Nova espécie de bagre descoberta no Brasil recebe nome de “Wolverine”

 

A bacia do Rio Xingú, no planalto do Mato Grosso, tem um X-man vivendo em suas águas: segundo um catálogo de novas espécies divulgado pela Shoal Conservation detalha uma nova espécie de bagre (catfish, para os entusiastas da pesca) classificada como “Hopliancistrus wolverine” em homenagem ao icônico herói de baixa estatura e muita bestialidade da Marvel Comics.

Isso porque o peixe em questão esconde três garras em cada guelra, as quais são ejetadas quando ele se sente ameaçado. Originalmente, ele foi descoberto em 1989, marcado como membro da espécie “Hopliancistrus tricornis”. Entretanto, cientistas reavaliaram os peixes tricornis, quebrando essa classificação em cinco espécies distintas, sendo o “Wolverine” uma delas.

De acordo com os especialistas, apesar do nome feroz, o H. wolverine é exclusivamente herbívoro, se alimentando de algas e plantas ribeirinhas. Mesmo assim, eles alertam que a sua manipulação deve ser feita com cautela: as garras podem machucar bastante qualquer pessoa desavisada que o agarrar.

“Outras espécies relacionadas da mesma família – mesmo aquelas com grandes espinhos – não são conhecidas por demonstrarem esse comportamento”, disse Harmony Patricio, gerente de conservação ambiental da Shoal. “Os pesquisadores que descreveram essa espécie acabaram com alguns ferimentos bem grandes nos dedos enquanto coletavam espécimes do meio ambiente”.

De acordo com Lucia Py-Daniel, uma pesquisadora da Shoal envolvida na análise do bagre “Wolverine”, essas garras podem facilmente atravessar um dedo. “Quando eu estive capturando o peixe na bacia do Rio Tapajós, todos nós tivemos sangramentos ou ferimentos nos dedos, causados pela violência com que o animal tentava nos espetar com essas garras perto da sua cabeça”, ela contou. “No campo, os pescadores locais começaram a chamá-lo de ‘Buffalo Bill’”.

Não é a primeira vez que a Marvel se mistura com o meio ambiente da vida real: em 2019, o peixe Cirrhilabrus wakanda foi descoberto na costa de Zanzibar, uma ilha próxima à Tanzânia. E há também a Humorolethalis sergius, popularmente conhecida como “mosca Deadpool”, descoberta em 2019 e assim chamada pelas suas marcações pretas e vermelhas que lembram a máscara do personagem dos quadrinhos e filmes.

Voltando ao catálogo da Shoal, além do bagre wolverine, ele também detalha a “enguia cega de Bombaim” (ironicamente descoberta em um poço dentro de uma escola para crianças cegas na Índia; e o Danionella cerebrum, um tipo de peixe que consegue reverberar o próprio corpo como se fosse um tamborzinho.

O documento foi disponibilizado publicamente em formato pdf, já disponível para download.

Fonte: Olhar Digital

Publicado em Abril de 2022

Sobre Edson Rechi 918 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*