecido.

Alimentação

Onívoro. Em seu ambiente natural se alimenta de larvas e insetos.

EtimologiaParastegophilus, para (grego) = de lado + stego (grego) = cobrir + phileo (grego) = gostar

A origem de seu nome popular (Cambeva) vem do tupi akánga péua, que significa cabeça chata.

Sinônimos: Pseudostegophilus scarificator, Pseudostegophilus paulensis

Referências

  1. de Pínna, M.C.C. and W. Wosiacki, 2003. Trichomycteridae (pencil or parasitic catfishes). p. 270-290. In R.E. Reis, S.O. Kullander and C.J. Ferraris, Jr. (eds.) Checklist of the Freshwater Fishes of South and Central America. Porto Alegre: EDIPUCRS, Brasil.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Outubro/2017
Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 644 Artigos

Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*