Peixe pode suportar níveis absurdos de lixo tóxico

Pesquisadores descobriram que os peixes de água doce conhecidos como killifish do Atlântico agora estão 8.000 vezes mais resistentes a altos níveis de lixo tóxico que os outros peixes, permitindo com que eles sobrevivam a extremos níveis de poluição que mataria quaisquer um de seus companheiros de espécie. Parece uma história de sucesso evolucionária, mas coisas como esta mostram que isto é algo excepcionalmente raro no reino animal.

Fundulus heteroclitus (Foto Tony Terceira)

Uma nova pesquisa publicada no periódico Science mostra que espécies urbanas de killifish que nadam em quatro locais muito poluídos da costa leste dos Estados Unidos desenvolveram uma forte resistência a ambientes letais alterados por seres humanos. Graças à sua genética única, estes peixes agora são milhares de vezes mais resistentes a altos níveis de poluição que qualquer outro peixe.

O processo evolucionário geralmente é lento, tornando difícil para as espécies se adaptarem a ambientes alterados por humanos. Pesquisadores da UC Davis descobriram que o killifish conta com um grande variação genética de alto nível que é maior que qualquer outro vertebrado sequenciado geneticamente. Como insetos, ervas daninhas e bactérias, estes peixes podem se adaptar rapidamente a diferentes agravantes ambientais.

“Algumas pessoas verão isso como algo positivo e pensar: ‘ei, as espécies podem evoluir como resposta ao que estamos fazendo ao meio ambiente!’”, observou Andrew Whitehead, um dos autores do estudo, em um comunicado. “Infelizmente, a maioria das espécies que tentamos preservar infelizmente não pode ser adaptar a mudanças tão rápidas, pois elas não têm altos níveis de variação genética que permitiram uma evolução rápida.”

De fato, os animais sem este tipo de característica genética frequentemente não conseguem se adaptar rápido o suficiente. Algumas espécies em específico não conseguem se desviarem de seus scripts genéticos, fazendo que muitas das mutações sejam desvantajosas.

Na esquerda, um embrião desenvolvido normalmente de um killifish do Atlântico; à direita, um embrião afetado por um grupo de químicos chamado PCB. O peixe da direita tem um coração deformado, enquanto o killifish, que evoluiu para tolerar este tipo de substância, mostra sinais limitados de defeitos. (Imagem por Bryan Clark/U.S. EPA)

Pesquisa com os peixes mutantes

No estudo, os cientistas sequenciaram o genoma de quase 400 peixes killifish do Atlântico de locais poluídos e não poluídos de locais como New Bedford Harbor (Massachusetts), na baía de Newark (Nova Jersey), na área de Bridgeport (Connecticut) e do rio Elizabeth (Virgínia). Esses cursos d’água estão contaminados desde as décadas de 50 e 60 com dioxinas, metais pesados, hidrocarbonetos e outros poluentes industriais.

Análises genéticas mostram que estes peixes são bem preparados para habitats radicalmente alterados. Impressionantemente, todos os peixes adquirem adaptações similares em águas tóxicas, mesmo que eles nadem em ambientes diferentes. Isto é um grande exemplo de evolução convergente ativa, quando animais em diferentes ambientes esbarram em uma mesma solução. Os pesquisadores dizem que é possível que o killifish tenha se aprimorado nesta mudança evolucionária em razão de uma peculiaridade genética que o levou a esta rápida adaptação à polução.

O estudo pode ajudar a explicar como as diferenças genéticas entre humanos e outras espécies contribuem para diferenças na sensibilidade a substâncias químicas.

“Se soubermos os tipos de genes que podem dar sensibilidade a outros animais vertebrados como nós, talvez nós possamos entender quão diferente os humanos, com suas mutações próprias e destes genes importantes, podem reagir a estas substâncias químicas”, disse Whitehead.

Os killifish da costa leste dos Estados Unidos podem ter evoluído a ponto de criar uma tolerância a lixo tóxico, mas há um grande problema nisso. Estes peixes são presas para uma série de espécies, que agora vão enfrentar graves consequências por comerem um alimento que sobrevive em águas poluídas. Nós só saberemos os problemas disso nos próximos anos.

Fonte: Gizmodo Brasil – Original em [Science]

Publicado em Julho/2018

Sobre Edson Rechi 706 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*