Bagre Lanceiro Preto (Bagrichthys macracanthus)

 

Bagrichthys-macracanthus

Bagrichthys macracanthus (Bleeker, 1854)

Nome Popular: Lanceiro Preto — Inglês: Black lancer catfish

Família: Bagridae (Bagrídeos)

Origem: Ásia, desde Tailândia até Indonésia

Tamanho Adulto: 23 cm

Expectativa de Vida: desconhecido

Temperamento: pacífico

Aquário Mínimo: 100 cm X 40 cm X 50 cm (200 L)

Temperatura: 24°C a 28°C

pH: 5.5 a 7.0 – Dureza: 4 a 24

Visão Geral

Ocorre em águas turvas e lamacentas de fluxo lento. Membros deste gênero apresentam característica de viver em grandes rios lamacentos. Corpo alongado lateralmente e pedúnculo caudal comprido, as nadadeiras dorsal e adiposa são bastante longas e serrilhadas.

Seu nome comum “lancer” é derivado da espinha dorsal estendida, algo comum em espécies do gênero. Entre eles B. macracanthus é semelhante à B. majusculus e B. Vaillantii.

Aquário & Comportamento

Espécie de comportamento tímido que passa a maior parte do tempo escondido em meio a refúgios formado por troncos e plantas. O aquário para deverá ter troncos e plantas, preferencialmente iluminação fraca.

Possui boca relativamente pequena, sendo incapaz de comer peixes menores. Ficam mais ativos quando mantidos com peixes cardumeiros como Rasboras, Danios e afins. Embora apresente comportamento pacífico, é territorial com membros da mesma espécie.

Reprodução & Dimorfismo Sexual

Ovíparo. Sua reprodução em cativeiro não foi documentada, mas na natureza adultos frequentam áreas temporariamente inundadas no início da estação chuvosa para a desova.

O dimorfismo sexual é bem evidente, no macho a papila genital é visível e está localizado próximo a nadadeira anal, além de seus barbilhões serem mais compridos do que das fêmeas. Fêmea sexualmente madura é ligeiramente maior e mais encorpada.

Alimentação

Onívoro. Alimenta-se de crustáceos e de outros animais bentônicos pequenos, além de detritos de plantas superiores que são lentamente digeridos e permanece no intestino por longos períodos de tempo. Em cativeiro aceitará prontamente alimentos secos e vivos.

EtimologiaBagrichthys vem do moçárabe = bagre

Referências

  1. Kottelat, M., A.J. Whitten, S.N. Kartikasari and S. Wirjoatmodjo, 1993. Freshwater fishes of Western Indonesia and Sulawesi. Periplus Editions, Hong Kong. 221 p.
  2. Rainboth, W.J., 1996. Fishes of the Cambodian Mekong. FAO species identification field guide for fishery purposes. FAO, Rome, 265 p.
  3. Romero, P., 2002. An etymological dictionary of taxonomy. Madrid, unpublished.
  4. Kottelat, M., 2001. Fishes of Laos. WHT Publications Ltd., Colombo 5, Sri Lanka. 198 p.
  5. Taki, Y., 1974. Fishes of the Lao Mekong Basin. United States Agency for International Development Mission to Laos Agriculture Division. 232 p.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Maio/2016

Colaboradores (collaboration): –

 

Sobre Edson Rechi 769 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*