Baiacu do Rio Cross (Tetraodon pustulatus)

 
Tetraodon pustulatus (Murray, 1857)

Ficha Técnica

Ordem: Tetraodontiformes — Família: Tetraodontidae

Nomes Comuns: Baiacu do rio Cross — Inglês: Cross River Puffer, Redline Pufferfish

Distribuição: África; endêmico do rio Cross na Nigéria e Camarões

Tamanho Adulto: 36 cm

Expectativa de Vida: 8 anos +

Comportamento: agressivo, predador

pH: 7.0 a 7.6 — Dureza: 5 a 15

Temperatura: 24°C a 28°C

Distribuição e habitat

Endêmico do rio Cross na Nigéria e pequena parte do Camarões.

Ocorre em áreas rasas principalmente em água doce, eventualmente pode frequentar água salobra.

Descrição

Raramente encontrado no aquarismo, pode ser confundido com Tetraodon lineatus.

Apresenta pele sem escamas e cabeça e corpo cobertos com pequenos espinhos, exceto no focinho e na região caudal. Dois pares de tentáculos nasais; Nadadeiras dorsais e anais curtas; nadadeiras peitorais bem desenvolvidas; Não apresenta nadadeira pélvica; pedúnculo caudal fino lhe rendendo corpo delgado diferindo dos demais baiacus asiáticos e sul-americanos.

Possuem a capacidade de inflar seu estomago elástico com água ou ar quando ameaçado. O peixe torna-se duas ou três vezes maior que seu tamanho original, o suficiente para afugentar muitos predadores em potencial, tornando difícil de ser engolido.

Outras adaptações merecem ser destacadas, sendo um dos poucos peixes que realmente podem piscar ou fechar os olhos, além de sua boca ser similar a um bico formado por fusão de duas placas de dentes em cada mandíbula que é utilizada para triturar e esmagar invertebrados que possuem conchas carbonatadas.

Criação em Aquário

Aquário com dimensões mínimas de 100 cm de comprimento e 40 cm de largura desejável.

A decoração do aquário será um tanto indiferente, devendo deixar espaços abertos para nadarem, pois é uma espécie bastante ativa. Usar preferencialmente substrato arenoso.

É muito sensível à deterioração das condições da água, pelo que são necessárias mudanças regulares de água parciais, além de alimentação especializada, sendo indicado apenas para aquaristas mais experientes.

Comportamento

Agressivo com outras espécies de peixes. Deve ser criado preferencialmente em aquário mono espécie.

Altamente predador, mesmo quando mantido com peixes de maior porte. Tenderá a mordiscá-los podendo arrancar pedaços e causar sérias lesões.

Reprodução

Ovíparo. Sua reprodução é desconhecida em cativeiro.

Dimorfismo Sexual

O dimorfismo sexual é pouco evidente por meios externos.

Alimentação

Onívoro, essencialmente moluscívoro. Em seu ambiente natural se alimenta de moluscos, crustáceos e outros invertebrados, secundariamente de peixes, plantas e detritos. Em cativeiro pode não aceitar alimentos secos, devendo ser fornecido alimentos vivos e congelados.

Fornecer regularmente caramujos e mariscos com casca dura (ex. patas de caranguejo, camarões, etc) para gastar seus dentes, uma vez que eles crescem continuamente podendo trazer problemas em longo prazo para a saúde do peixe. Pode-se ainda usar areia calcária fina no substrato, o qual os dentes do peixe serão gastos através da mastigação de alimentos capturados no substrato junto com a areia.

Etimologia: Tetraodon; do grego tetra = quatro + grego odous = dentes. Em alusão as quatro placas ósseas localizadas em sua boca.

Sinônimos: Tetrodon pustulatus, Tetraodon guttifer, Tetraodon leiogaster

Referências

  1. Roberts, T.R., 1986. Tetraodontidae. p. 434-436. In J. Daget, J.-P. Gosse and D.F.E. Thys van den Audenaerde (eds.) Check-list of the freshwater fishes of Africa (CLOFFA). ISNB, Brussels; MRAC, Tervuren; and ORSTOM, Paris. Vol. 2.
  2. Mdaihli, M., T. du Feu and J.S.O. Ayeni, 2003. Fisheries in the southern border zone of Takamanda Forest Reserve, Cameroon. p. 141-154. In J.A. Comiskey and T.C.H. Sunderland (eds). Takamanda: the Biodiversity of an African forest. SI/MAB Ser. 8.
  3. Paugy, D., K. Traoré and P.S. Diouf, 1994. Faune ichtyologique des eaux douces d’Afrique de l’Ouest. p.35-66. In G.G. Teugels, J.F. Guégan and J.J. Albaret (eds.) Biological diversity of African fresh-and brackish water fishes. Geographical overviews presented at the PARADI Symposium, Senegal, 15-20 November 1993. Ann. Mus. R. Afr. Centr., Sci. Zool.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Janeiro/2017
Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 769 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*