Ruído do acasalamento entre corvinas pode ensurdecer mamíferos

Para atrair fêmeas, machos reproduzem um som mais forte que o de show de grandes bandas de rock, segundo estudo

Uma espécie de corvina encontrada no litoral do México é capaz de produzir um som no momento de sua reprodução que ensurdeceria mamíferos aquáticos. É o que revela um artigo científico divulgado por dois biólogos no site Royal Sociaty.

As corvinas da espécie Cynoscion othonopterus se distribuem por todo o Golfo da Califórnia, mas no período reprodutivo, os cardumes se reúnem no delta do Rio Colorado. Para atrair as fêmeas, os machos emitem uma série de pulsos sonoros muito altos e rápidos, que se assemelham, segundo biólogos, ao disparo de uma metralhadora. Logo se forma um coro de chamados de acasalamento, que foi descrito “como um estádio lotado”.

Os estudiosos Timothy Rowell e Brad Erisman fizeram um estudo destes ruídos. “Os níveis são altos o suficiente para gerar perda de audição permanente em mamíferos marinhos que foram vistos tentando se alimentar desses peixes”, afirmou Rowell, ao jornal ao The Guardian.

O ruído ambiente, na presença das corvinas, fica 21 vezes mais alto que a média, e alcança algo entre 170 e 210 decibéis submarinos, que convertidos equivalem entre 118,5 e 148,5 decibéis comuns, o que segundo a revista Super Interessante, é mais alto que o som de um show de rock.

Sobre Edson Rechi 693 Artigos
Aquarista em duas fases distintas, a primeira quando criança e tentava manter peixes ornamentais sem muito sucesso. Após um longo período sem aquários, voltou no aquarismo em 2004, desde então já manteve diversos tipos de aquários como plantado, peixes jumbo, ciclídeos africanos, água salobra, amazônico comunitário e marinho. Atualmente curte e mantém peixes primitivos e ciclídeos neotropicais, suas grandes paixões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*