Ação pretende salvar o Cascudo Zebra da extinção

Uma ação brasileira pretende beneficiar uma espécie rara de peixe: o acari. Segundo a pesquisadora responsável pelo projeto Acari do Brasil, Jôsie Schwartz Caldas, a espécie acari zebra imperial (Hypancistrus zebra) existe no Pará e está em perigo crítico de extinção.

O risco se dá devido ao iminente funcionamento da usina hidroelétrica de Belo Monte e à implantação de uma mineradora na região. Além disso, a espécie –de potencial ornamental– sofre com a pesca ilegal e o contrabando.

Caldas estima que, até 2019, a população do Cascudo zebra imperial será reduzida em 80%, e a população remanescente dificilmente se reproduzirá em ambiente natural desestruturado.

“A pesquisa no âmbito da criobiologia de gametas é fundamental para a conservação da espécie”, diz a pesquisadora. “A reprodução na aquicultura é a única forma de evitar o contrabando e a pressão da pesca sobre a espécie. ”

A ideia é reproduzir esse peixe em cativeiro e conservar células em um banco genético. Testes preliminares já obtiveram êxito, mas a continuidade das pesquisas depende de recursos para aquisição de insumos e equipamentos.

Para obter a verba, uma campanha foi iniciada e tem meta de arrecadação de R$ 15 mil. É possível colaborar neste linkaté o fim deste mês.

“Caso ultrapassemos nossa meta, parte do recurso será utilizada para a abertura de uma ONG para fomento de pesquisas no âmbito da conservação de peixes brasileiros”, afirma a página da campanha. “Os equipamentos adquiridos com esse recurso serão destinados a essa ONG quando a pesquisa de doutoramento acabar.”

Sobre Edson Rechi 624 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

1 Comentário

  1. Se existisse vontade realmente de preservar, o Estado (IBAMA e outros órgãos) deveriam incentivar a reprodução em cativeiro para fins de comercialização. Acabaria a pressão de coleta, como ocorreu por exemplo com o jacaré do Pantanal, que quase foi extinto na década de 80 e hoje voltou a ser abundante na região, graças à criação em cativeiro, que tornou a caça ilegal sem atratividade econômica.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*