Tigrinum (Brachyplatystoma tigrinum)

 

Brachyplatystoma-tigrinum

Classificação

Classe: Actinopterygii • Ordem: Siluriformes • Família: Pimelodidae

Nome binomial: Brachyplatystoma tigrinum (Britski, 1981)

Sinônimos: Merodontotus tigrinus

Grupo Aquário: Peixes gato (catfish), Bagres, Peixes Jumbo, Predadores

Nomes comuns

Zebra, Zebra Catfish, Tigrinum, Sorubim

Inglês: Tigerstriped catfish, Tigrinus Catfish, Zebra Shovelnose

Distribuição & habitat

América do Sul, bacia do rio Amazonas. Registrado na Cachoeira do Teotônio, no rio Madeira, noroeste do Brasil. Também foi registrado no Caquetá e Putomayo, bacias da Colômbia, além das bacias hidrográficas Ucayali e Marañon, no Peru

Países: Brasil, Colômbia e Peru

Habitat: rios principais de água branca, ambiente lótico com alto índice de oxigênio dissolvido, baixa transparência e alta proporção de sólidos dissolvidos. Adultos são vistos frequentemente associados a trecho de corredeiras e cataratas.

Brachyplatystoma-tigrinum-map
Mapa por Discover Life

Ambiente & parâmetros da água

Demersal; água doce • pH: 6.0 – 7.6 • Dureza: 7-12 • Clima: tropical; 24°C – 32°C

Tamanho adulto

60 cm (comum: 45 cm) • Estimativa de vida: 15 anos +

Manutenção em aquário

Aquário com dimensões mínimas de 200 cm X 60 cm requerido. O aquário deverá possuir substrato preferencialmente arenoso com refúgios. Por ser uma espécie sedentária e de hábito noturno, a presença de raízes ou refúgios serão importante para abrigá-lo. Trocas parciais de água constantes são desejáveis. Embora atinja um tamanho razoável, possui hábitos sedentários, podendo ser mantido em aquários menores.

Pacífico com outras espécies, mas se alimentará de qualquer outra que couber em sua boca. Ideal mantê-lo com peixes de porte similar ou maiores.

Alimentação

Carnívoro, em seu ambiente natural alimenta-se de peixes menores. Em cativeiro poderá não aceitar alimentos secos, sendo necessário o fornecimento de carnes e alimentos vivos, preferencialmente durante período noturno. Adultos não devem ser alimentados excessivamente, sendo ideal o fornecimento de alimentos de duas a três vezes por semana.

Reprodução e dimorfismo sexual

Ovíparo. Sua reprodução em cativeiro é desconhecida, em seu ambiente natural ela ocorre no final da estação seca, crescimento precoce ocorre entre junho e novembro. Esta espécie parece não realizar migrações como parte de seu ciclo de vida.

Dimorfismo sexual desconhecido, aparentemente são monomorfos.

Galeria de imagens

Brachyplatystoma-tigrinum-map33333
Cachoeira do Teotônio, Rio Madeira, em Rondônia, um dos locais onde a espécie é encontrada
Brachyplatystoma-tigrinum-double
Espécime adulto
Brachyplatystoma-tigrinum-double2
Espécime sub adulto a esquerda e variedade rara a direita

Descrição

Cabeça alongada e comprimida, mais estreita na parte da frente, maxilar inferior mais curto do que o superior. Esta espécie pode ser confundida com B. juruense, principalmente quando juvenil, porém, pode ser identificado com facilidade possuindo um padrão de cor mais definido. As faixas presente em B. tigrinus são continuas, enquanto em B. juruense são irregulares ou divididas. Os primeiros raios das nadadeiras dorsal e peitoral são flexíveis e não pungente em B. tigrinus.

Pode ser distinguido de seus congêneres pelas características externas como as barras estreitas escuras verticais em adultos, nadadeira caudal com barras verticais; nadadeira caudal é moderadamente bifurcada com lobos, uniforme de tamanho grande; barbilhões maxilares presente em adultos, com seu comprimento atingindo a base da nadadeira dorsal; pedúnculo caudal compactado mais profundo do que largo.

Brachyplatystoma-tigrinum7

O gênero Brachyplatystoma se distingue de todos os outros bagres por duas sinapomorfias, a primeira é relativa a diversas características morfológicas do crânio, principalmente a modificação do músculo da mandíbula . A outra característica mais evidente é encontrado apenas em juvenis e sub-adultos, na qual a parte superior e inferior dos raios da nadadeira caudal são estendidas em longos filamentos, tornando-se mais curtos ou são perdidos quando adultos. Este gênero ainda inclui algumas das maiores espécies de peixe gato da Amazônia, incluindo a Piraíba (B. filamentosum) que apresenta cerca de 300 cm. B. filamentosum e B. rousseauxii apresentam uma misteriosa glândula “leiteira” próximo das suas nadadeiras peitorais, sua função é desconhecida mas na Colômbia este peixe é conhecido como “lechero” (leiteiro).

A maior parte dos exemplares disponíveis no comércio são provenientes de capturas de indivíduos juvenis e cultivados em centros de manejo, antes de serem exportados para o todo o mundo. Este método é mais viável economicamente, porém inclui em um custo adicional no crescimento dos peixes até atingirem um tamanho comercializável, encarecendo ainda mais o valor desta espécie, que já é elevado no mercado de aquarismo. Este método de criação também permite uma maior taxa de sobrevida, uma vez que espécimes adultos capturados parecem não se adaptar muito bem em condições de cativeiro.

Espécie pouco tolerante a água com baixo índice de oxigênio, devendo ser mantido preferencialmente em ambiente lótico. Não devem ser superalimentados, podendo ser conduzido a morte pelo excesso de alimentação.

É bastante desejado por praticamentes do aquarismo, porém possui preço relativamente elevado.

Referências

  1. Lundberg, J.G. and A. Akama, 2005. Brachyplatystoma capapretum: a new species of Goliath catfish from the Amazon basin, with a reclassification of allied catfishes (Siluriformes: Pimelodidae). Copeia 2005(3):492-516.
  2. Ferreira, E.J.G., J. Zuanon and G.M. dos Santos, 1996. A list of commercial fish species from Santarém, State of Pará, Brazil. Naga ICLARM Q. 19(3):41-44.
  3. FAO-FIES, 2012. Aquatic Sciences and Fisheries Information System (ASFIS) species list. Retrieved from http://www.fao.org/fishery/collection/asfis/en, March 2012.
  4. aensch, H.A. and R. Riehl, 1995. Aquarien Atlas. Band 4. Mergus Verlag GmbH, Verlag für Natur-und Heimtierkunde, Melle, Germany. 864 p.
  5. Lundberg, J.G. and M.W. Littmann, 2003. Pimelodidae (Long-whiskered catfishes). p. 432-446. In R.E. Reis, S.O. Kullander and C.J. Ferraris, Jr. (eds.) Checklist of the Freshwater Fishes of South and Central America. Porto Alegre: EDIPUCRS, Brasil.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Março/2014
Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 769 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*