Tetra Pimenta (Axelrodia stigmatias)

 

Axelrodia stigmatias  (Fowler, 1913)

Nome Popular: Tetra Pimenta — Inglês: Pepper Tetra

Ordem: Characiformes — Família: Characidae (Caracídeos)

Distribuição: América do Sul, bacia do rio Amazonas e rio Madeira

Tamanho Adulto: 2.5 cm

Expectativa de Vida: 3 a 5 anos +

pH: 4.0 a 6.5 — Dureza: < 8

Temperatura: 22°C a 28°C

Aquário Mínimo: 60 cm (comprimento) X 30 cm (largura) desejável — A decoração do aquário não é crítica para a espécie, mas se mostram mais coloridos quando mantidos em aquário densamente plantado. Pode-se adicionar raízes e folhas secas (opcional).

Comportamento & Compatibilidade: Espécie de comportamento pacífico podendo ser mantido em aquário comunitário com peixes de mesmo porte. Peixe gregário, será importante manter em cardume com pelo menos 10 espécimes para que mostrem seu comportamento natural e cores mais realçadas.

Alimentação: Provavelmente um micro predador alimentando-se naturalmente de pequenos invertebrados e zooplâncton. Em cativeiro aceitará prontamente alimentos secos e vivos.

Reprodução: Ovíparo. Nas primeiras horas do dia o macho conduzirá a fêmea liberar os ovos que serão fecundados e sua maioria irá para o fundo. Eclodem em até três dias e larvas estarão nadando livremente em até 48h. Pais não exibem cuidado parental.

Dimorfismo Sexual: Quanto ao corpo, o macho tem forma retilínea e a fêmea, forma roliça.

Biótopo: Segundo informações (não científicas) são encontrados em ambiente de águas negras. Presumivelmente, deve ocorrer em riachos e afluentes pequenos em meio a sombra de densa vegetação flutuante ou ciliar.

Etimologia: Axelrodia, nomeado em homenagem ao especialista em peixes tropicais, editor e empresário americano Dr. Herbert R. Axelrod. Estigmatias : do latim stigmatias, que significa ‘aquele que é marcado’, em referência à marcação escura no pedúnculo caudal do peixe.

Sinônimos: Axelrodia fowleri, Hyphessobrycon stigmatias

Informações adicionais: Endêmico da bacia Amazônica, ocorrendo na região oeste da Amazônia com registros confirmados no rio Madeira e do lago Manacapuru, ao largo do rio Solimões (rio Amazonas), próximo de Manaus, no Brasil, além do rio Ucayali, no Peru. No Brasil é encontrado nos estados do Amazonas e Rondônia.

É semelhante ao A. riesei, mas pode ser distinguido pelo seu corpo mais alongado (profundidade 4-5 vezes, vs. 3,1-3,5 vezes), cor do corpo (amarelo prateado vs. vermelho) e osso suborbital (quase completa, vs. reduzido). A cor do pedúnculo caudal varia um pouco, embora não tenha certeza se isso é atribuível à localidade, dieta, plasticidade fenotípica ou qualquer outra coisa.

Referências:

  • Lima, F.C.T., L.R. Malabarba, P.A. Buckup, J.F. Pezzi da Silva, R.P. Vari, A. Harold, R. Benine, O.T. Oyakawa, C.S. Pavanelli, N.A. Menezes, C.A.S. Lucena, M.C.S.L. Malabarba, Z.M.S. Lucena, R.E. Reis, F. Langeani, C. Moreira et al. …, 2003. Genera Incertae Sedis in Characidae. p. 106-168. In R.E. Reis, S.O. Kullander and C.J. Ferraris, Jr. (eds.) Checklist of the Freshwater Fishes of South and Central America. Porto Alegre: EDIPUCRS, Brasil.
  • Esguícero, A.L.H. and R.M. Castro, 2017. Taxonomic revision of the genus Aphyodite, with description of two new species (Teleostei: Characidae).
  • Fowler, H. W., 1913 – Proceedings of the Academy of Natural Sciences of Philadelphia v. 65: 515-579
    Fishes from the Madeira River, Brazil.
  • Reis, R. E., S. O. Kullander and C. J. Ferraris, Jr. (eds.), 2003 – EDIPUCRS, Porto Alegre: Check list of the freshwater fishes of South and Central America.

Ficha por (Entered by): Edson Rechi — Agosto/2018
Colaboradores (collaboration): –

Sobre Edson Rechi 769 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*