Acará (Biotodoma wavrini)

 
Biotodoma wavrini (Gosse, 1963)

Ficha Técnica

Ordem: Perciformes — Família: Cichlidae (Ciclídeos)

Nomes Comuns: Orinoco eartheater

Distribuição: América do Sul, Bacia do Rio Amazonas

Tamanho Adulto: 10 cm

Comportamento: pacífico, gregário

pH: 4.0 a 6.6 — Dureza: < 10

Temperatura: 24°C a 30°C

Distribuição e habitat

Distribuído no médio e alto do rio Negro no Brasil e Colômbia, sistema Cassiquiare no Brasil e na Venezuela, além da bacia do Orinoco na Venezuela e Colômbia.

Ocorre principalmente em água negra e ambiente lêntico, além de zonas inundadas.

Juvenis em aquário

Descrição

Seu padrão de cor e morfologia externa pode mudar de acordo com sua localização.

B. wavrini e seu congênere B. cupido podem ser distintos pela forma do corpo e posição da mancha escura na porção posterior de seu flanco. Em B. cupido o corpo é relativamente compacto e a mancha localizada acima da linha lateral superior, enquanto que em B. wavrini o corpo é visivelmente alongado e a mancha fica sobre ou abaixo da linha lateral superior.

Espécies simpátricas na bacia do Rio Orinoco incluem Corydoras delphax , Platydoras costatus , Baryancistrus beggini , Inspetor de Hypancistrus , Panqolus maccus , Panaque nigrolineatus , Hemigrammus rhodostomus , H. stictus , Hyphessobrycon sweglesi , Paracheirodon axelrodi , Pristella maxilaris , Copella nattereri , Heros severus , Mesonauta insignis , Satanoperca daemon e Uaru fernandezyepezi.

Criação em Aquário

Aquário com dimensões mínimas de 100 cm de comprimento e 40 cm de largura desejável.

O substrato deverá ser preferencialmente arenoso e macio. Decorações adicionais são opcionais, ficam mais a vontade com a presença de raízes espalhadas e iluminação moderada.

É uma espécie frágil para manter em aquários novos, preferindo água maturada e estável. Se o regime de manutenção do aquário ou alimentação for insuficiente, poderão desenvolver problemas de saúde ou crescimento atrofiado.

Comportamento

Apresenta comportamento pacífico, sendo ideal para aquário comunitário com peixes de pequeno a médio porte igualmente pacíficos. Deve evitar criá-lo com peixes territoriais, agressivos ou muito agitados.

De comportamento gregário que tendem a viver em grupos, exibem uma forte hierarquia. Um grupo de pelo menos cinco indivíduos é recomendado. Quando mantido em menor número, espécimes mais fracos podem se tornar alvo excessivo de agressões dos indivíduos dominantes.

Sub-adulto em aquário

Reprodução

Ovíparo. Formado o casal e após o ritual reprodutivo, a fêmea irá liberar ovos adesivos em alguma superfície plana de rochas, folhas ou raízes. Eclodem em até 48 horas sendo transferidos para pequenas cavidades na areia. Cerca de uma semana estarão nadando livremente sob o cuidado dos pais por até quatro semanas.

Dimorfismo Sexual

Machos são maiores e mais magros, além de sua nadadeira dorsal e caudal terminar em longos filamentos pontiagudos.

Alimentação

Onívoro. Pertencem a um grupo de peixes conhecido como “papa-terra”, engole uma porção de areia e filtra o que é comestível descartando o restante pelas guelras. Portanto sua alimentação se resume no que encontra no substrato.

Em aquário aceitará prontamente alimentos secos e vivos. Sua dieta deve conter uma variedade alta de preparados de granulometria pequena e alimentos como tubifex, artêmias, larvas de mosquitos, entre outros.

Etimologia: Biotodoma; biotos (grego) = vida, existência + domos (grego) = casa. Em alusão aos espécimes adultos que transportam alevinos em sua boca, porém este comportamento não é aplicável a espécies deste gênero.

Wavrini; nomeado em homenagem ao documentarista belga Marquis Robert de Wavrin, que esteve na América do Sul entre 1913-1930, registrando as culturas e tradições das tribos indígenas.

Sinônimos: Geophagus wavrini

Referências

  1. Kullander, S.O., 2003. Cichlidae (Cichlids). p. 605-654. In R.E. Reis, S.O. Kullander and C.J. Ferraris, Jr. (eds.) Checklist of the Freshwater Fishes of South and Central America. Porto Alegre: EDIPUCRS, Brasil.
  2. Axelrod, H.R., 1993. The most complete colored lexicon of cichlids. T.F.H. Publications, Neptune City, New Jersey. 864 p.
  3. Munz, W.R.A., 1973. Yellow filters and the absorption of light by the visual pigments of some Amazonian fishes. Vision Res. 13:2235-2254.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Fevereiro/2017
Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 769 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*