Ração pode gerar bactéria resistente à antibiótico

Pesquisadores chineses fazem descoberta que deixa comunidade científica preocupada

Cientistas da China concluíram que a farinha de pescados usada para alimentar peixes de viveiro induz a propagação de genes resistentes a antibióticos. O estudo foi publicado no jornal científico Environmental Science and Technology.

Os chineses analisaram 132 tipos desses genes ao analisar cinco produtos no mercado e confirmaram uma grande abundância e diversidade dos mesmos no fundo do mar, em zonas de aquicultura, estabelecendo essa relação direta pela primeira vez.

Os sedimentos que se acumulam no criadouro são “terreno fértil” para esses genes e modificam as características da comunidade bacteriana. Isto foi possível confirmar em laboratório, uma vez que as bactérias assimilam o traço de resistência que deixa em alerta a comunidade científica, a Organização Mundial de Saúde e alguns governos.

Em setembro do ano passado, o problema esteve na ordem de trabalhos da Assembleia-Geral das Nações Unidas, que ao longo da sua história raramente discutiu questões de saúde.

O time de cientistas sugere que se realizem estudos para perceber até que ponto a aquicultura pode estar a contribuir para a disseminação destas superbactérias na cadeia alimentar e num contexto global, para depois se tomarem medidas, se for caso disso.

Os testes realizados indicam que muitas bactérias desenvolvidas nestes ambientes têm forte probabilidade de se tornarem patogénicas para os humanos, podendo, por isso, causar-lhes doenças infecciosas. Boa parte delas, se não é tratável com determinado antibiótico, pode responder a outro. O que se torna grave é se uma bactéria das mais perigosas adquire esse traço de multirresistência que nem os chamados antibióticos de último recurso são capazes de combater.

Fonte: Revista Pesca & Companhia

Sobre Edson Rechi 644 Artigos

Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*